Repressão da PM a ato fere pessoas que passavam na rua em SP

3 minutos atrás

PM atacou com balas de borracha e bombas após Movimento Passe Livre pular catracas. Pessoas que estavam apenas passando saíram feridas

Foto: Daniel Arroyo/Ponte

O primeiro grande ato organizado pelo Movimento Passe Livre (MPL) contra o aumento da tarifa do transporte público, na noite desta quinta-feira, reuniu cerca de 2 mil pessoas e terminou em confronto na região central da cidade de São Paulo.

A manifestação saiu por volta das 18h do Theatro Municipal, na Praça Ramos de Azevedo. De lá, os manifestantes passaram pela sede da Prefeitura e depois seguiram até o Largo da Concórdia, no Brás.

Durante o trajeto, os policiais retiraram as plaquetas obrigatórias de identificação com seus nomes. A Ponte perguntou a vários deles por que haviam retirado as identificações. Todos ignoraram e continuaram andando.

Depois que um grupo pulou as catracas na estação Brás da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), policiais militares fecharam o local e dispersaram os manifestantes com tiros de bala de borracha, bombas e gás lacrimogêneo.

Foto: Daniel Arroyo/Ponte

Diante da estação, policiais militares cercaram um grupo de jovens, agrediram os manifestantes e os ameaçaram de morte. Um policial foi ferido no rosto.

As balas de borracha e os estilhaços de bomba disparados pelos PMs também feriram três pessoas de um grupo de cinco amigos que não tinham relação com a manifestação. Os amigos estavam numa lanchonete da Rua Bresser quando foram atacados.

Amigos que estavam em happy hour foram atacados pela PM | Fotos: Maria Teresa Cruz

Uma das pessoas feridas, Talita Feijó, que é vendedora no Brás, estava de férias e só havia ido até o local para encontrar os amigos numa happy hour. “Foi muito desesperador. Nunca tinha passado por isso. Não vou a manifestação. Não conseguia respirar e achei que fosse morrer”, contou Talita.

Passe livre

O aumento na tarifa, de R$ 3,80 para R$ 4, passou a vigorar na segunda-feira (8/1). No mesmo dia, os manifestantes do Movimento Passe Livre colocaram uma catraca na porta da Secretaria de Transportes.

Além de repudiar o reajuste, o MPL quer colocar novamente em pauta a viabilidade da tarifa zero, bandeira que remonta ao surgimento do grupo, há mais de uma década.

A prefeitura e o governo do Estado dizem que o aumento é abaixo da inflação do período e necessário para que o transporte público de São Paulo continue sustentável. Os ativistas pela tarifa zero questionam, no entanto, a quem interessa subir os preços.

Policiais retiraram identificações obrigatórias Foto: Jeniffer Mendonça/Ponte

“Tendo em vista que as tarifas sempre aumentam e o transporte nunca melhora, esse aumento só tem uma função: garantir os altos lucros dos empresários dos transportes. Esses mesmos empresários chamados de ‘máfia dos transportes’ com pessoas ligadas diretamente ao governo do Estado formaram o ‘Cartel do Metrô'”, aponta o MPL-SP em postagem na página do Facebook.

O escândalo criminoso, que ficou conhecido como Cartel do Metrô e que artinge o governador Geraldo Alckmin (PSDB), é investigado pelo Ministério Público (MP). Os manifestantes também criticam a postura do prefeito João Doria (PSDB), que, quando ainda estava em campanha em 2016, chegou a dizer que, se eleito, congelaria a tarifa nos R$ 3,80 pelos quatro anos de mandato.

Policiais retiraram identificações obrigatórias Foto: Jeniffer Mendonça/Ponte

Comentários

Comentários

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

feito por F E R A