Faculdade afasta professor que apontou arma para aluno

Professor de direito, que é policial militar aposentado, ameaçou aluno que estaria fumando maconha e disse que serviria de ‘exemplo’

Tumulto na faculdade após professor apontar arma para aluno | Foto: Arquivo pessoal

A faculdade Zumbi dos Palmares afastou o professor de direito Marcos Paraíso da Silva, que é segundo-tenente aposentado da Polícia Militar, após Paraíso apontar uma arma para um aluno e, segundo testemunhas, ter empurrado uma estudante que questionou sua atitude.

O professor sacou a arma no intervalo do período noturno de quarta-feira (6/6) e apontou-a para o aluno de publicidade e propaganda Kaique Vidal Castanhar, porque o estudante estaria fumando maconha.

Segundo uma aluna da instituição, o fato ocorreu no parque municipal Centro Esportivo Tietê, que faz parte da faculdade. Silva estava no parque quando viu um grupo de estudantes reunidos no local. Ainda de acordo com a aluna, “o grupo estava fumando cigarro” quando o professor se aproximou e abordou o menino dizendo que ele estava usando maconha. Após uma discussão, Paraíso sacou uma arma e apontou para o aluno. Disse que ele serviria como “exemplo” para a faculdade.

Conforme o DCE (Diretório Central dos Estudantes) Dandara dos Palmares, o aluno foi revistado por Paraíso, que não achou nada de ilícito com ele. Depois disso, o ex-policial militar foi até a sala da direção do curso para relatar o ocorrido. Uma outra aluna que estava junto do grupo o acompanhou. Na sala, houve uma discussão entre os dois e, segundo o DCE, o professor empurrou a aluna.

O DCE divulgou uma nota onde informou que “se solidariza com xs acadêmicxs do curso de publicidade e propaganda/comunicação social e com todxs os acadêmicxs dessa instituição dizendo-lhes que não podemos tolerar tais ações traumáticas de abuso de poder e machismo invadam um espaço acadêmico de respeito”.

O diretório  pede que medidas preventivas e reparativas sejam tomadas para que outras situações assim não voltem a ocorrer. O diretório também solicita uma avaliação do quadro de trabalhadores da faculdade. Após o episódio, alunos, através de redes sociais, criticaram a presença de outros professores que também andam armados pelo campus.

Já a faculdade afirma que os alunos estavam usando “substâncias ilícitas” e que o professor só usou a arma porque se sentiu “ameaçado”.

A reitoria da instituição informou que “repudia rigorosamente qualquer atitude ou conduta de seu corpo docente que agrida a integridade, honra, o patrimônio, a saúde pública e todos os direitos da pessoa humana”.

A Ponte ​tentou contato com Marcos Paraíso da Silva, mas não obteve resposta.

Atualização em 10/6, às 8h40 – O nome do professor aparecia erroneamente escrito como Marcos Pereira da Silva em um dos trechos da reportagem. O erro foi corrigido.

Comentários

Comentários

Colabore com a Ponte!

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

Catarse

feito por F E R A