x

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Em vídeo, PMs sufocam homem negro com golpe no pescoço

25/06/20 por Arthur Stabile

Compartilhe este conteúdo:

Dois policiais foram filmados sufocando rapaz em Ibaté, interior de SP, e população alertou: “vão matar o cara enforcado”; cena lembrou caso de George Floyd

Dois policiais militares tentam imobilizar um homem. Um deles dá uma gravata (golpe de ataque com os braços no pescoço do alvo) e aperta para fazer o homem se render. “Não pode enforcar, ele vai desmaiar!”, grita uma mulher, em desespero.

O caso aconteceu na última terça-feira (23/6) no bairro Jardim Icaraí, na cidade de Ibaté, próxima a Araraquara, no interior de São Paulo, e distante 247 quilômetros da capital paulista.

Leia também: PM sufoca homem negro até ele desmaiar e lembra ação que matou George Floyd nos EUA

As imagens mostram os dois policiais em cima do homem. Ele não dá sinais de que esteja resistindo à prisão, mas, ainda assim, recebe o golpe para ser desmaiado.

“Vão matar o cara enforcado”, insiste uma mulher. “Ele está ficando roxo, ficando preto”. A mãe da vítima tenta falar com os policiais e impedir o golpe, mas leva um tapa.

“Tira a mão de mim”, gritou o PM que golpeia o homem. Em seguida, deu um tapa na mão da mulher. Na sequência, o policial derrubou o homem no chão e seu parceiro tentou algemá-lo.

Sequência mostra ação policial ao enforcar homem | Foto: Reprodução

A população se revolta ao ver a abordagem policial. “Tem que prender e algemar, mas não pode enforcar, não. O errado é só o cidadão depois”, critica uma mulher ao registrar as imagens.

Segundo a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo, comandada pelo general João Camilo Pires de Campos neste governo Doria (PSDB), as cenas aconteceram durante a prisão de um homem foragido.

A pasta explica que o homem estava em um carro quando foi abordado e que teria tentando fugir, motivando a ação dos policiais.

Leia também: Promotor relaciona pobreza com aumento de mortes pela PM

“Quando solicitado para que desembarcasse do automóvel, o procurado tentou fugir correndo, mas foi contido pelos agentes, sendo necessário o uso de força proporcional para a conclusão da detenção”, defende a secretaria.

A nota enviada à Ponte explica que, depois da prisão, os PMs o levaram para a delegacia da cidade, onde registraram ocorrência de prisão de foragido.

A reportagem pediu análise do vídeo ao tenente-coronel Adilson Paes de Souza, aposentado da PM paulista. “Tudo errado”, definiu. “Por que agiram assim? Imobilizou, algema. Simples assim. Se está no solo, mais fácil ainda. Mãos para trás e algema, não acontece nada mais”, explica Souza.

O policial aposentado diz que o caso é agravado pela morte de George Floyd, homem negro americano asfixiado por um policial branco nos Estados Unidos, e pelo caso recente dos PMs que deram um golpe idêntico e desmaiaram um homem em Carapicuíba, na Grande SP.

“Mesmo com todos esses fatos estão fazendo abordagens da mesma maneira. Um absurdo”, afirma. “Nunca vi uma época com a polícia cometendo tantos erros graves assim. É uma coisa que causa preocupação imensa e espanto”, lamenta.

Construa a Ponte!

Nesta semana, o governador João Doria anunciou o retreinamento de policiais militares como forma de coibir abusos e diminuir a letalidade policial. Movimentos sociais veem mera tentativa do político em se desvincular de abusos.

Adilson é cético em relação à iniciativa. “Não é com reciclagem de oficial que vai chegar nesse ponto”, diz. Segundo ele, falta definir quais os pontos a serem aprimorados. E, para isso, é necessário estudar.

“Com base no que chegou-se à conclusão que é falta de comando? Tenho certeza que há problema aí, mas não creio que seja o problema único e mais grave”, pondera. “Quais fundamentos técnicos embasaram a medida? Será inócua”, critica.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: