Jovem torturado com tatuagem na testa faz primeira sessão de remoção

Tratamento deverá durar seis meses e teve início no sábado; tio do adolescente diz que ele demonstrou alegria com os primeiros resultados

Internado na clínica Gran House, em Mairiporã,  na Grande São Paulo, desde o dia 13 de junho, o adolescente que teve a testa tatuada com a frase “Eu sou ladrão e vacilão”, no dia 31 de maio, pelo tatuador Maycon Wesley Carvalho dos Reis, de 27 anos, e o pedreiro Ronildo Moreira de Araújo, 29, passou pela primeira sessão de remoção da tatuagem no último sábado (24/06). A previsão é que o tratamento completo dure 6 meses. De acordo com o proprietário da clínica, Sérgio Castillo, a primeira sessão trouxe bons resultados. “O laser absorve a tinta com o tempo e foi bem correspondido”, afirma.

Marcas deixadas na testa do jovem começaram a desaparecer I Divulgação/Grand House

A remoção está sendo feita gratuitamente, mas a pessoa responsável por custear o procedimento não quis ser identificada. A clínica Gran House está arcando com outros gastos, como medicamentos e roupas.

“A gente fez um contrato de seis meses, mas se forem precisos mais seis meses, a clínica fará”, afirma Castillo. “Não está no código penal tatuar alguém [que, porventura, tenha cometido algum crime]. Daqui a pouco corta a mão de alguém. Ele não é um boi pra ser marcado”, critica o proprietário da clínica.

Segundo o tio do jovem, Vando Aparecido Rocha, 33, ele demonstrou ter ficado muito feliz com o início do procedimento.

Leia também:

Jovem torturado com tatuagem na testa é encontrado

Ministério Público denuncia homens que tatuaram testa de adolescente

Comentários

Comentários

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

feito por F E R A