x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Familiares de Guilherme, sequestrado e morto em junho de 2020, celebram seu aniversário

04/04/21 por Paulo Eduardo Dias

Compartilhe este conteúdo:

Parentes, amigos e vizinhos se reuniram na zona sul da capital paulista para homenagear jovem que completaria 16 anos no último dia 31 de março; principais suspeitos da morte são sargento e ex-PM

Parentes e amigos de Guilherme da Silva Guedes se reuniram na Vila Clara, zona sul, para homenagear rapaz | Foto: Paulo Eduardo Dias/Ponte

Familiares, amigos e vizinhos de Guilherme da Silva Guedes se reuniram na tarde deste domingo (4/4) para prestar homenagem ao jovem que foi morto após ter desaparecido há dez meses. Os principais suspeitos de terem sequestrado e assassinado Guilherme são um sargento e um ex-soldado da PM, Adriano Fernandes de Campos e Gilberto Eric Rodrigues. O motivo do encontro, além de reforçar o pedido por justiça, foi uma maneira de lembrar o aniversário do garoto. Se estivesse vivo, Guilherme teria completado 16 anos no último dia 31 de março.

O encontro entre os parentes e amigos, que contou com apoio da Rede de Resistência e Proteção contra o Genocídio, ocorreu sob sol forte na Rua Rolando Curti, na Vila Clara, zona sul da capital paulista, em frente à casa da avó do menino, mesmo local em que ele foi sequestrado na madrugada de 14 de junho.

Leia também: PM suspeito de participar da morte de Guilherme é preso

De acordo com as investigações, ambos os homens, que atuavam na segurança de um galpão próximo à residência em que Guedes morava com sua avó, abordaram o adolescente no momento que caçavam pelas ruas os responsáveis por invadir minutos antes o imóvel da Sabesp cuja guarda era de responsabilidade da empresa do sargento, a Campos Forte Portarias Ltda. Tal local fica a poucos metros da residência da família. Após raptarem o menino, ele foi obrigado a entrar em um carro e levado até a Avenida Alda, no bairro Eldorado, também na zona sul, onde foi morto a tiros. Guedes não tinha envolvimento com a invasão ao galpão. A intenção da dupla era dar uma demonstração de poder no bairro, segundo a apuração feita pela polícia.

Preocupados e à procura do jovem durante todo domingo, seus familiares só souberam de sua morte na manhã da segunda-feira (15). Horas após, uma revolta acometeu a Vila Clara no que resultou em ônibus queimados e depredados, o que fez com que o caso chamasse atenção do poder público e a investigação sobre os culpados pelo assassinato tocada com rapidez. Câmaras de segurança e depoimentos levaram aos denunciados Campos e Rodrigues. Atualmente, Campos segue preso no Romão Gomes. O ex-PM Gilberto, considerado um matador, segue foragido.

Lembrança de aniversário

Enquanto colava cartazes com fotos do filho na parede da rua Rolando Curti, a cozinheira Joice da Silva Santos, 32, mãe de Guilherme, afirmou que o tempo só faz aumentar sua dor. “São os piores dez meses da minha vida. É como se fossem dez anos que estou sem ele”, disse. A mulher tem feito terapia junto à uma grupo de outras mães vítimas da violência policial, todas elas assistidas pela Rede de Proteção e Resistência contra o Genocídio.

Joice da Silva fixa banner com o rosto de seu filho em um muro | Foto: Paulo Eduardo Dias/Ponte

Considerados por todos um garoto obediente e sorridente, a frase “menino de ouro” estava estampada em um banner, camisetas e nos cartazes confeccionados especialmente para a data.

Devido a grande circulação de motos de alta potência e os barulhos produzidos pelos escapamentos, além de carros que insistiam em passar em meio ao ato, os familiares decidiram bloquear a passagem de um trecho da Rua Rolando Curti, mas nada que atrapalhasse o trânsito da região, já que era possível acessar o local por outras travessas.

Leia também: Fazer chacina e matar um cego: o currículo de acusações de um ex-PM

“O Guilherme foi julgado, condenado e executado por uma coisa que ele não cometeu. Eu não posso mais mandar um neto meu ir num bar comprar coxinha, porque eu não sei se ele vai voltar”, disse o motoboy Edson Amorim, 57 anos, tio-avô do menino. Guilherme havia deixado sua casa para comprar um salgado.

Pouco antes das 17 horas, um grupo resolveu deixar o local e passar por ruas próximas segurando os cartazes. Além da Rolando Curti, se locomoveram pela Estrada Antiga do Mar e Álvares Fagundes. Mesmo diante da segunda onda da pandemia do coronavírus, que já matou mais de 300 mil pessoas no país, o uso de máscaras acabou por ser um artigo de luxo no protesto, com poucas pessoas fazendo seu uso corretamente.

Grupo usou camisetas em que era possível ler “menino de ouro” | Foto: Paulo Eduardo Dias/Ponte

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>