Com fome, mãe de cinco filhos é presa por furtar miojo e refrigerante

Defensoria Pública pediu que a prisão da mulher, realizada nesta quinta em SP, fosse convertida em domiciliar, mas juíza alegou que acusada representava perigo à sociedade

Unidade da rede OXXO na Vila Mariana, em São Paulo | Fotoi: Reprodução / Google Street View

Por conta de duas Coca-Colas, dois pacotes de miojo e um suco em pó Tang, uma mulher de 41 anos está presa preventivamente. Mãe de cinco filhos, ela foi flagrada furtando os produtos em um mini-mercado da rede OXXO, que fica nos arredores do Terminal Vila Mariana, zona sul de São Paulo, nesta quinta-feira (30/9). O valor somado das mercadorias é de R$ 21,69. “Roubei mesmo porque estava com fome”, alegou a mulher ao ser presa.

De acordo com um estudo da Rede Brasileira de Pesquisas em Segurança Alimentar e Nutricional, atualmente o Brasil tem 19,1 milhões de pessoas passando fome, o que equivale a 9% da população. A mulher presa é uma delas. E isso não foi levado em consideração pela delegada da Polícia Civil Erika Pereira Pinto, nem pelo promotor do Ministério Público paulista (MPSP) Paulo Henrique Castex e nem pela juíza do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) Luciana Menezes Scorza.

A principal justificativa para os agentes públicos é a mulher já ter passagens pelo crime de furto outras vezes. Para Castex, o furto de produtos para subsistência é um perigo para a sociedade. “Consta, ainda, que o preso é reincidente específico, de modo que a sua custódia se faz necessária para a garantia da ordem pública e evitar a reiteração delitiva”, descreve o promotor no seu pedido de prisão.

Quem acredita na nocividade de alguém que está vulnerabilidade social e furta para se alimentar é a juíza Luciana Scorza. Em sua decisão, ele usa o momento de pandemia para justificar a prisão da acusada. “O momento impõe maior rigor na custódia cautelar, pois a população está fragilizada no interior de suas residências, devendo ser protegidas pelos poderes públicos e pelo Poder Judiciário contra aqueles que, ao invés de se recolherem, vão às ruas com a finalidade única de delinquir”.

Mãe de cinco filhos – com 2, 3, 6, 8 e 16 anos de idade – ela terá que cumprir a prisão preventiva longe das crianças, apesar do pedido feito pela Defensoria Pública do Estado de São Paulo, que solicitou que ela cumprisse a prisão domiciliar. “A magistrada indeferiu o pedido, pois a paciente [a mulher presa] informou que os filhos estavam sob os cuidados da avó. No entanto, o artigo não exige a demonstração dos cuidados da criança”, salientou o defensor Diego Rezende Polachini, no pedido feito ao TJ-SP.

Momento da prisão

O supervisor do estabelecimento viu através das câmeras de segurança local a mulher colocando os produtos dentro de uma sacola e saindo sem pagar. No mesmo momento, uma viatura da Polícia Militar passava pelo local e uma funcionária chamou os policiais. A mulher tentou fugir, mas foi alcançada pelos PMs. 

Quando foi apresentada no 27º Distrito Policial, a acusada estava com escoriações na cabeça. Segundo a versão dada pelos policiais e que consta no boletim de ocorrência é que, na fuga, ela teria caído duas vezes. A Defensoria Pública contesta esta versão. “A empresa vítima não relata qualquer dessas quedas e a paciente permaneceu em silêncio. Ressalte-se que a sua lesão ocorreu na testa, não sendo compatível com uma suposta queda, em que as lesões ocorrem, via de regra, nas mãos e joelhos”, descreve Polachini. 

“Portanto, sem a realização da audiência de custódia e sem qualquer documento médico a atestar a ntegridade física do flagrado, não é possível concluir pela higidez do ato de prisão, o que a torna ilegal”, conclui o defensor.

Quem julga e quem é julgado

“A juíza converteu a prisão em flagrante em preventiva. Isso foi amparado nos antecedentes criminais e na suposta ausência de comprovante de residência fixa. Tudo isso espelha a forma discriminatória do Judiciário brasileiro, por não considerar aspectos fundamentais desse caso e que favorece a acusada mãe de cinco filhos. Esse é um caso de furto famélico, onde a ação se destina a alimentar a fome de alguém que se encontra em estado de desespero”, analisa Flávio Campos, advogado criminalista.

Ajude a Ponte!

De acordo com Campos, a diferença social entre quem julga e quem é julgado causa distorções ao analisar casos como esse. “Os juízes não saem do meio do povo. Por isso que aquilo que aos olhos do povo pode parecer um absurdo, para o judiciário não, pois eles fazem parte de uma camada muito pequena da sociedade e eles não afeitos das mesmas situações e necessidades de pessoas comuns.

Outro lado

Através de nota enviada pela assessoria de imprensa do Ministério Público de São Paulo, o procurador Paulo Henrique Castex explicou o seu pedido tendo em vistas os antecedentes da mulher. “Ela é reincidente. Já respondeu por quatro furtos nos últimos anos, sendo condenada em dois casos, sem possibilidade de recurso, e absolvida em outros dois. Ao cumprir uma pena de prestação de serviços comunitários, cometeu falta grave, e teve a pena convertida em privativa de liberdade. Nestes casos, considerando o péssimo histórico e a reincidência criminal reiterada, a maioria dos Promotores costuma pedir a prisão preventiva para que a indiciada (ou indiciado) responda ao processo presa, diante do risco de voltar a cometer crimes ou fugir dos atos processuais”.

A reportagem também pediu explicações sobre a prisão da mulher que furtou os alimentos para a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP), e para o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, além da rede OXXO. Até a publicação deste texto não foi enviada nenhuma resposta pelas entidades. Assim que forem feitas, elas serão publicadas.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

mais lidas