PMs são presos por atirar e mentir sobre morte de jovem travesti em SP 11


PMs atiraram contra jovem de 18 anos e arrumaram testemunhas para mentir em depoimento à Polícia Civil. Laura Vermont havia sido espancada por desconhecidos, na zona leste de SP, e tentou fugir em carro da Polícia Militar
Laura Vermont

Laura Vermont, 18 anos, foi morta no sábado (20/06)

Dois policiais militares foram presos sábado (20/06) pela Polícia Civil de São Paulo sob suspeita de participação na morte da travesti Laura Vermont, 18 anos.

Os PMs Ailton de Jesus, 43 anos, e Diego Clemente Mendes, 22, são do 39º Batalhão, na zona leste de São Paulo, e foram presos em flagrante após mentir para a Polícia Civil sobre um tiro disparado contra Laura.

Na noite de sexta-feira (19/06), Laura saiu de casa, no bairro do Vila Nova Curuça, onde vivia com pai, mãe e irmã, para participar de uma festa com amigos na avenida Nordestina, uma das mais movimentadas da periferia da zona leste de São Paulo.

Por volta das 4h de sábado, Laura foi vista caminhando desesperada pela avenida Nordestina, ensanguentada e desorientada. Avisada sobre a situação da jovem por uma ligação para 190, a Polícia Militar mandou um carro para socorrê-la. Um homem chegou a gravar imagens de Laura no momento de pânico.

Na versão dos PMs, quando eles chegaram à avenida, Laura estava extremamente agitada e, sem que os dois militares percebessem, a jovem travesti assumiu o volante do carro da PM e partiu em alta velocidade, vindo a perder o controle e bater contra o muro de um condomínio poucos metros depois.

“A versão de que minha filha pegou o carro da PM é estranha. Ela não sabia dirigir”, disse o comerciante Jackson de Araújo, pai de Laura.

Inicialmente, o PM Mendes afirmou que chegou a se pendurar no carro da polícia para tentar impedir que Laura fugisse com o carro, foi arrastado e sofreu alguns ferimentos.

Mendes e Ailton disseram também que Laura, após bater o carro da PM contra o muro de um condomínio residencial, desceu do veículo e continuou a correr pela avenida Nordestina, sendo atingida na cabeça por um ônibus, que não parou. Ainda desnorteada, a travesti seguiu sua tentativa de fuga e bateu novamente a cabeça, dessa vez contra um poste. Foi quando ela caiu e ficou à espera de socorro.

Os PMs disseram ter socorrido Laura e a levado para o pronto-socorro do Hospital Municipal Professor Waldomiro de Paula, mas a família da jovem os desmente. “Fomos nós, a família, que levamos minha irmã para o hospital”, disse Rejane Laurentino de Araújo Neves, 32 anos, irmã de Laura.

Pouco tempo depois de chegar ao pronto-socorro, Laura morreu e os PMs foram para o 63º Distrito Policial (Vila Jacuí) relatar à Polícia Civil a versão deles para a morte da jovem. Foi quando apresentaram um relato de 18 linhas sobre o caso.

Cerca de duas horas após o registro do primeiro boletim de ocorrência sobre a morte de Laura, os PMs retornaram ao 63º DP e, dessa vez, traziam junto um rapaz de 19 anos, apresentado pelos militares como “testemunha” do caso.

À delegada Ivna Schelble, do 63º DP, o jovem de 19 anos contou que bebia com amigos em um posto de gasolina quando Laura chegou desorientada, ensanguentada e pedindo ajuda. Disse também que, após 20 minutos, um carro da PM chegou à avenida para socorrer Laura e que viu quando a jovem assumiu o controle do veículo, fugindo, sem ser contida pelo PM Mendes, que se pendurou na porta.

Dois detalhes sobre a “testemunha” apresentada pelos PMs chamaram a atenção da delegada e dos investigadores do 63º DP: o jovem fez questão de enfatizar que não havia ouvido nenhum disparo de arma de fogo quando os policiais tentavam impedir Laura de assumir o controle do carro da PM. O rapaz também ficou cerca de meia hora conversando com os dois PMs, perto do 63º DP, sem que a delegada fosse informada se tratar de uma testemunha presencial.

