Grupo integralista que diz ter atacado Porta dos Fundos já invadiu UniRio

26/12/19 por Leonardo Coelho e Maria Teresa Cruz

Compartilhe este conteúdo:

Em 2018, grupo de extrema-direita entrou na universidade e queimou bandeiras antifascistas; ataque à sede do Porta dos Fundos aconteceu na véspera de Natal

Símbolo é o mesmo que aparecia em vídeo após ataque à UniRio em dezembro do ano passado | Foto: reprodução

Um grupo de extrema-direita, que em dezembro do ano passado invadiu a UniRio (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro), reivindicou a autoria do ataque à sede da produtora Porta dos Fundos na terça-feira (24/12).

Em vídeo, o grupo de nome Comando de Insurgência Popular Nacionalista expõe cenas da noite em que lançaram coquetéis molotov e explicam o que teria motivado o ataque: o especial de Natal “A primeira tentação de Cristo“, feito pelo Porta dos Fundos, que retrata Jesus Cristo (Gregório Duvivier) como um gay que namora Orlando (Fábio Porchat).

Em dezembro de 2018, reportagem da Ponte tratou pela primeira vez do grupo integralista, quando pelo menos 11 integrantes entraram em um dos campi da UniRio e queimaram três bandeiras antifascistas com a intenção de se colocarem contra o grupo que combate e denuncia o crescimento do discurso de ódio.

Uma das bandeiras na fachada da universidade que foi roubada e queimada por grupo integralista | Foto: arquivo pessoal

O Comando se autodenomina integralista, pensamento com fundamento de ideais tradicionais e ligação com o fascismo na época da Segunda Guerra Mundial. 

As três bandeiras antifascistas foram criadas e colocadas por alunos do campus no dia 26 de outubro do ano passado como apoio e protesto contra uma série de ações policiais e dos TREs (Tribunais Regionais Eleitorais) para fiscalizar supostas propagandas eleitorais irregulares em universidades. Na ocasião, a polarização estava colocada entre apoiadores de Jair Bolsonaro e quem era contrário ao agora presidente.

Durante a semana que antecedeu o segundo turno das eleições, foram relatadas desde a invasão de espaços para o recolhimento de materiais considerados irregulares pelos TREs, como panfletos, até cancelamentos de eventos que tinham em seu nome ou teor relacionado ao combate ao fascismo, em pelo menos 26 universidades em 13 estados.

Na época, a Ponte conversou com o pesquisador Odilon Caldeira Neto, Phd da Universidade Federal de Santa Maria e autor da obra “Sob o Signo do Sigma: Integralismo, Neointegralismo e o Antissemitismo”, que ponderou que a ação na UniRio expunha um cenário mais agitado no campo da direita política, do qual o integralismo faz parte.

Ele explicou, à época, que o movimento político nasceu no período de entreguerras, como Ação Integralista Brasileira (AIB), e propunha uma plataforma autoritária, antidemocrática, nacionalista, corporativista e com algumas tendências antissemitas, com clara inspiração nos modelos e correntes intelectuais autoritárias, conservadoras e fascistas na Itália, Portugal e Alemanha.

“O neointegralismo é um fenômeno que acomete os tais grupos após a morte de de sua principal liderança, Plínio Salgado, em 1975. Após o falecimento, os militantes integralistas – e simpatizantes – passam a disputar essa herança política da liderança e também a divergir em termos de estratégias”, avalia o historiador. “Atualmente, existem dois principais grupos integralistas mais institucionalizados, que são a FIB (Frente Integralista Brasileira) e o MIL-B (Movimento Integralista e Linearista Brasileiro). Ambos estão presentes em diversas localidade do país, no entanto, a FIB é mais articulada, inclusive em torno de partidos políticos”, declarou à Ponte.

Segundo o Congresso em Foco, a Frente Integralista Brasileira (FIB) afirmou nesta quarta-feira (25/12) que não tem relação com os três homens que assumiram a autoria do ataque à produtora do Porta dos Fundos. “O grupo em questão é desconhecido pela FIB e não possuímos com ele qualquer relação”, disse em nota.

A Ponte procurou a Polícia Federal e fez as seguintes perguntas:

  1. A investigação da PF sobre esses ataques na UFF e na UNIRIO chegou à alguma conclusão? Caso não, em que pé ela está e o que vocês podem compartilhar?
  2. A Polícia Civil do Rio de Janeiro entrou em contato com vocês para avaliar material captado pelos seus investigadores?

Até a publicação da reportagem não havia retorno.

Entenda o caso

O mesmo grupo que, no ano passado, invadiu e queimou bandeiras na UniRio afirma que foi o responsável pelo ataque ao Porta dos Fundos. No vídeo, eles usam expressões como “burguesia”, “antipatriótica” e “marxista” e se dizem integrantes da FIB (Família Integralista Brasileira).

“O Porta dos Fundos resolveu fazer um ataque direto contra a fé do povo brasileiro se escondendo atrás do véu da liberdade de expressão. Esses malditos servos do grande capital blasfemaram contra o espírito santo quando chamaram nosso Senhor Jesus Cristo de bastardo e Maria de prostituta e adúltera. Por isso não merecem perdão”, diz um dos trechos do manifesto lido no vídeo.

Também criticam a Justiça do Rio que negou o pedido de liminar para tirar do ar o vídeo do Porta dos Fundos da plataforma Netflix. E concluem com o jargão “Deus, pátria, família e Cristo”.

Desde os ataques, manifestações de repúdio têm circulado no Twitter. O humorista Fábio Porchat, um dos criadores do Porta dos Fundos, escreveu duas mensagens sobre o caso: “Não vão nos calar! Nunca! É preciso estar atento e forte”, escreveu, reproduzindo trecho da letra da canção Divino Maravilhoso, de Caetano Veloso. E nesta quarta-feira (25/12) agradeceu o apoio que tem recebido: “Obrigado a todos que estão mandando mensagem de carinho e de apoio. Juntos somos mais fortes. Precisamos de todos lado a lado para vencermos o terror!”.

Reportagem atualizada às 14h do dia 26/12 com inclusão da nota da FIB

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: