Desaparecimento de jovens após relato de “enquadro” completa seis dias

27/10/16 por Giorgia Cavicchioli, especial para a Ponte Jornalismo

Compartilhe este conteúdo:

Em mensagem por whatsapp, um dos rapazes disse que fora parado pela polícia 

Desde a última sexta-feira (21), familiares de quatro rapazes, entre 16 e 19 anos, e de um motorista, contratado por eles,  vivem a aflição de não terem notícia alguma sobre o grupo. A última informação que a família diz ter a respeito do desaparecimento é um áudio que Jonathan mandou para uma amiga dizendo que havia sido parado pela polícia naquele dia:

“Ei, tio. Acabo de tomar um enquadro ali.

Os polícia tá me esculachando”

Como pode cinco pessoas sumirem e ninguém ver nada?

 

Caramante

Amigos estão desaparecidos – Foto: Arquivo Pessoal

Os amigos Jonathan, Caíque, César e Robson, todos da zona leste de São Paulo,  estavam a caminho de uma chácara, onde marcaram de se encontrar com algumas jovens que conheceram pelas redes sociais. Para levá-los até lá, haviam contratado um colega conhecido como “Síndico”,

“Não temos nem sinal deles. Como pode cinco pessoas sumirem e ninguém ver nada?”, diz Adriana Nogueira Moreira, mãe de Jonathan. Ela afirma que não sabia exatamente para onde seu filho estava indo, pensava que iria a uma balada e que voltaria no dia seguinte, como sempre fazia. Segundo Adriana, os quatro tinham passagens pela Fundação Casa.

Preocupados com a demora dos rapazes – já era sábado e eles  ainda não haviam voltado – , as famílias se uniram para fazer uma busca  e  encontraram o carro que usavam abandonado no Rodoanel. No veículo, havia apenas fraldas e curativos de um dos meninos: Robson, que é deficiente físico. Sua tia, Amélia Maria Donato, diz que ele ficou deficiente depois de levar um tiro nas costas em um acidente e que mesmo assim continuava saindo normalmente com os amigos. “Os amigos dele levavam ele. Ele sai bastante, sempre vai em festa de aniversário, em chácara”.

Os familiares chegaram a rastrear o celular de César e identificaram sinais do aparelho, na segunda-feira, portanto dois dias após o desaparecimento, por Atibaia, Bragança Paulista e no shopping Aricanduva. Acontece que no sábado, depois que o áudio fora mandado para a amiga, Amélia havia tentado ligar para os jovens e todos as ligações caíam na caixa postal.

O caso foi registrado no 55º Distrito Policial.

A Secretaria de Segurança Pública informou em nota “foi instaurado Procedimento de Investigação de Desaparecimento (PID) para investigar o caso no DHPP. O carro usado pelos jovens foi periciado e as famílias foram notificadas para comparecerem no departamento. Mais informações não podem ser passadas para não prejudicar as investigações”.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>