x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Artigo| ‘Judas e o Messias Negro’ resgata uma história que o racismo tentou apagar

28/02/21 por Andreza Delgado, especial para a Ponte

Compartilhe este conteúdo:

Filme se propõe a corrigir o estrago à imagem do Partido dos Panteras Negras feito pela cruzada anticomunista e racista comandada pelo governo dos EUA

Lakeith Stanfield e Daniel Kaluuya: o Judas olha para o Messias

Judas e o Messias Negro, que chegou nesta semana aos cinemas, é uma das apostas da Warner para temporada de premiações. Conta a história do presidente dos Panteras Negras de Chicago, Fred Hampton, na sua trajetória até ser traído e assassinado por um agente duplo colocado no meio do grupo pelo FBI. O filme, com direção de Shaka King, também conta com a produção do diretor de Pantera Negra, Ryan Coogler.

Leia também: ‘Pantera Negra’ transforma extermínio do povo negro em tema pop

Daniel Kaluuya dá vida a Hampton e sua brilhante oratória. O ator, que brilhou no filme Corra, de Jordan Peele, transmite não só a força de Hampton, mas o quanto sua presença conseguia transparecer legitimidade e inflar as pessoas. Não à toa, o ativista conseguiu unir e trazer articulações para a luta por igualdade e socialismo. Chegou a ter como aliados grupos de pessoas brancas pobres e até o grupo The Crowns, que divergia dos Panteras sobre táticas para libertação dos negros. Vale lembrar que as articulações se estendiam a outros grupos, como os caribenhos e outros latinos.

Vilão ou vítima?

A trama toma corpo contando a história de Bill O’Neal (Lakeith Stanfield), que até então era assaltante de carros e, quando detido, recebe a “oportunidade” de se livrar da cadeia espionando os Panteras Negras e sua liderança em Chicago.  A partir daí, Bill se torna chefe de segurança dos ativistas. As imagens do filme se misturam com a linha do tempo que remonta os depoimentos de Bill para o FBI. Tensão é pouco para descrever o que sentimos na dualidade que o ator Lakeith transmite com seu dilema pessoal. Fica claro que ele começa a criar simpatia com a causa, ao mesmo tempo em que sabe que corre grandes riscos.

Uma das investidas mais importantes para contar essa história é a que o longa faz questão de mostrar a movimentação do FBI na época, liderado por John Edgar Hoover para destruir o partido dos Panteras Negras. Assistimos um pouco da trajetória do programa de contraespionagem secreto do FBI dos anos 1960 e o estrago que fez para luta antirracista por direitos civis.  A inegável tentativa de manter a vida tradicional dos brancos americanos, sentados em seus privilégios, como bem lembrado na canção Whitey On The Moon de Gil Scott-Heron (1970), criada um ano após os EUA levarem o primeiro vôo tripulado à Lua:

“I can’t pay no doctor bills
But Whitey’s on the Moon”
(Eu não posso pagar contas médicas
Mas o branco está na Lua)

O filme se propõem a corrigir o estrago quase que irreparável feito pelo FBI à imagem dos Panteras, numa cruzada anticomunista e racista que, por décadas, pintou os militantes como terroristas, numa mediocridade gigante e numa falsa defesa do sonho americano branco, incluindo a insistência na prisão de alguns ativistas até hoje. Além disso, traz a reprodução de todo o discurso por melhores condições de vida, que tinha no programa de café da manhã gratuito e no acesso à saúde e moradia as bandeiras defendidas pelo grupo. Judas e o Messias Negro remonta parte da história esquecida propositalmente pelos estadunidenses.

Leia também: A branquitude no tapete vermelho

Por isso vale destacar a importância dessa obra para além da estética ou discussão sobre fotografia e roteiro, e de disputas de premiações como Oscar. Apesar de eu acreditar fortemente  que a interpretação de Daniel e Lakeith  são dignas de premiação, além do excelente trabalho da direção de arte e fotografia em ambientar fielmente a época, não consigo esperar muito da Academia que premiou Green Book no lugar de filmes como Infiltrado na Klan e Roma.

O destaque é um filme de alto orçamento indo para salas de cinemas contar a história de um revolucionário, como Hampton se dizia, assassinado aos 21 anos pelo sonho americano.

Em tempos de Black Lives Matters, destaquei a importância de uma série pop como LoveCraft Country, de Misha Green, que apresentou ativistas como James Baldwin, conseguindo romper com o imaginário das pessoas que não conseguem atravessar a ideia de que existe mais ativistas negros importantes para história. E é isso que Judas e o Messias Negro faz: rompe com a tradição da história única da luta por direitos civis, insistentemente posta entre Martin Luther King e Malcolm X.

Andreza Delgado é produtora de conteúdo, cocriadora de PerifaCon, PerifaGamer e Copa das Favelas

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>