Ação da Polícia Civil deixa 10 mortos e policial comemora: “o bem venceu o mal”

3 minutos atrás

No último domingo, 3, um suposto tiroteio resultou na morte de dez pessoas pela polícia civil.

Segundo a polícia, suspeitos integravam quadrilha de roubo a casas de alto padrão em SP e foram mortos em troca de tiros com policiais do Garra e do Deic

Dez pessoas foram mortas no Morumbi, bairro nobre zona sul da cidade São Paulo, por policiais civis do Garra (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos) e do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais). Segundo as investigações da polícia, os suspeitos mortos integravam uma quadrilha especializada em roubar casas de alto padrão. Seus locais de ação eram os bairros do Morumbi e Jardim Europa, na capital, e condomínios de alto padrão na Grande São Paulo e no interior.

Vídeos obtidos pela Ponte registraram os barulhos dos disparos, além da grande quantidade de cápsulas de balas nas ruas após o tiroteio. O DHPP (Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa) investiga o caso.

Corpos de suspeitos mortos pela Polícia Civil | Foto: Reprodução

Um dos vídeos registra o momento em que um policial mostra as marcas de tiro que atingiram um dos carros do Garra durante a ação. “O bem venceu o mal mais uma vez, graças a Deus”, diz o policial.

Morreram na ação Edimilson José Rocha, Jeferson Souza de Melo, José Aldo Martins de Souza, Diego Ferreira da Silva, Paulo Ricardo Sena Matos, Felipe Macedo de Azevedo, chamado de Miojo, Mizael Pereira Bastos, apelidado de Sassa, e Lucas Augusto da Silva. Outros dois suspeitos não foram identificados.

Carro onde cinco suspeitos foram mortos | Foto: Reprodução

A Polícia Civil informou que investigava há meses a suposta quadrilha, através do Deic. A unidade de inteligência do Departamento recebeu informações sobre  um roubo que aconteceria ontem, e que culminou no tiroteio na Rua Pureus, no Morumbi. Os policiais fizeram buscas das 13h até 19h30, hora da troca de tiros, ocorrida também nas ruas Sebastião Cabot e Santo Eufredo.

De acordo com as investigações, os criminosos usaram dois carros nos roubos. Um deles foi encontrado com cinco suspeitos, que teriam revidado após baterem com um carro da polícia. Atingidos, três morreram no local e dois, que tentaram fugir, morreram em ruas próximas. Os outros cinco suspeitos estavam em uma caminhonete, que bateu em um poste. Ninguém foi socorrido: todos morreram no local.

Armas apreendidas com os suspeitos mortos | Foto: reprodução

Segundo o relato dos policiais, todas as mortes ocorreram em troca de tiros. Os suspeitos utilizavam um carro blindado e coletes à prova de balas. Foram aprendidos com o grupo quatro fuzis, três revólveres e duas pistolas. Os primeiros suspeitos já haviam roubado joias e se preparavam para abrir o cofre quando abordados pela polícia.

“Surpreso”

O ouvidor das polícias, Julio Cesar Fernandes Neves, enviou na manhã de hoje (4/9) um ofício ao procurador-geral de Justiça, Gianpaolo Smanio, pedindo que o Ministério Público do Estado de São Paulo acompanhe de perto as investigações sobre o caso desde já, e não apenas a partir da conclusão do inquérito do delegado, como é praxe.

“O MP precisa estar presente desde agora, no DHPP, acompanhando o depoimento de todo mundo. São dez pessoas mortas. Esse caso precisa de atenção suprema”, afirmou Neves à Ponte. A respeito da ocorrência, o ouvidor disse que ainda é cedo para qualquer análise. “Precisamos esperar para saber o que realmente aconteceu”, disse. Mas não escondeu o espanto: “Estou surpreso. Nunca tinha visto a Polícia Civil se envolver numa ocorrência com tantas mortes. Para mim, é inédito”, finaliza.

Comentários

Comentários

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

feito por F E R A