Justiça determina que prefeitura pague auxílio-aluguel a vítimas de favela incendiada

    Favela da Fazendinha, na Penha (SP), pegou fogo em abril deste ano. Administração municipal afirmou que moradias seriam entregues em 2017 e Defensoria Pública ingressou com ação civil que determina pagamento de auxílio em até 30 dias
    Mensagem de protesto dos moradores, no dia  seguinte ao incêndio | Foto: Rafael Bonifácio/Ponte Jornalismo
    Mensagem dos moradores, no dia seguinte ao incêndio | Foto: Rafael Bonifácio/Ponte Jornalismo

    A Prefeitura de São Paulo vai ter de pagar auxílio-aluguel a cerca de 700 famílias da antiga Favela da Fazendinha, na Penha, zona leste, que sumiu após um incêndio e intervenção da construtora Cyrela. Famílias cadastradas pela prefeitura receberam R$ 2 mil doados pela construtora. Para produtores do documentário “Limpam com Fogo”, os casos de ligação entre construtoras e incêndios em favelas são recorrentes: “não se trata de tacar fogo, mas de deixar queimar”. A decisão liminar foi obtida pela Defensoria Pública de São Paulo em 27 de outubro deste ano.

    Na decisão liminar, o Juiz Luiz Guilherme Angeli Feichtenberger, da 5ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central da Capital, considerou a necessidade de atendimento emergencial das famílias para determinar que a prefeitura providencie, em até 30 dias, o pagamento do auxílio-aluguel às vítimas do incêndio. “A demora no atendimento às pessoas que perderam suas casas e se encontram abandonadas manifesta o risco que o indeferimento da medida de urgência representa. A questão é humanitária e assim deve ser cuidada”, afirmou o magistrado. Caso a decisão não seja cumprida pela prefeitura, o valor da multa é de R$ 7.000,00 por dia, desde a data da decisão.

    A Defensoria ingressou com ação civil pública no início de outubro, depois de a Secretaria de Habitação ter informado que o atendimento habitacional definitivo às famílias começaria a sair a partir de 2017. “A concessão de um atendimento provisório imediato garantirá que as famílias desalojadas mantenham as suas actividades quotidianas básicas, como educação e trabalho, bem como que ocorra a preservação e manutenção da integridade física, saúde e higiene básicas de famílias inteiras”, afirmaram, em nota, as defensoras públicas responsáveis pela ação, Marina Peixoto e Carolina Bedicks.

    A Defensoria Pública pede, ainda, que o auxílio-aluguel seja mantido até que as famílias recebam o atendimento habitacional definitivo, que deve ser fornecido em até dois anos. “As famílias não podem aguardar por prazo indefinido o atendimento habitacional definitivo. O Município apenas informou que as atenderá a partir de 2017. Ora, essa informação não pode ser considerada como atendimento definitivo”, afirmaram as defensoras.

    Cabe recurso.

    Comentários

    Comentários

    Já que Tamo junto até aqui…

    Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

    Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

    Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

    Ajude

    mais lidas