Então é isso. A vida tem hierarquias. A morte tem hierarquias

    “Criminosos” e policiais estão se matando numa guerra com cujas vítimas ninguém se importa. A sociedade não se importa. O poder observa desde o alto e joga com eles como marionetes

    Manifestantes Chacina Cabula
    Manifestação contra chacina do Cabula Foto: Rafael Bonifácio /Ponte Jornalismo

    O mundo inteiro se mobilizou depois dos atentados de Paris. #JesuisCharlie se transformou num mantra, num cânon repetido com raiva, dor e até desesperação pelo assassinato dos jornalistas.

    Brasil teve no ano passado mais de 50.000 homicídios, mas nem os brasileiros gritaram #JesuisBrasil, de tão acostumados com a tragédia. Só em Cabula, Salvador, 12 pessoas morreram estes dias, em suposta troca de tiros com a Polícia de Rondas Especiais, mas ninguém gritou #JesuisCabula. Fatos muito diferentes, mas que têm o horror como denominador comum.

    Por que não se escutam clamores indignados diante de tanta morte cotidiana? Ontem, conversando com um conhecido, encontrei a resposta. Dessas respostas esmagadoras que chegam, contundentes, com todo o peso do sentir da sociedade “Os caras são bandidos, caras da perifeira, ninguém está nem ai com eles. É como policial, quem se importa quando morre um deles?”

    Então é isso. A vida tem hierarquias. A morte tem hierarquias.

    Eram jornalistas. Eram criminosos. Eram jovens negros da periferia

    Uns merecem a solidariedade do mundo. Os outros o desprezo e o silêncio.

    “Criminosos” e policiais estão se matando numa guerra com cujas vítimas ninguém se importa. A sociedade não se importa. O poder observa desde o alto e joga com eles como marionetes, como fantoches, rindo a vontade, “que se matem, nós continuamos aqui”. Bandidos de colarinho branco, chefões do tráfico, corruptos de Brasília continuam seus trabalhos. Os donos do poder não se matam e não morrem.

    Qual é o sentido desta guerra?

    Por que tanta morte de jovens?

    Por que os senhores do crime continuam intocáveis?

    Queria indignação, mas ninguém tem.

    * Esther Solano Gallego é professora da Universidade Federal de São Paulo e coautora do livro “Mascarados: a verdadeira história dos adeptos da tática Black Bloc” (Geração Editorial)

    Comentários

    Comentários

    Já que Tamo junto até aqui…

    Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

    Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

    Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

    Ajude

    mais lidas