Desconfiados da riqueza de detalhes da versão narrada pela “testemunha” apresentada pelos dois PMs, os policiais civis do 63º DP resolveram ir aos locais por onde Laura passou e encontraram manchas de sangue em locais não citados pelos policiais militares.

Imagens de câmeras de segurança também foram apreendidas e, após analisá-las, os investigadores e a delegada Ivna descobriram que os PMs e a “testemunha” apresentada por eles haviam mentido ao dizer que nenhum tiro foi disparado pelos militares contra Laura. Antes de ser baleada, Laura foi chutada por um dos PMs, logo após descer do carro da polícia já batido.

Ao analisar o corpo de Laura no IML (Instituto Médico Legal), os policiais civis descobriram que a jovem tinha lesões no rosto, tronco e nas pernas. A marca do disparo dos PMs estava em seu braço esquerdo.

Quando voltaram para o 63º DP, os policiais civis pressionaram os PMs e sua “testemunha” e todos resolveram contar a verdade. O PM Ailton assumiu ter atirado contra Laura “porque ela havia apresentado resistência e porque os meios menos letais mostraram-se ineficazes para vencer a resistência e a iminência de injusta agressão”.

Ao ser questionado sobre a mentira nos dois boletins de ocorrência registrados antes pela morte de Laura, o PM Ailton disse à Polícia Civil “ter receio de se prejudicar e sofrer represálias da lei”.

Já o PM Mendes disse à Polícia Civil que “foi instruído por [o PM] Ailton a não relatar a verdade dos fatos, mas se manter em silêncio e apenas aquiescer com o que ele fosse narrar”. Mendes disse ter medo de sofrer represálias por parte de Ailton, com quem trabalhava apenas pela quinta vez. Mendes afirmou também que procurou seus superiores na PM para informar sobre a farsa com a qual havia colaborado.

O jovem de 19 anos, a “testemunha” dos PMs, confirmou ter sido orientado pelo PM Ailton a mentir. O PM chegou a entregar um pedaço de papel a ele para que a versão fantasiosa sobre a morte de Laura fosse narrada à Polícia Civil. “Ele pediu para que eu treinasse a fala para que toda a história fosse coerente”.

Os PMs Ailton e Mendes foram presos em flagrante por falso testemunho e fraude processual. Ambos também serão investigados por homicídio contra Laura, de acordo com a Polícia Civil.

Na tarde de sábado (20/06), a assessoria de imprensa da Polícia Militar de São Paulo afirmou que não havia nenhuma prisão de militares pela morte de Laura.

Até a conclusão desta reportagem os advogados de defesa dos PMs não foram localizados. Os dois militares estão no Presídio Militar Romão Gomes, no Jardim Tremembé (zona norte de SP).

Comentários

Comentários


11 thoughts on “PMs são presos por atirar e mentir sobre morte de jovem travesti em SP

  • Lidiane Monteiro

    Boa matéria. Mas gostaria de esclarecer que é errado revelar o nome de registro, por respeito isso não se faz! O nome social é o que deve ser usado sempre. Se possível, retirem essa informação.

    • Beatriz Thompson

      Concordo com Lidiane. O nome de registro é uma informação desnecessária e desrespeitosa, que não representa em absolutamente nada a vítima, e não condiz com sua realidade social e vivência. Pode-se deixar claro que Laura é o nome social, se a intenção for a leitura do texto ficar clara para leigos, mas sem expor o nome de registro.

      No mais, ótimo texto. O tratamento da vítima sempre no feminino é acertadíssimo, e a matéria se mostra fiel.

  • Bruno Guerra

    A divulgação do nome de registro nesse caso é importante para podermos acompanhar os desdobamentos do caso, uma vez que é nele que o processo legal será baseado. Não é questão de desrespeito, mas de informação. Infelizmente, nesse caso o nome de registro ainda não refletia a identidade social da vítima.

  • Bruno Guerra

    A divulgação do nome de registro nesse caso é importante para podermos acompanhar os desdobramentos do caso, uma vez que é nele que o processo legal será baseado. Não é questão de desrespeito, mas de informação. Infelizmente, nesse caso o nome de registro ainda não refletia a identidade social da vítima.

Os comentários estão fechados.