Mães de jovens vítimas de chacinas em Mogi fazem protesto por Justiça

03/05/16 por Kaique Dalapola

Compartilhe este conteúdo:

Cerca de 200 pessoas se reuniram no Centro de Mogi das Cruzes para pedir punições a autores de chacinas; acusados de participação em ataques, dois policiais estão presos; mães de vítimas acreditam que o número de PMs envolvidos é maior

20160430-AtoMoji-Kaique-2

Fotos das vítimas das chacinas ocorridas em Mogi em 2014 e 2015. Foto: Kaique Dalapola

“Nós só queremos justiça. Que todos os culpados paguem pelas mortes de tantos inocentes”. As palavras são de Ivani Lira Santos, de 42 anos, mãe de Breno Santos Vale, assassinado a tiros em 24/1/2015, no bairro de Jundiapeba, em Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo, aos 14 anos de idade. Da indignação e sede de justiça de Ivani compartilharam cerca de 200 pessoas, entre mães, familiares e amigos de vítimas de chacinas, que se reuniram em ato realizado no Largo do Rosário, no centro do município de Mogi, no último sábado (30/04).

20160430-AtoMoji-Kaique-1

Um dos cartazes erguidos durante o ato. Foto: Kaique Dalapola

De acordo com levantamento das Mães Mogianas, movimento independente de mães das vítimas de chacinas que ocorreram na região entre 21 de novembro de 2014 e 8 de junho de 2015, 21 jovens foram assassinados a tiros e 12 ficaram feridos, somente na cidade. “Há fortes indícios e provas da participação de policiais militares que, organizados em grupos de extermínio, agem de forma brutal e preconceituosa, assassinando a juventude pobre e negra nas periferias”, segundo o movimento.

“Todas essas vidas não foram tiradas por apenas dois PMs”

Somente os policiais Fernando Cardoso Prado de Oliveira e Vanderlei Messias Barros encontram-se presos por envolvimento nas chacinas, mas as mães acreditam que há mais PMs envolvidos em ataques no município. “Queremos que mais pessoas sejam presas, porque temos certeza de que todas essas vidas não foram tiradas por apenas dois PMs”, cobra Regina Aparecida Simão, 50, mãe de Rafael Simão, assassinado aos 21 anos, em 26 de abril de 2014, no Jardim Camila.

“Dois policiais foram presos, mas nenhum responde pelo assassinato do meu filho”, lamenta Silvana Aparecida Mello, de 45 anos. Seu filho, Luiz Fernando Mello, tinha 18 anos em 21 de novembro de 2014, quando foi alvejado no bairro de Vila Natal, em chacina que matou quatro e deixou um ferido. “Quero mais desempenho. Estamos caminhando, mas por enquanto não temos nenhuma resposta concreta da Justiça. Indiciaram dois PMs, mas não tem nenhuma resposta técnica de quem matou quem em todas chacinas. Só quero respostas”, completa Lucimara dos Santos, mãe de Christian Silveira Filho, assassinado aos 17 anos, em 24 de janeiro de 2015.

 Outro lado

Indagada pela reportagem sobre por quais homicídios respondem os dois PMs presos, se há mais pessoas sendo investigadas e se há relação entre as chacinas, a SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública de São Paulo), que tem à frente Alexandre de Moraes, nesta quarta gestão do governador Geraldo Alckmin (PSDB), informou, por telefone, que ainda está apurando os crimes e se existe ligação entre os casos.

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: