x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Depois das Grades – Karine Dias: após tirar os pés dos corres, ela estende a mão aos egressos

13/01/21 por Claudia Belfort, especial para Ponte Jornalismo

Compartilhe este conteúdo:

Branca e de classe média, Karine entrou no crime em busca de adrenalina e saiu de lá porque achou as portas abertas. Hoje ela oferece oportunidades a ex-detentos: “não falamos em reinserir: a maioria nunca foi inserida na sociedade”

Karine Dias Vieira passou quase metade de seus 40 anos no crime. Parou ao ver um parceiro morrer por complicações decorrentes de um tiroteio em uma tentativa de assalto. Decidiu, então, tirar os dois pés dos corres, para em breve estender as mãos a quem, como ela, deseja levar uma vida dentro da lei.

Com as unhas sempre impecáveis, responde rapidamente a dezenas de mensagens que chegam por Whatsapp a todo momento. Algumas delas de ex-presos, querendo uma segunda chance no Responsa, empresa social criada por ela para inserir egressos do sistema prisional no mercado de trabalho.  Karine é avessa ao termo reinserção social. “A maioria nunca foi inserida nem no mercado de trabalho, nem na sociedade, por isso não podemos falar em reinserir”, explica. “Nós temos ainda é que inserir”, diz.

Os dados mostram que ela tem razão. Com a terceira maior população prisional do mundo, ficando atrás apenas de Estados Unidos e Rússia, das 726,354 mil pessoas em privação de liberdade do Brasil, 54% têm entre 18 e 29 anos, idade em que os jovens começam a entrar no mercado de trabalho, e 75% não chegaram ao ensino médio. Quando foi presa, Karine se encaixava nesse perfil. Não havia terminado o ensino médio, tinha 25 anos e só havia tido um emprego.

Leia a reportagem completa no site do Depois das Grades

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>