Família acusa PMs por sumiço e morte de jovem de 16 anos

Yago Ikeda tinha 16 anos

Yago Ikeda ficou quatro dias desaparecido após abordagem policial no Grajaú, zona sul de São Paulo. Em protesto contra a morte do garoto, moradores da região queimaram ônibus. Em apenas cinco meses, é o segundo caso de jovem morto pela PM de SP que gera revolta no mesmo bairro da periferia paulistana
Yago Ikeda tinha 16 anos
Yago Ikeda tinha 16 anos

estudante Yago Ikeda Barreto Pedrosa Araujo, de 16 anos, foi encontrado morto com seis tiros na última terça-feira (20/10) após ter ficado quatro dias desaparecido. Familiares afirmam que o desaparecimento ocorreu após abordagem policial próximo de onde morava, quando voltava da casa da avó, no Grajaú, zona sul de São Paulo.

Testemunhas afirmaram à família que os policiais militares admitiram que Yago não tinha nada de errado quando morto, mas disseram que o jovem tinha envolvimento com criminosos. Quem atirou contra o menor foi o cabo da Polícia Militar Evandro Gonçalves Xavier, que afirmou no 101º DP que foi vítima de uma emboscada e que apenas reagiu.

Em maio deste ano, a Polícia Militar de São Paulo já havia matado Lucas Custódio dos Santos, o Dudinha, negro, também de 16 anos. Assim como no caso de Yago, os moradores do Grajaú queimaram ônibus para protestar e chamar a atenção das autoridades pela letalidade militar na área.

Boletim de Ocorrências do caso
Boletim de Ocorrências do caso

De acordo com o Boletim de Ocorrências do caso, o cabo da PM constatou que o suposto comparsa de Yago estava armado e que o menor de idade, que estava no final da rua, na cobertura do crime, atirou contra ele. Por isso, afirmou ter reagido. “Ao se aproximar lentamente do indivíduo que havia sido baleado, ele percebeu que outros dois indivíduos tentaram socorrê-lo e ao perceberem que ele estava morto, pegaram a arma e fugiram“, diz o histórico da ocorrência.

Evandro Gonçalves Xavier acionou a corporação, que enviou viaturas ao local. Os PMs comunicaram o caso à autoridade policial plantonista. “Segundo o declarante, os infratores estavam em um veículo VW Golf de cor prata. Porém, devido a distância, não foi possível anotar as placas do automóvel“.

A versão dos policiais causou revolta em quem conhecia Yago. Por isso, houve uma manifestação na noite de quarta-feira (20/10) na avenida Belmira Marin, a principal via do Grajaú, em que um ônibus foi incendiado. A garçonete Rosângela Gonçalves de Araújo, de 37 anos, tia da vítima, afirmou que a família ficou aflita desde o desaparecimento, porque todos que viram Yago pela última vez disseram que ele estava com policiais.

“Como sobrinho, como ser humano, o Yago foi uma criança maravilhosa. Era respeitador, amoroso, nunca tive nenhuma discussão. Só paz e amor”, disse à reportagem da Ponte Jornalismo a tia do garoto. “A mãe dele é muito trabalhadora. Por isso, ele vivia muito com a avó. O que mais dói, como tia, é que não pude aproveitar o tempo com ele. Não foi suficiente o tempo de vida dele. Já dá saudade”, complementa Rosângela.

Vídeo em que tenente diz que Yago era ladrão

Um vídeo com o 1º tenente André Silva Rosa divulgado nas redes sociais supostamente mostra o corpo de Yago na avenida Grande São Paulo. Em uma “entrevista”, o policial diz a vítima morreu em uma tentativa de assalto. Ele afirma que Yago e um outro rapaz anunciaram a venda de um celular caro nas redes sociais. No local, eles tentaram praticar um roubo, mas não contavam que o comprador era um policial, que reagiu. “Esse é o caminho que o ladrão escolheu, infelizmente”, diz.

Ex-Rota, tenente Rosa está na escola de soldados atualmente
Ex-Rota, tenente Rosa está na escola de soldados atualmente

Nos comentários da rede social, a maioria dos usuários desconfiou do vídeo. “Eles combinaram de fazer uma transação de R$ 1,9 mil à noite numa viela?!”, questiona um rapaz. “Como pode tanta injustiça? Ninguém fala que não era um homem, era um menino, e que o menino estava passando e o policial confundiu com outro e atirou. E que ele também mora na rua do menino. A bala do tiro desapareceu e a família só soube depois de 5 dias. boca fala o que quer, acredita quem quer”, escreveu outro.

Eduardo: “Naturalizaram o extermínio na periferia”

A tia do menor de idade rechaça a hipótese levantada pelo tenente. “O Yago era uma criança muito doce. Ele ia pra escola, tinha amizades com todo mundo no bairro em que morava. As pessoas sempre foram muito carinhosas com ele”.

Procurada, a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo, que tem à frente Alexandre de Moraes, na gestão de Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou, em nota, que “o Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) investiga o caso. Agentes do departamento  buscam outras testemunhas e imagens de câmeras de monitoramento no bairro do Grajaú. Também serão anexados ao inquérito o laudo do local do crime, feito pelo Instituto de Criminalística, e o exame necroscópico do IML”.

IMG_6125

Em SP, PM que mata jovem negro favelado cumpre uma política de Estado

Exclusivo: Moradora relata agressões de PM no caso de morte de jovem no Grajaú

PMs de SP são presos e investigados por integrar grupo de extermínio que matou 20 e feriu 19

PMs são investigados sob suspeita de matar jovem de 15 anos asfixiado durante abordagem

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar