Em ato do MPL, PM ameaça: ‘O Estado mandou você abrir a perna, você abre’

3 minutos atrás

Homem é vítima de intimidação em abordagem, com uso de spray de pimenta, ao criticar quantidade de policiais em manifestação ao dizer ‘na favela vocês não vão’

Manifestação do MPL passou pela região da Praça da Sé, centro de SP | Foto: Ana Rosa Kahlo/Ponte Jornalismo

Esron Dix só queria fazer uma piada quando ele viu as massas de policiais militares ao lado dos poucos manifestantes. O quinto ato do MPL (Movimento Passe Livre) na última terça-feira (5/2), movimento contra o aumento no valor das das passagens do transporte público (de R$ 4 para R$ 4,30), passou em frente à Estação São Joaquim do Metrô, onde Esron também estava. As violações se acumularam ao longo dos atos, com até jornalista baleado pela Polícia Militar.

“Tem mais policial do que gente”, ele disse, e até um policial deu risada sobre  situação. Um helicóptero da corporação fazia barulho logo acima do ato, ônibus e carros pretos cheios de policiais camufladas passaram por ele. Naquele momento, Esron exclamou: “Na favela vocês não vão!”, sem estar preparado para o que seguiu.

Cobranças são feitas ao prefeito Bruno Covas (PSDB), cujo rosto virou máscara usada por manifestantes, em frente à Prefeitura | Foto: Ana Rosa Kahlo/Ponte Jornalismo

Um grupo de policiais camuflado, em torno de sete ou oitos indivíduos, saltaram do ônibus em que estavam. A pequena tropa o empurrou contra a parede e gritaram que haviam ouvido o que ele acabou de dizer. Esron explicou que havia muito medo no seu olhar, quando seus lábios se moveram para soltar um “desculpe”.

Mas os policiais não deixaram ele falar. Um deles abriu as pernas de Esron e disse: “O Estado mandou você abrir a perna, você abre”, teria dito o PM. Espectadores assistiram a situação, mas ninguém teve coragem de intervir, nem tirar fotos da ação policial que acontecia ali.

Fileira de policiais militares rente à manifestação | Foto: Ana Rosa Kahlo/Ponte Jornalismo

Apenas a amiga de Esron discutiu com os policiais militares e se identificou como advogada. Isso estragou ainda mais o humor dos policiais, conforme relatam. Pouco antes de desaparecer, um deles ainda atirou spray de pimenta no chão, gritando: “Respira quem quiser”.

Tossindo e com olhos vermelhos, os presentes fugiram. Apesar de sua surpresa e medo, Esron não deixou de escrever o código do policial que tinha agredido ele. Além disso, durante a manifestação, uma jornalista que estava entrevistando um policial foi fotografada pela PM sem que eles pediram a sua autorização, rotina que tem sido recorrente durante manifestações em São Paulo desde a posse do governador João Doria (PSDB).

Integrante do MPL negocia com PM mediador sobre questões do ato | Foto: Ana Rosa Kahlo/Ponte Jornalismo

A Ponte Jornalismo enviou então uma solicitação à Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, informando sobre os dois casos e pedindo explicações. Em nota, a corporação explicou que “analisa as imagens e apura as circunstâncias e a ação do policial”.

“A PM não compactua com desvios de conduta de seus agentes e todas as ocorrências são investigadas com rigor”, diz a PM, ressaltando a importância de que as denúncias sejam “sejam comunicadas à Corregedoria ou ao batalhão da região, para que o caso seja apurado”.

“Sobre a foto da entrevista, é rotina a PM registrar imagens durante sua atuação profissional, inclusive, quando um porta-voz da instituição concede entrevista aos veículos de comunicação”, encerra o posicionamento da corporação.

Faixa estendida em frente à Prefeitura, protegia por GCMs (Guardas Civis Metropolitanos) | Foto: Ana Rosa Kahlo/Ponte Jornalismo

Comentários

Comentários

Colabore com a Ponte!

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

Catarse

feito por F E R A