x

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Em guarani, Wera MC usa o hip hop para cantar a luta e resistência indígena

18/04/20 por Caê Vasconcelos e Sérgio Silva

Compartilhe este conteúdo:

Rapper fala sobre a vida dos Guarani Myba no Pico do Jaraguá, na cidade de SP, e conta que Racionais e RZO foram inspirações: “somos os oprimidos dos oprimidos”

“Essa terra aqui eu não invadi, voltei aqui pra retomar”. Essa é uma das rimas do novo álbum de Wera MC, 24 anos, rapper que une luta e resistência em seu som.

Já são 10 anos trazendo a luta dos 700 indígenas que habitam os 1,7 hectares demarcados no Pico do Jaraguá, na zona norte de SP. Uma terra, aliás, que traz em seu nome a quem pertence: os Guarani M’yba.

Leia também: Responda à pesquisa Jornalismo e coronavírus

“A gente sempre viveu de uma forma precária, de uma forma esquecida. Na minha infância tive muita época de fome, em que não tínhamos o que comer. A população foi crescendo e as pequenas hortas acabaram. Uma horta indígena deveria ter mais de 1 quilômetro”, relembra o rapper.

Wera MC traz em sua música a essência do povo Guarani que resiste em meio à cidade | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Cria da aldeia Tekoa Pyau, Wera aprendeu desde cedo a importância de preservar os costumes Guarani, mesmo com a cultura do não indígena batendo em sua porta a todo instante, já que a aldeia fica no meio da cidade. “Se eu perder essa terra, eu não consigo me ver em outro lugar”, definiu Wera sobre o Jaraguá.

Na verdade, sendo fiel à história, a cidade de São Paulo é que foi construída ao redor da Tekoa, como afirma Wera. A aproximação geográfica fez com que o hip hop entrasse em sua vida ainda na infância. Antes das rimas, o break foi o primeiro elemento do hip hop que ganhou o coração do artista.

Depois, inspirado nos Racionais MC’s e do RZO, ele começou a rimar. O estilo do trabalho de Wera é a trap, ritmo que mistura rap com batidas eletrônicas. “A gente se identificava muito com as questões que eles relatavam, falando das periferias, mas percebemos que eles não estavam falando dos indígenas, já que somos os oprimidos dos oprimidos”.

Leia também: Brisa Flow: ‘Quero quebrar o estereótipo colonizador do que é o indígena’

A produção do novo álbum de Wera aconteceu em meio a um embate difícil que os Guarani M’yba tem enfrentado nos últimos meses. Desde o final de janeiro de 2020, os indígenas tem brigado pela vida de centenas de árvores ameaçadas de serem derrubadas pela construtora Tenda, que pretende construir um empreendimento imobiliário a poucos metros da aldeia.

Leia também: ‘Guardiões da terra’, povos Guarani resistem a empreendimento em SP

O clipe “Guardiões da Floresta“, aliás, primeira música de trabalho do álbum de Wera, conta a história dessa luta e foi gravada na ocupação que os Guarani fizeram no terreno, desocupado em março de 2020.

Em sua música “Guardiões da Floresta”, Wera MC (à esq.) divide espaço com Pedro (ao meio) e Jason (à dir.) | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Para montar o estúdio de gravação dentro da aldeia, Wera trabalhou em uma empresa na zona sul da cidade para juntar o dinheiro. A cada mês, ele comprava um material. Quando conseguiu tudo o que precisava, pediu demissão e começou a construir ele mesmo o seu espaço.

Wera construiu um estúdio de gravação dentro da Aldeia Tekoa Pyau, no Pico do Jaraguá | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

A relação com a cidade causa medo, conta Wera, principalmente depois da eleição do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), a quem chama de fascista.

Leia também: Indígenas Guarani isolam aldeias e denunciam ações de construtora durante pandemia

“Eles [povo não indígena] acreditam que a gente tem que viver só no mato. Muitas vezes ficamos incomodados de pegar transporte público e falar na nossa língua, porque muita gente fica olhando como se fosse algo de outro mundo, ficam bravos, nos xingam. Mas quando ouvem alguém falando em inglês querem se aproximar”, critica.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: