João Carlos, 55 anos, morreu de frio enquanto dormia na rua

Local onde morador de rua foi encontrado morto no fim da madrugada (reprodução)

Após madrugada mais fria do ano, morador de rua é achado morto em bairro onde movimentos sociais dizem que Prefeitura de SP fechou vagas emergenciais em albergues

Local onde morador de rua foi encontrado morto no fim da madrugada (reprodução)
Local onde morador de rua foi encontrado morto no fim da madrugada de sexta | Foto: Reprodução

O paranaense João Carlos Rodrigues, filho de Irene, nascido sob o signo de Áries, tinha completado 55 anos no dia 10 de abril e já tinha passado pela rede de atendimento de população de rua da Prefeitura de São Paulo. Essas são as únicas informações a respeito do corpo encontrado com à estação Belém do Metrô, na zona leste de São Paulo.

O morador de rua João Carlos perdeu a batalha para o frio na madrugada em que os termômetros registraram as temperaturas mais baixas de 2016. E a tendência é que os próximos dias continuem bastante gelados.

Para o padre Julio Lancellotti, a causa da morte de João foi frio. Há pouco mais de um mês, a Ponte Jornalismo divulgou denúncia da pastoral do Povo de Rua e do próprio Lancellotti de que o chamado “rapa”, a retirada forçada dos pertences dos moradores de rua, havia se tornado uma política adotada de maneira sistemática pela Prefeitura de São Paulo para tratar a questão da população de rua.

Lancellotti conversou com a Ponte Jornalismo e voltou a falar em política higienista e em dificuldades de diálogo com a secretaria de Assistência Social, comandada por Luciana Temer.

Como o senhor soube da morte do João Carlos?

Julio Lancellotti – Foi logo depois da missa das 7h. Alguns moradores de rua que ficam ali na mesma região, perto do metrô Belém, me procuraram e disseram que uma pessoa tinha morrido. Eu procurei a Missão Belém, que também estava a par do caso, e, em seguida, fui até um Centro POP (Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua) da Prefeitura. Eu que contei para as assistentes sociais que o João Carlos tinha morrido.

20160611-Maite-Joao-Carlos
Local onde João Carlos morreu. | Foto: Reprodução/Facebook

O atestado de óbito ainda não saiu, mesmo assim o senhor afirma que ele morreu em decorrência da baixa temperatura…

Julio Lancellotti – Eles não vão colocar que é frio. Mas é só olhar. É só conversar com as pessoas no local. Quando a gente vê as fotos, que eu recebi de outros companheiros e publiquei nas redes sociais, a gente vê que ele estava dormindo na rua, com uma sacolinha, a mochila dele, como sempre fazem as pessoas que estão em situação de rua. O portal G1 divulgou que ele nunca passou pela rede assistencial, o que é uma mentira, porque tem a ficha dele comprovando que ele passou [segundo a notícia, a informação partiu da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS)]. Eu falei com eles, pedi para arrumarem, para corrigirem a informação.

O quanto a prática da prefeitura de São Paulo, que o senhor denunciou aqui na Ponte Jornalismo no mês passado, de simplesmente tirar os moradores de rua sem destinar um local para que eles fiquem, contribuiu para essa situação?

Julio Lancellotti – Totalmente. Temos alguns pontos objetivos: a noite estava excepcionalmente fria, ele estava dormindo com pouquíssima proteção, em cima de um pedaço de papelão e com um cobertor fino. No IML vão dizer que foi insuficiência cardíaca, parada respiratória, problema cardiovascular, problema pulmonar, eles nunca atestam que foi por causa do frio. Mas é claro que qualquer problema que a pessoa tem, aos 55 anos, se agrava com a exposição a baixa temperatura. E o outro fato objetivo é que o único abrigo emergencial da região da subprefeitura da Lapa foi fechado no começo desse ano. Esse local havia sido instalado no inverno do ano passado. Ele foi fechado e não foi reaberto nenhum. Na semana passada, eu falei com a secretária [de Assistência Social Luciana Temer] e ela disse que foram abertas 1000 vagas emergenciais. Veja se tem alguma na Mooca. As que foram abertas estão no Cambuci, na Lapa e em Ermelino Matarazzo.

