Estudantes ocupam escritório da Presidência em protesto contra a PEC 241

Manifestação terminou por volta das 23h desta segunda (10) após polícia ameaçar invadir o local e retirar todos à força

Foto: Daniel Arroyo
Foto: Daniel Arroyo

Os funcionários do escritório da Secretaria de Administração da Secretaria Geral da Presidência da República, na Avenida Paulista, em São Paulo, não conseguiram nem ver a ação de estudantes que ocuparam o local, por volta das 17h30 desta segunda-feira (10). A ação dos alunos ocorreu em protesto contra a PEC (Projeto de Emenda à Constituição) 241. Foi tudo muito rápido.

A PEC, aprovada ontem em primeiro turno, cria um teto para o crescimento dos gastos do Brasil durante 20 anos. Na prática, áreas de educação e saúde vão sofrer cortes. Pensando em impedir o que os estudantes autônomos e organizações estudantis chamam de “mais um retrocesso do governo de Michel Temer”, todos se uniram e decidiram se manifestar.

Foto: Daniel Arroyo
Foto: Daniel Arroyo

Depois da entrada dos estudantes no local, a polícia chegou e não deixou ninguém entrar e sair. O advogado ativista Denis Veiga, que estava na porta do escritório com outros dois colegas, disse que nenhum comandante da operação apareceu para fazer a negociação. “Estamos tentando entrar porque tem menores aí dentro. E a polícia, em uma atitude arbitrária e ilegal, não nos deixa entrar”, disse.

Enquanto isso, os jovens afirmavam que passavam fome e sede, encurralados pela policia do lado de dentro. Alguns colegas de organizações que estavam do lado de fora tentaram entrar com alimentos, mas foram impedidos pela polícia. Outras pessoas, que estavam participando de outra manifestação de rua pelo mesmo motivo, ficaram paradas na porta gritando “fora, Temer”.

Foto: Daniel Arroyo
Foto: Daniel Arroyo

Com o horário já batendo 22h, deputados começaram a aparecer na porta do escritório para negociar com a polícia em nome dos estudantes. A deputada estadual Márcia Lia (PT) disse que foi agredida por um policial quando tentava entrar no local ocupado.

Depois disso, os estudantes foram ameaçados: ou eles saíam, em 15 minutos, ou a polícia iria invadir o local e retirar todos a força. Com medo da violência, estudantes começaram a se organizar para fazer a saída pacífica, o que ocorreu por volta das 23h.

Foto: Daniel Arroyo
Foto: Daniel Arroyo
Foto: Daniel Arroyo
Foto: Daniel Arroyo
Foto: Daniel Arroyo
Foto: Daniel Arroyo
Foto: Daniel Arroyo
Foto: Daniel Arroyo

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

mais lidas