Após ação da tropa de choque dos presídios, visita é suspensa em penitenciária de SP

Segundo familiares de presos em Taquarituba, informação dada na portaria era de veto devido a surto de Covid-19, mas secretaria confirmou ação do GIR: “um ato de tortura”, diz vice-presidente de ONG

Fachada da Penitenciária de Taquarituba, no interior de São Paulo | Foto: Arquivo pessoal

Familiares de presos que cumprem pena na Penitenciária de Taquarituba, no interior de São Paulo, foram barrados na portaria do presídio no último fim de semana após o local sofrer ação do GIR (Grupo de Intervenção Rápida), a tropa de choque do sistema prisional.

De acordo com mães e esposas dos detentos, a invasão no local na última sexta-feira (12) deixou feridos e um rastro de destruição no raio 6. A SAP (Secretaria da Administração Penitenciária) confirmou a entrada da tropa de choque dos presídios no local para conter um “ato de indisciplina”. A pasta também alegou que a suspensão na visita se deu para “procedimentos de investigação”. Não foi informado se houve feridos durante a ação.

À reportagem, parentes dos detentos contaram ter sido pegos de surpresa com a suspensão da visita num único raio. Segundo eles, quem chegava no local era alertado por funcionários que não poderia ingressar devido um isolamento imposto por um surto de Covid-19.

Leia também: Movimento Mães do Cárcere denuncia morte e tortura em presídio do interior de SP: ‘A impunidade reina’

No entanto, tal informação dada pelos servidores foi rechaçada no momento em que familiares com presos em outros pavilhões deixavam o presídio. Segundo o relato, foi possível notar colchões e outros pertences de presos espalhados pelo pátio. Detentos de outros raios também contaram que, durante a ação do GIR, foi possível escutar gritos de socorro e sons de tiros de bala de borracha.

De acordo com a esposa de um reeducando que cumpre pena no raio 6, a confusão teve início após os presos se revoltarem no momento que um “funcionário quis levar um detento para o castigo sem motivo, o que fez se recusarem a entrar para a cela enquanto o diretor não fosse até lá”.

A mulher de outro preso, que também preferiu não se identificar por medo de represálias, contou à Ponte que a unidade “não tem um pingo de respeito com a família dos presos”, já que não fornecem informações precisas como tudo ocorreu. “ [Há] presos com ferimentos, alguns se encontram na enfermaria e no castigo e não temos notícia. Tudo que chegou foram recados que eles mandaram por visitantes de outro pavilhão”.

Leia também: Denúncias de tortura em presídios sobem 70% durante pandemia

Familiares que ligaram no presídio atrás de informações sobre os presos foram informados que, após a ação do GIR, alguns foram transferidos para uma unidade prisional em Avaré, também no interior.

A denúncia sobre o ocorrido em Taquarituba chegou até a Ponte através da ONG Pacto Social e Carcerário de São Paulo, que acompanha e presta auxílio a presos e seus familiares. Para o vice-presidente da ONG, Geraldo Salles, o que ocorreu lá foi um “ato de truculência e opressão. Um ato praticado por funcionários de forma fora da lei. Um ato que estão tentando justificar com essa ideia de que os presos se recusaram a entrar começando um ato de indisciplina. Mesmo que houvesse esse ato de indisciplina, não existe no ordenamento jurídico brasileiro amparo para eles entrarem e quebrar os presos, dar tiro nos presos. O que praticaram foi um ato de tortura”, afirmou.

A Penitenciária de Taquarituba, localizada a cerca de 320 quilômetros da capital paulista, tem capacidade para 847 detentos, mas atualmente comporta 1.421 homens.

Ajude a Ponte!

Em nota, a Secretaria da Administração Penitenciária informou “que na sexta-feira (12) presos do pavilhão VI da Penitenciária de Taquarituba  começaram um ato de indisciplina, se recusando a irem para suas celas no horário devido. Com isso, foi necessário o acionamento do Grupo de Intervenção Rápida para auxiliar no recolhimento dos presos e na condução dos indisciplinados ao Pavilhão Disciplinar. A visita foi suspensa pontualmente naquela final de semana para que fosse possível realizar os procedimentos de investigação. Salientamos ainda que não há presos com Covid-19 na unidade”.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

mais lidas