E não são suficientes.

Julio Lancellotti – Como podem ser? Essa região — Mooca, Bresser e Belém — é a terceira onde há mais concentração de moradores de rua na cidade de São Paulo. A prefeitura tem que abrir um emergencial na Mooca. Eles dizem que abriram 1000 vagas, mas nenhuma pra região leste. O que adianta? Além do mais, mesmo que fossem 1000 seriam poucas. A própria prefeitura no último Censo fala em pouco mais de 15 mil pessoas em situação de rua. A gente sabe que o número é muito maior.

Maior quanto?

Mais de 20 mil.

E aí fica sempre esse déficit?

Exatamente. Aí, por exemplo, se você pega determinada região, fala em 6 mil pessoas que não estão albergadas, não estão sendo atendidas. Com 1000 vagas, ainda ficam 5 mil para fora.

As ocupações do Cimento e do Alcântara Machado ainda estão montadas?

Julio Lancellotti – Sim. A previsão para o Cimento (no Bresser) é que a reintegração de posse aconteça no mês que vem, por isso que eu tive a reunião com a prefeitura hoje. Eles dizem que não há mais nada o que fazer, mas eu alego que aquelas pessoas estão lá e são reais. Vão ser colocadas onde? Isso tudo porque não está na lista deles. Se não está na lista deles não existe [em reportagem de maio, padre Julio Lancellotti explicou que a prefeitura não conta como possível beneficiário de assistência quem estiver em barraco de madeira, que é basicamente como se organizam os mais de 100 moradores dessa ocupação às margens da Radial Leste]. E no caso da Alcântara Machado [perto da baixada do Glicério, no centro de São Paulo] a Justiça concedeu recentemente o direito de uso da força policial para a retirada dos companheiros, quando a reintegração de posse sair, mas ainda não tem data. A gente está contestando com a Defensoria Pública porque não foi feita audiência. A gente tem sofrido muita pressão.

De quem?

Julio Lancellotti – Empresários da região, políticos… E inclusive pressionando a Igreja a me dar um jeito também, para eu me calar.

 

E depois que o senhor fez mais uma vez a denúncia à Ponte Jornalismo, houve alguma mudança significativa nessa política de tratamento a população de rua?

Julio Lancellotti – Não houve qualquer mudança. Tivemos na semana passada uma briga terrível, porque a Ana Paula teve a carroça levada pela Guarda Civil Metropolitana. Ela estava na praça Barão do Tietê, na Mooca. Até a calcinha dela pegaram. Ela lavou e deixou pendurada para secar e até isso levaram. Eu acabei pagando os R$ 20 para que ela recuperasse as coisas dela. Mas o “rapa” continua acontecendo, sim.

Em sua página do Facebook, o padre Julio Lancellotti pediu ajuda para a região.  Doações de roupas, alimentos, garrafas térmicas e cobertores para o acolhimento emergencial dos moradores de rua poderão ser deixadas na Missão Belém, localizada na Rua Clementino, 608, Belém.

Outro lado

A Ponte Jornalismo procurou a Prefeitura de São Paulo e formalizou por e-mail as questões, incluindo a afirmação de que o padre Julio Lancellotti estaria sofrendo pressão para parar o trabalho com a população de rua. Entre as perguntas, foram solicitados números atualizados da rede de assistência social a população de rua, mas até o fechamento do texto não houve resposta. A Ponte solicitou também uma entrevista com a secretária Luciana Temer, a qualquer momento, mas também não houve retorno.

Comentários

Comentários

Colabore com a Ponte!

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

Catarse

feito por F E R A