‘Funk não é pauta de segurança pública, é de cultura’, diz funkeira em ato no centro de SP

04/12/19 por Maria Teresa Cruz e Sérgio Silva

Compartilhe este conteúdo:

Protesto organizado pela Coalizão Negra Por Direitos denuncia política de segurança pública racista do governo de SP que deixou 9 mortos no massacre de Paraisópolis

Renata Prado, funkeira, critica forma de o Estado tratar a questão do baile funk: ‘não é pauta de segurança, é de cultura’

Um protesto pedindo justiça pelos 9 mortos em Paraisópolis e denunciando a política genocida e racista da Polícia Militar de SP, comandada pelo governador João Doria (PSDB), aconteceu nesta quarta-feira (4/12) em frente à sede da Secretaria da Segurança Pública, na Rua Líbero Badaró, centro da capital paulista. O ato terminou por volta das 20h, depois que os manifestante acenderam velas, fizeram um minuto de silêncio e jogaram tinta vermelha nos PMs que guardavam a entrada da SSP.

Em ato simbólico, manifestantes lançam tinta vermelha em policiais militares que guardavam a entrada da SSP | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Ao microfone, a funkeira Renata Prado frisou que o que aconteceu em Paraisópolis não é nada de novo para a massa funkeira, que é criminalizada e agredida rotineiramente pela polícia. “Mas dessa vez aconteceu uma morte massificada de nove jovens da periferia. E não adianta dizer que esses jovens têm ligação com o crime, porque eles não têm. Eles estudavam, trabalhavam, nem eram de Paraisópolis”, pontuou.

PMs ficaram tingidos de vermelho ao final do protesto | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Renata frisou que o Baile da DZ7 é referência cultural para o funk, não apenas da região mas em todo o estado. “Essa juventude sai das cidades e dos bairros porque não tem acesso à cultura e lazer, que aliás são direitos previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente. Funk não é pauta de Segurança Pública, ou pelo menos não deveria ser. Funk é pauta da Secretaria de Cultura”, declarou Renata, que foi ovacionada por multidão que participava do ato.

Protesto puxado pela Coalização Negra Por Direitos tomou conta da frente da Secretaria da Segurança Pública de SP | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Renata lembrou que, em 2017, o filho de João Doria, Jonnhy, fez uma festa com fonte de catuaba e muito funk na mansão da família para comemorar seu aniversário 23 anos. O show foi do MC Pikeno. “Eles podem ouvir e quem criou o funk não pode”, criticou.

Velas acesas em homenagem aos mortos | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Douglas Belchior, professor da Uneafro e integrante da Coalização Negra Por Direitos, declarou que, apesar do sentimento de impotência diante de um “Estado assassino”, é importante resistir e denunciar a atrocidade que aconteceu em Paraisópolis.

Douglas Belchior, professor da Uneafro e integrante da Coalização Negra Por Direitos | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

“Protocolamos nove documentos nas instituições do Estado e de fora do país também. Nós sabemos que é tudo uma merda, que as instituições funcionam para continuar promovendo o genocídio, mas a gente precisa cobrar do Ministério Público que não seja passivo diante da chacina. Ele tem obrigação de cobrar do governo do estado uma postura. A política de segurança tem que ser para garantir segurança e vida para todos, não só proteção para quem tem patrimônio, para quem vive em bairro rico, e a barbárie e a tortura para quem está em bairros pobres”, afirmou Belchior.

Manifestante segura cartaz que denuncia genocídio da população periférica | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Adotando tom parecido, Milton Barbosa, o Miltão, membro fundador do MNU (Movimento Negro Unificado) que integra a Coalizão, destacou a responsabilidade das autoridades, do poder econômico e criticou a hipocrisia da guerra às drogas. “Eles [governo] mandam, sim, a Polícia Militar [para a favela] para sentar o dedo, para apavorar. A PM fascista tem tradição no país inteiro de matar negros e pobres. Estão a serviço da opressão como sempre estiveram, essa é a realidade. Tem três setores que são os mais ricos e poderosos do mundo: o financeiro, que são os bancos, que inventaram o capitalismo e ninguém derruba, a indústria armamentista, e o narcotráfico, que é sustentado por famílias burguesas ilustres”, criticou.

“Nós, negros e negras, estamos dizendo que eles não passarão. Vamos enfrentá-los e derrota-los, porque nossa luta é luta de transformação”, concluiu.

Manifestante segura cartaz em frente à sede da SSP: ‘Doria, genocida do ano’ | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Além de vários coletivos e organizações negras, mães que perderam os filhos vítimas da violência do Estado estavam presentes. “Quando o policial aperta o gatilho é o governo mandando. Eu deixo meu recado para o Doria, a partir desse momento, em que tem mãe chorando o sangue derramado dos seus filhos, a gente não vai se calar. Nós não vamos nos calar, não vamos baixar a cabeça porque nossos filhos têm voz”, falou Dona Nilda, das Mães de Maio da Leste.

Nilda, das Mães de Maio da Leste | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Em um dos momentos de maior comoção, Priscila França, integrante da Educafro e da Coalizão, gritou o nome de cada um dos nove mortos e a multidão gritava “Presente!”.

“Quantos mais terão que morrer, quantos mais corpos negros vão ter que ser tombados para que essa sociedade racista, fascista, homofóbica, nos deixe viver? Para que nosso povo possa viver em paz?”, questionou Priscila.

Flores em homenagem aos nove mortos | Foto: Sérgio Silva/Ponte Jornalismo

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: