x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

‘A prisão não vai me parar’, diz Silmara Congo da Costa, liderança da Ocupação Mauá

02/03/21 por Caê Vasconcelos

Compartilhe este conteúdo:

Coordenadora de ocupação no centro de SP passou dois dias na prisão acusada de ‘gato’ em rede elétrica; ela foi solta no sábado após alvará de liberdade provisória

Silmara Congo da Costa, 49 anos, coordenadora da Ocupação Mauá, nunca havia pisado dentro de uma cela. Mas na última quinta-feira (25/2) foi presa acusada de furto qualificado de energia elétrica. Adriano Alves da Silva, 41, morador da mesma ocupação, também foi preso com Silmara.

A acusação havia sido feita pelos investigadores Denis Vanzelli e Arthur Henrique Carvalho Leão Lima, da Polícia Civil, que teriam entrado em um estacionamento ao lado da Ocupação Prestes Maia, na Rua Brigadeiro Tobias, alegando averiguar uma denúncia de que o espaço estaria sendo usado como “rota de fuga” para furtadores de celular que atuam na região.

Na quinta, dormiu no 89º DP (Portal do Morumbi), delegacia de trânsito na zona sul da cidade de São Paulo, e na sexta (26/2) no Centro de Detenção Provisória de Franco da Rocha, na Grande SP, mesmo após ter a prisão provisória afastada pela Justiça.

No sábado (27/2) finalmente foi solta. Ela foi recebida pela sua família e por Ivaneti de Araújo, a Neti, 48 anos, liderança do movimento de moradia. Já Adriano, foi encaminhado para o 77º DP (Santa Cecília) e depois para o CDP I do Belém, na zona leste. Ele foi solto nesta segunda (1/3).

Em entrevista à Ponte, Silmara define os dois dias que passou presa: “um pesadelo”. “Eu não fui mal atendida na delegacia nem no presídio, mas o ruim é estar lá dentro, ainda mais quando você não tem nada a ver com aquilo. Fui assistir um companheiro e fui presa”, lembra.

Leia também: Justiça manda soltar militantes de ocupação em SP presos por ‘gato’ de energia elétrica

Quando foi liberada, Silmara já tinha perdido as esperanças de sair da prisão. “Tinham me dito que eu sairia ainda na sexta, mas não saí. Depois da visita das presas, me chamaram para avisar que meu alvará tinha chegado. Só agradeci a Deus. Ainda estou muito machucada por ter passado por isso”.

Mãe de três filhos pequenos, sendo que um tem necessidades especiais, Silmara sabe o motivo de sua prisão: criminalização dos movimento sociais e de moradia.

“É muito claro que é isso. A todo tempo os policiais falavam que ali era uma rota de fuga, quando não encontraram nada foram atrás da energia. Eu ficava falando que ali era um espaço de ocupação, mas ficou muito nítido que eles tentaram nos criminalizar”, aponta.

Leia também: Militantes da Ocupação Mauá, em São Paulo, são presos por ‘gato’ de energia elétrica

Os dois dias na prisão deixaram Silmara mais forte. “É legítimo fazer parte de movimento social. Não é a prisão que vai me parar. Chego mais forte para continuar a luta. Eu não vou parar. A prisão não vai me parar”.

“A gente tem muitas pessoas por nós. Agora é bola para frente. Quem não luta está morto e a pior luta é aquela que não se faz. E eu vou continuar fazendo”, avisa.

À Ponte, o advogado criminalista Sergio Tarcha, que cuida da defesa de Silmara e Adriano, explica como a defesa atuará daqui para frente. “Vou tentar para que a Silmara não seja nem denunciada pelo Ministério Público. Ela só foi presa porque foi interpretado que havia uma responsabilidade dela na Ocupação, mas isso não significa ser responsável pelo estacionamento”.

Apoie a Ponte!

“Com relação ao Adriano, ele admitiu que sabia [do gato], então vou tentar uma ausência de percepção penal para que ele não seja processado, baseado no Pacote Anticrime, do Sergio Moro, que aponta que se o crime não tiver grave ameaça, for primário e assumir, ele paga uma multa e não é processado”.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>