x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Exército foge 3 vezes da mesma pergunta: polícia sabia de militar infiltrado?

06/01/17 por Fausto Salvadori

Compartilhe este conteúdo:

Respostas enviadas pelo Exército não guardam a mais remota relação com o que foi perguntado

militares_resposta_fausto_72

Entre 26 de dezembro e 6 de janeiro, a Ponte Jornalismo enviou quatro e-mails ao Centro de Comunicação Social do Exército perguntando se a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo havia atuado em conjunto com o capitão do Exército Willian Pina Botelho na prisão de 21 jovens no Centro Cultural São Paulo, na zona sul da capital, em 4 de setembro.

A Comunicação Social do Exército deu três respostas. Nenhuma delas guarda a mais remota relação com o que foi perguntado. Acompanhe.

Ponte – O Exército deu duas versões diferentes sobre a relação do capitão Botelho com a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo. Na primeira versão, o comandante-geral do exército, general Eduardo da Costa Villas Boas, afirmou à Rádio Jovem Pan que “houve uma absoluta interação” do Exército com a SSP no episódio da prisão de 21 jovens no Centro Cultural São Paulo. Dois meses depois, em resposta dirigida a um ofício do deputado federal Ivan Valente (PSOL), o general de divisão Tomás Miguel Miné Ribeiro Paiva afirma que o governo paulista não sabia das ações de Botelho nem teria passado informações à polícia que levaram à prisão dos manifestantes.
Pergunto:
Por que o Exército deu duas versões diferentes?
Em qual delas o general envolvido faltou com a verdade?

Comunicação Social do Exército – Doutrinariamente, é constante a troca de conhecimento com os Órgãos de Segurança Pública, o que permite a adoção de medidas preventivas e capacidade de antecipação aos acontecimentos. A interação permanente e contínua entre os diversos órgãos de inteligência é condição fundamental para que haja uma atuação oportuna, eficiente e objetiva, gerando o mínimo de danos colaterais para a nossa população. No entanto, a cada operação interagência, legalmente estabelecida, e conforme a sua peculiaridade, os órgãos envolvidos avaliam a necessidade dessa interação, ficando a cargo dos mesmos consolidá-la ou não.

Ponte – Agradeço a mensagem enviada, mas é preciso observar que a pergunta não foi de longe respondida. O texto enviado por vocês não tinha relação com o que foi perguntado. Nesse caso, reformulo a pergunta. A Secretaria da Segurança Pública de São Paulo sabia das atividades desenvolvidas pelo coronel Willian Pina Botelho em 4 de setembro? A prisão dos 21 jovens no CCSP foi fruto de uma atividade conjunta do Exercito com o governo estadual? Sim ou não?

Exército – As operações interagências são sempre realizadas em um ambiente de sinergia, o que permite conduzir as ações de maneira oportuna, eficiente e em busca dos objetivos comuns, para gerar o mínimo de danos colaterais. Os Órgãos neles envolvidos têm total liberdade para avaliar as necessidades de troca de dados segundo suas razões operacionais.

Ponte – Obrigado. Mas lamento constatar que, mais uma vez, o Exército tenha preferido passar declarações que não têm relação com a pergunta que fiz:
A Secretaria da Segurança Pública de São Paulo sabia das atividades desenvolvidas pelo coronel Willian Pina Botelho em 4 de setembro? A prisão dos 21 jovens no CCSP foi fruto de uma atividade conjunta do Exercito com o governo estadual? Sim ou não?
Agradeceria muito se o Centro de Comunicação Social do Exército conseguisse me dar uma resposta. Até agora, vocês não o fizeram.

Exército – O Centro de Comunicação Social do Exército entende que todos os questionamentos realizados por esse jornalista já foram respondidos, por intermédio dos e mail anteriores. Todavia, caso tenha a necessidade de levantar outros esclarecimentos, este Centro ratifica a sugestão para o encaminhamento destas demandas à Procuradoria de Justiça Militar, do Estado de São Paulo, para onde foi encaminhada a Sindicância, instaurada pelo Comandante do Comando Militar do Sudeste, a qual apurou todos os fatos e circunstâncias relativas ao assunto em tela.

Ponte – Até agora vocês não me responderam se a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo sabia da atuação do capitão Willian Pina Botelho e se a prisão dos 21 jovens no Centro Cultural São Paulo foi fruto de uma operação conjunta com a SSP.
Continuo no aguardo de uma resposta honesta e transparente do Exército Brasileiro. Espero que não seja pedir demais.

Exército – … [ainda não respondeu]

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>