Em júri, advogado ataca promotora: ‘quer ser homossexual, vai ser entre quatro paredes’

12/11/19 por Arthur Stabile e André Caramante

Compartilhe este conteúdo:

Celso Vendramini, ex-PM da Rota e defensor de policiais matadores, fez comentários direcionados a promotora lésbica

Vendramini posa com camisa apoiando o então candidato Jair Bolsonaro | Foto: Reprodução/Facebook

“Não tenho nada contra ser homossexual, quer ser vai ser entre quatro paredes, só não fica influenciando as crianças. Esse negócio de movimento LGBT só serve para uma coisa: ir na Avenida Paulista enfiar crucifixo no ânus e na vagina”. Essa fala é do advogado Celso Vendramini durante um júri popular, conforme relatado à Ponte pela promotora do MPE (Ministério Público Estadual) de São Paulo Cláudia Mac Dowell, lésbica, e alvo de ataques do defensor.

Ex-PM da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar, considerada a tropa mais matadora da PM paulista), Vendramini defende policiais acusados de execução. Era o que acontecia na sessão do 2º Tribunal do Júri, em São Paulo, nos dias 6 e 7 de novembro. Segundo conta a promotora, o caso envolvia a morte de dois homens suspeitos de roubar uma van, que fugiram da polícia, mas depois foram encontrados no telhado de uma casa em uma comunidade. Os PMs os fizeram descer e os executaram, segundo relatos de uma testemunha.

“O júri era isso, não tinha absolutamente nada a ver com homossexualidade, LGBT+, nada. Se der um Google no meu nome é fácil descobrir que sou assumidamente lésbica, participei de debates no MP sobre o assunto, está no YouTube”, conta Mac Dowell. Enquanto buscava a absolvição de seus dois clientes por matar dois homens que estariam rendidos, Vendramini fez comentários sobre a população LGBT+.

“Já começou a falar que o atual presidente [Jair Bolsonaro, PSL] vai acabar com a corrupção, vai valorizar a família e ‘eu vejo que a promotora tem uma aliança na mão esquerda, ela deve ser a favor da família’. Fiquei quieta. ‘Bom mesmo é o [Vladimir] Putin [presidente da Rússia] que acabou com palhaçada de passeata gay’. Ficou por isso”, contra a representante do MP. O fato ocorreu no primeiro dos dois dias do júri, dividido pela quantidade de testemunhas a serem ouvidas.

O nível das falas caiu mais na etapa final do julgamento. Após todos serem ouvidos (testemunhas de acusação, de defesa, em comum e o depoimento do réu), há o debate, quando defesa (Vendramini) e acusação (Mac Dowell) apresentam seus argumentos aos jurados para buscar a absolvição ou condenação, respectivamente. Segundo Cláudia, “só faltou ele falar da terra plana, de queimadas na Amazônia… Discutir da causa ele não estava. Eu falei da prova”.

Na tréplica, Vendramini disse a frase que abriu a reportagem. “Ele dizia: ‘Por isso eles [LGBT+] são contra a Polícia Militar, esse povo LGBT odeia Polícia Militar porque gosta de fazer esse tipo de coisa. Quer ser homossexual, vai ser entre quatro paredes, só não venham deturpar nossas crianças. Menino tem que vestir azul e menina, rosa’, pejorativamente”, segue a promotora, explicando que também havia falas como “Bandido bom é bando morto, tem mais é que morrer”, “Mulher de bandido é bandida também, tudo bandido”, “Quando eu era policial da rua mandei 50 para o inferno”, que, apesar de “excrescência sem classificação, em tese tem a ver com o que tem sido discutido”.

A promotora explica que manteve-se sem respondê-lo até antes do anúncio da sentença que absolveu os dois policiais das acusações. Foi quando pediu palavra à juíza para incluir oficialmente uma fala sua. “Constou um pequeno extrato na ata, fazia um público agradecimento ao doutor Celso Vendramini por ser tão explícito nesse tipo de pensamento retrogrado, obscurantista, medieval, preconceituoso. Ele mostrava para mim que que eu tinha obrigação, como homossexual e detentora de um cargo de autoridade, de exigir a defesa dos direitos de pessoas como eu”, explica Cláudia.

Segundo a promotora, o sentimento foi de que, como alguém com certo poder na sociedade, era preciso demonstrar uma reação como forma de combater tais atitudes. “Se eu, que estou em uma posição de privilégio, passo por uma situação como essa, o que passarão homo e e transexuais diariamente, que humilhações, violações e obstruções de direitos passam secretamente sem que ninguém lhes dê voz?”, diz, citando a resposta de Vendramini. “Ele cinicamente fez constar na ata que não tinha menor ideia que eu fosse homossexual e que não é contra o ‘homossexualismo’ e que, se um filho dele quisesse ser, sem problema, o problema são as crianças, que tem que poder crescer e fazer a opção delas.”

A profissional explica que nunca havia passado por situação similar em 27 anos como representante do MP, 17 deles atuando diretamente com júris populares. “Os tempos que estamos vivendo hoje, desde a ascensão do [presidente Jair] Bolsonaro, o obscurantismo saiu do armário. Vemos acontecer e, de fato, saiu. As pessoas estão revelando um tipo de preconceito explicitamente que até há pouco tempo se viam minimamente desencorajadas. Tudo bem que o presidente fala, mas como pode alguém falar isso?”, questiona.

Defensor posa com boina preta, exaltando ter feito parte da Rota | Foto: Reprodução/Facebook

“Nunca antes havia sentido como necessidade me assumir. Não escondi, mas não levantava bandeira. Vejo como fui covarde, omissa. Agora precisa, sim, fazer quando vejo um Vendramini falar desa maneira. Como fez Daniela Mercury, Fernanda Gentil, Zélia Duncan, figuras publicas que externaram isso, mostrar, como o beijo da Daniela. Precisa disso? Precisa. Exijo respeito, só isso. Não é privilegio, só respeito”, prossegue.

A APMP (Associação Paulista do Ministério Público), entidade que representa promotores e procuradores de Justiça em São Paulo, emitiu nota de repúdio pelos ataques promovidos por Vendramini. “É inaceitável que uma agente do sistema de Justiça, no cumprimento constitucional de suas funções, sofra qualquer tipo de ofensa. Muito pior quando se configura discriminação relacionada à sua orientação sexual”, posiciona-se. Um ato de desagravo acontecerá no dia 16 de dezembro, no Fórum Criminal da Barra Funda, em São Paulo.

‘Promotora está com ego machucado’

A Ponte ouviu o advogado Celso Vendramini para entender suas falas durante o julgamento. Segundo ele, não houve nenhuma tentativa de ofender Cláudia Mac Dowell e que a promotora teve “um engano, está totalmente delirando dentro de um contexto dela própria”.

“O que falei no tribunal está gravado e pedi para a juíza deixar a gravação à disposição no processo, foi o seguinte: nunca fui contra o movimento LGBT, em hipótese alguma, nada contra. Se meus filhos fossem, aceitaria, mas não concordava com aquelas manifestações na Avenida Paulista, em que pessoas introduziram um crucifixo na vagina e no ânus. Não concordava. Achava que era um abuso muito grande, um crime contra o Código Penal”, detalha, dizendo não saber o motivo da revolta de Mac Dowell. “Falei que se ela concordasse com esse tipo de situação não poderia ser promotora de Justiça porque atentava contra a lei”.

Em entrevista para a Agência Pública, o defensor exalta ter integrado a Rota, diz ter sido absolvido de todas as mortes cometidas em serviço, exaltou ajuda que recebeu do PM aposentado Conte Lopes, exaltou falas do então deputado Jair Bolsonaro e se defendeu de acusações de ser homofóbico. “Quero deixar bem claro que o que eu fiz na televisão não era o que eu pensava. Não sou contra gay, lésbica. Na televisão eles me pediram pra fazer um tipo que hoje me pesa muito na consciência. Eu tava empolgado com a televisão”, disse à repórter Andrea Dip, citando participações em programas do SBT.

Vendramini sustenta que recentes decisões no tribunal do júri podem ser a resposta para as afirmações da promotora, citando a absolvição de seus clientes e de duas outras policiais. “Ela está chocada que perdeu o julgamento, queria condenar e não conseguiu. Está com o ego machucado, infelizmente. Uma promotora não deveria se sentir assim”, afirma o advogado, que sustenta ter citado a população LGBT+ dentro do julgamento como forma de expressar sua opinião aos jurados na tentativa de absolver seus clientes.

“No tribunal de júri temos o direito de falarmos tudo o que nós pensamos ali, existe amplitude de defesa. Só que para algumas pessoas, infelizmente, elas não aceitam quando se fala tudo no tribunal. Temos a liberdade de expressão, como a imprensa também tem, e o advogado e promotores têm. Em momento algum ofendi a pessoa dela ou a comunidade homossexual. Cada um segue seu caminho”, garante o advogado.

Segundo Vendramini, além de aceitar caso os filhos fossem LGBTs, ele possui amigos homossexuais, “um amigo de verdade, irmão meu de coração, não tem essa frescura” e voltou a condenar o ato que envolvia o crucifixo. “Sou cristão, crucifixo para mim é um símbolo cristão. Pega e enfia na buceta e no cu, acha que vou gostar? Por quê fazer isso? Não precisa disso. Dá-se ao respeito que o respeito virá automaticamente, normalmente. A doutora lá está viajando, não sei o que ela está querendo, está tudo gravado”, continua Vendramini.

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: