Campanha arrecada fundos para criação de casa de abrigo a LGBTs em Manaus

4 minutos atrás

Foto: Divulgação/Manifesta LGBT+

Coletivo quer criar casa para acolher e dar assistência a LGBTs; caso seja criado, o lugar será o primeiro do tipo em toda a região norte

Coletivo deve criar casa de acolhimento a LGBTs | Foto: Divulgação/Manifesta LGBT+

O coletivo amazonense Manifesta LGBT+ está com projeto para construir um local voltado para pessoas que foram expulsas de casa por conta de sua sexualidade e/ou identidade de gênero.

Tendo como base os lugares de acolhimento da comunidade LGBT, como a Casa 1, em São Paulo e a Casa Nem, no Rio Janeiro, a ideia surgiu quando os integrantes do movimento perceberam que existiam muitos LGBTs desabrigados na cidade de Manaus. “Desde fevereiro a gente vem discutindo a criação dessa casa, no final de junho acabamos de redigir o projeto e começamos a campanha”, disse Gabriel Mota, presidente do Manifesta LGBT+.

Rico Dalasam: negro, gay e pobre são tags do abandono

A Casa de Acolhimento LGBT+ também terá como foco trabalhar as questões de saúde, social, psicológica, profissional e educacional dos abrigados com intuito de de reinseri-los no convívio familiar, no mercado de trabalho e também em um nível escolar adequado.

O assistente social da Secretaria de Saúde do Estado do Amazonas, Jefferson Pereira, é quem está dando auxílio ao movimento. Segundo ele, o objetivo é de que o lugar nasça através da sociedade civil e mostre ao governo do Amazonas a necessidade desse espaço. “A ideia é que futuramente o Estado possa assegurar o funcionamento dessa casa a partir do Sistema Único de Assistência Social (SUAS). As casas de acolhimento são previstas por lei”, afirma.

Segundo o artigo 25, parágrafo 1º da Declaração Universal de Direitos Humanos “todo ser humano tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a si e a sua família saúde e bem estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência fora de seu controle.”

“Não passava nada pela cabeça, só tentava me defender”

A secretária da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania do Estado do Amazonas, Graça Prole, afirma que está auxiliando o movimento desde o primeiro momento para construção da casa de abrigo. Ela disse já ter entregue alguns itens e que está acontecendo uma ação dentro da Secretaria para arrecadação de material de higiene pessoal e de limpeza.

Graça ainda conta que, a partir do ano que vem, eles poderão conveniar ou assinar um termo de fomento com a Secretaria do Estado de Assistência Social para poder ter um aporte financeiro, mas ressalta que “é necessário ter a documentação regularizada e cumprir as exigências legais do edital que todo ano é efetivamente publicado no mês de fevereiro”.

Para ingressão no local é preciso ser maior de 18 anos, porque o Manifesta LGBT+ não tem estrutura suficiente para arcar com adolescentes. A princípio, o ambiente receberá de 6 a 8 pessoas, que poderão ficar de 3 a 6 meses. “Nós estamos fazendo uma ficha de cadastro que será analisada pelos psicólogos e assistentes sociais voluntários”, conta Gabriel Mota.

O programa de arrecadação estima o valor de R$ 115.000,00 para funcionamento durante pelo menos 12 meses, com despesa de aluguel, água, luz, móveis, utilitários domésticos, alimentação, etc. mas até o momento reuniu pouco mais de R$ 1.500,00.

Visibilidade Trans: Entrevista com João W. Nery

A Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Direitos Humanos de também foi contatada pelo coletivo, mas até agora não deu nenhuma resposta. A reportagem questionou na tarde de quinta feira a pasta municipal quais as medidas seriam tomadas para ajudar na campanha, mas até o fechamento da matéria não respondeu.

O Manifesta LGBT+ nasceu há um ano através de uma inquietação particular de Gabriel Mota. Ele não se sentia representado pelas políticas públicas LGBT do seu estado e também do País. “Eu estrava extremamente desconfortável com a situação dos movimentos sociais no Brasil e coloquei na cabeça a que a juventude precisava fazer alguma coisa”, desabafa.

Travestis e transexuais debatem sobre a dificuldade de inserção no mercado de trabalho

Comentários

Comentários

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

feito por F E R A