Júri absolve 4 PMs acusados de executar pedreiro em SP

    Ação dos policiais  foi filmada por morador. Menos de 2 meses depois, 7 pessoas foram executadas em um bar na mesma rua. Polícia Civil diz que foi retaliação

    Quatro policiais militares que participaram da ação que terminou com a morte do pedreiro Paulo Barbosa do Nascimento, em 10 de novembro de 2012, no Jardim Rosana (zona sul de SP), foram absolvidos pelos jurados do crime de homicídio. A atuação dos PMs foi filmada por um morador da região e a gravação foi exibida pelo Fantástico, da TV Globo, dias após o crime.

    As imagens apontavam indícios de execução. O pedreiro foi tirado à força de uma casa, agredido e, pouco antes de se ouvir um disparo, é possível ver um policial se preparando para disparar a arma. Ele era suspeito de participar de um assalto.

    O juiz Roberto Zanichelli Cintra, do 1º Tribunal do Júri do Fórum Criminal Ministro Mário Guimarães, na Barra Funda, leu a sentença por volta das 20h30. Foram absolvidos os PMs Marcelo de Oliveira Silva, Jailson Pimentel de Almeida, Halston Kay Tin Chen e Francisco Anderson Henrique.

    Filmagem da ação policial teve relação com chacina em que morreu o DJ Lah, segundo Polícia Civil/Foto: Agência Pública
    Filmagem da ação policial teve relação com chacina em que morreu o DJ Lah, segundo Polícia Civil/Foto: Agência Pública

    Em 4 de janeiro de 2013, quase 2 meses depois da ação, 7 moradores vizinhos do local da filmagem, entre eles o DJ Lah, foram assassinados em um bar na mesma rua. As investigações da Polícia Civil apontaram PMs do mesmo batalhão dos absolvidos nesta quinta-feira (37º BPM) como os responsáveis pelo crime.

    Segundo a apuração da  3a Delegacia da Divisão de Homicídios do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), a matança foi uma retaliação à filmagem feita pelo morador no dia 10 de novembro.

    Assista reportagem sobre a morte do pedreiro:

     

    Já que Tamo junto até aqui…

    Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

    Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

    Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

    Ajude

    mais lidas