x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Artigo | Culpar 2013 pelo crescimento do fascismo é raso e simplista

08/01/20 por Elisa Quadros, especial para Ponte

Compartilhe este conteúdo:

Ativista Elisa Quadros dá sua versão sobre apoio que deu em 2013 a Eduardo Fauzi, hoje acusado de atentado ao Porta dos Fundos

Elisa Quadros com o pequeno Ernesto: “Mais amor, menos capital”, pediu ela | Foto: Cristina Froment

Mais uma vez, meu nome é Elisa Quadros e sou uma mulher de esquerda que luta! Começo este texto deixando claro que defendo a liberdade de imprensa, livre manifestação e liberdade de expressão.

Mas também gostaria de entender o porquê de tamanha falta de ética e irresponsabilidade de uma parte do jornalismo e jornalistas brasileiros. 

Impressionante como conseguem criar mentiras e difamações que se tornam “verdades”. E o pior de tudo, não se importam com as consequências para as pessoas e coletivos que estão no enredo da história.

Para eles deve ser só mais um bode expiatório, um efeito colateral para alcançar algum “objetivo maior”. Eles se esquecem, no entanto, que essas pessoas existem e resistem. 

Na minha opinião o mais baixo desse modus operandi é que eles sabem que essas histórias não são verdadeiras.

O tão polêmico vídeo em que eu defendi a liberdade desse sujeito fascista [Eduardo Fauzi Richard Cerquize, que presidiu a Frente Integralista Brasileira do RJ e ainda integra a Associação Cívica e Cultural Arcy Lopes Estrella – Accale, grupo de extrema direita ligado ao movimento neointegralista brasileiro] que cometeu o atentado terrorista contra a produtora do Porta dos Fundos – do qual sou muito fã – foi gravado em novembro de 2013, logo após a prisão em massa que levou mais de 200 manifestantes detidos; 78 militantes e ativistas foram mandados para a prisão de Bangu. [O atentado ao Porta dos Fundos aconteceu na véspera de Natal, quando coquetéis molotov foram lançados na sede do canal]

Em todo o Brasil, ativistas e militantes estavam sendo perseguidos, presos e processados arbitrariamente pelos governos federal (sob comando do PT na época), estaduais e municipais. 

“Ninguém fica para trás” era a palavra de ordem. 

Foi assim, neste contexto, que Luiz, meu companheiro de vida e outro militante, tiveram a ideia da greve de fome. Detalhe importante: eu estava como apoiadora. 

Essa greve de fome foi feita pela liberdade do Rafael Braga e Jair Baiano. O primeiro, um vendedor ambulante pego aleatoriamente pela polícia, na manifestação do dia 20 de julho; o segundo, um militante negro de esquerda: ambos negros e injustamente acusados de crimes que não cometeram para servirem de “caso exemplar”. 

O nome de Eduardo Fauzi surgiu dias depois em um vídeo no qual ele bate na cara do secretário de Obras da gestão do então prefeito Eduardo Paes, grande responsável pela remoção de diversas ocupações de moradia urbana, todas feitas em nome da Copa do Mundo e das Olimpíadas.

As remoções, inclusive, foram uma das pautas mais presentes nas jornadas de 2013 e 2014 e foram representadas nas ruas pelos próprios moradores dessas ocupações, como Aldeia Maracanã, Horto, Vila Autódromo, Metrô Mangueira, entre outras.

Nunca tive nenhum envolvimento com esse cara. Nunca o vi e nem falei com ele em toda a minha vida. Depois desse vídeo, em 2013, só voltei a ouvir esse nome em 2018 quando a UniRio foi atacada [conforme mostrou reportagem da Ponte, o Comando de Insurgência Popular Nacionalista, que em dezembro de 2018 atacou a universidade e queimou bandeiras antifascistas, também reivindicou o atentado contra o Porta dos Fundos].

Se foi um erro ou inocência nossa não termos pesquisado sobre ele? Provavelmente. Mas aquele momento, apesar da paranoia dos P2 [agentes de segurança pública infiltrados] usados pelo Estado, era totalmente diferente. Ainda era uma vergonha se colocar como fascista e o grupo do qual esse sujeito faz parte hoje em dia, e que assina o ato terrorista, só veio a existir em 2017.

Portanto, citamos esse “ser” pela liberdade dele em 2013, por ser um cidadão qualquer que foi preso desproporcionalmente naquele contexto.

Sobre o atentado covarde ao Porta dos Fundos, presto minha total solidariedade a toda equipe e dizer que repudio veementemente qualquer tipo de ataque, violência ou censura feitos contra esse grupo de artistas. Acho absurdo que esse indivíduo fascista, asqueroso e que assumiu ter feito o atentado terrorista continue impune.

Jornalismo: atividade profissional que visa coletar, investigar, analisar e transmitir periodicamente ao grande público, ou a segmentos dele, informações da atualidade, utilizando veículos de comunicação para difundi-las.

Eu fui procurada por algum jornalista? Não.

No vídeo está claro a data? Sim.

Eu sei muito bem o que sou e qual a minha luta. Sou mulher, mãe, feminista, ativista, anarquista e antifascista. 

Então, qual o objetivo disso tudo? Quem ganha com essa difamação contra mim e essa obsessão em criminalizar 2013? Quem ganha com isso? A esquerda é que não é.

2013 não se resume àqueles dois meses de junho e julho e tampouco acabou ali. Também não era meia duzia de pessoas da classe média branca. Os levantes de 2012/2013 aconteceram no mundo todo por um sentimento de revolta que questiona os pilares do poder, questiona a forma de se fazer política, questiona a quem os representantes representam e servem, porque ao povo está mais do que provado que não é.

Foi um movimento espontâneo e hegemônico. Sem ninguém por trás, sem líderes, sem pagamento de partidos ou sindicatos, sem CIA [Elisa faz referência à declaração do ex-presidente Lula para a TeleSur, em dezembro passado, em que o petista afirma que as manifestações de 2013 teriam “o braço dos Estados Unidos” e “foram feitas já fazendo parte do golpe contra o PT”].

Se tinham pessoas de direita nas manifestações? Sim, porque não vamos esquecer que a Globo também disputou os levantes e muita gente de direita ouviu o seu chamado. Mas não foram as palavras de ordem dessa gente que ganharam voz.

“Não vai ter Copa”
“Queremos hospitais e escolas padrão Fifa”
“Pelo fim da Polícia Militar”
“Cadê o Amarildo?”

Essas foram algumas entre muitas outras palavras de ordem que, com certeza, estão bem longe de pertencer a direita.

Mas apesar da força que a mídia ativista ganhou, disputar discurso com poderes tão poderosos não é tarefa fácil. Foi um trabalho árduo e bem arquitetado pela mídia hegemônica, pelo Judiciário, pela Polícia Militar e Civil, por seus governantes e suas coligações, que, cabe lembrar, eram, na época, pertencentes a um governo de esquerda, e que, sim, tiveram seus acertos mas também muitos erros.

Mas eu não quero entrar aqui no jogo das acusações, pois não é hora. Criminalizar as jornadas de junho é criminalizar tudo que os movimentos sociais conquistaram desde então e, sim, muita coisa mudou. O fascismo cresceu, mas o movimento de esquerda também cresceu e de forma horizontal. Sera que é por isso que incomoda tanto?

Colocar a culpa do crescimento do fascismo em 2013 é raso e simplista. Então podemos dizer que a culpa do Golpe militar é dos levantes da esquerda que estavam acontecendo na época? Que a culpa da corrupção é do PT? Como se a história da política brasileira fosse cheia de honestidade…

Continuar com essa obsessão é empoderar mais ainda a direita. É dividir a esquerda. Porque muitos de nós que tivemos o prazer de vivenciar 2013 continuamos nas ruas. Aliás, podemos dizer que os levantes 2012/2013 foram um bom empurrão para o crescimento do ativismo.

Se temos que discutir sobre os erros e acertos de 2013? Isso está mais do que na hora. Mas que seja de forma honesta. Sem medo de auto-crítica, porque um governo, um partido, um movimento ou qualquer um que não aceita críticas é autoritário.

Enquanto os líderes disputam poder, a gente tem que lutar pelo que realmente importa, porque nossa amazônia esta sendo incendiada, os povos indígena, negro e camponês estão sendo exterminados, a saúde pública destruída, escolas e universidades sucateadas, cada vez mais pessoas morando nas ruas, nossas crianças sendo assassinadas pela PM.

Pelas aldeias, quilombos, terreiros, pela luta feminista, LGBTQI+, por moradia, por mais políticas horizontais e autônomas.

E, principalmente, contra o discurso de ódio que está tomando conta desse mundo.

Eu nunca saí das ruas e nunca vou sair enquanto eu respirar.

Colaborou Luiz Rendeiro, 30 anos, programador e webdesign

(*) A mãe e ativista Elisa Quadros, 34 anos, é produtora e marceneira

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>