x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Homicídio é o crime que mais leva PMs de SP para a prisão em 2016

19/09/16 por Luís Adorno

Compartilhe este conteúdo:

Entre janeiro e julho deste ano, 129 policiais militares foram para o presídio militar Romão Gomes – cinco a mais do que no mesmo período do ano passado. Do total, 34 são acusados de homicídio

Presídio Romão Gomes recebeu 4% a mais de PMs nos primeiros sete meses do ano (Foto: Reprodução/Google Maps)

Presídio Romão Gomes recebeu 4% a mais de PMs nos primeiros sete meses do ano (Foto: Reprodução/Google Maps)

Dos 194 policiais militares do Estado de São Paulo presos este ano, 43 (33%) foram enviados ao presídio militar Romão Gomes, na zona norte da capital, por homicídio (34) e por lesão corporal (nove).

O número de policiais militares presos nos primeiros sete meses do ano teve uma ligeira crescente, de 124 para 129, uma alta de 4%. Os dados foram obtidos via Lei de Acesso à Informação pelo site Fiquem Sabendo. Confira os números abaixo:

Crimes envolvendo PMs entre janeiro e julho de 2016 (Foto: Reprodução/Fiquem Sabendo)Crimes envolvendo PMs entre janeiro e julho de 2016 (Foto: Reprodução/Fiquem Sabendo)

De acordo com a SSP (Secretaria da Segurança Pública), apesar da pequena crescente, o número não indica um salto e aponta que o trabalho da Corregedoria da PM tem sido bem feito.

“A Corregedoria da PM mantém um dos mais rígidos e constantes processos de depuração interna do serviço público estadual, que garante a fiscalização dos atos, a correção e a responsabilização dos que tenham cometido alguma irregularidade. Tanto que a Corregedoria da PM prendeu 275 funcionários. Além disso, foram feitas 265 demissões ou expulsões”, afirmou a pasta, em nota.

O governo Alckmin afirmou, ainda, que “os processos disciplinares e os procedimentos que resultam na exclusão de policiais são regidos pelos ditames legais e pelos princípios Constitucionais de ampla defesa e do contraditório”.

Homicídio e lesão corporal

As 34 acusações de homicídio abrangem os crimes dolosos (quando há intenção de matar) e culposos (sem intenção). A SSP não separou as modalidades ao enviar os números ao Fiquem Sabendo.

De acordo com o Código Penal Brasileiro, o homicídio simples tem pena que varia de 6 a 20 anos. O qualificado, quando se atira pelas costas, não dando a oportunidade para que a pessoa se defenda, por exemplo, tem pela de 12 a 30 anos.

Cansaço

Dois PMs foram presos no período analisado por dormirem durante o horário de serviço. Outros três, por agredirem os próprios colegas de farda. Cinco, por deixarem o posto de serviço.

Por esses “crimes”, nenhum civil jamais seria preso. Já para os PMs, a Constituição Federal prevê que não cabe habenas corpus para punições disciplinares militares.

E, pelo fato de as PMs serem organizadas com base na hierarquia e na disciplina, os policiais presos por esses “crimes” não podem recorrer.

Como denunciar um policial?

O site da SSP tem um formulário em que é possível qualquer cidadão denunciar um policial militar. De acordo com o governo, ao preencher o formulário e escrever a denúncia, as informações são enviadas à Corregedoria.

O cidadão paulista também pode ir directo à Corregedoria, na rua Alfredo Maia, 58, bairro da Luz, no centro de SP, o ligar para os telefones: 0800-7706-190 ou 3322-0190. Ainda há o canal do e-mail para denúncias: [email protected]

São Paulo também tem a Ouvidoria da Polícia, que tem à frente o ouvidor Julio César Neves. Também é possível fazer uma denúncia à ouvidoria, contra PM ou policial civil, através de um formulário on-line. Outros caminhos são: pessoalmente, na rua Japurá, 42, Bela Vista, centro de SP, ou pelo telefone 0800-177-070. O e-mail para denúncias é o: [email protected]

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>