Médicos criticam pedido de Doria para internar usuários de drogas à força

Conselho Regional de Medicina afirma que ação é um ‘absurdo ético e clínico’

Assistentes sociais socorrem usuário de drogas na Cracolândia durante violenta operação policial no domingo (21/5). | Foto: Daniel Arroyo/Ponte jornalismo

A gestão João Doria (PSDB) pediu ontem (24/5) à Justiça a autorização para proceder a internação compulsória, ou seja, à força, de dependentes químicos que vivem na região conhecida como cracolândia, na Luz, no centro da cidade de São Paulo.

Havia a expectativa de que a decisão pudesse sair ainda ontem. O Tribunal de Justiça, no entanto, informou que, após ter recebido o pedido da prefeitura, encaminhou-o para análise do Ministério Público. Somente após o parecer da Promotoria é que o Judiciário vai tomar uma decisão.

A reportagem encaminhou à Prefeitura uma série de questionamentos em relação ao pedido judicial para internação, como a forma como ela seria feita e que equipamentos públicos receberiam os usuários de drogas. Até o fechamento da edição, a gestão Doria não havia se pronunciado.

A Defensoria Pública, que ontem conseguiu uma liminar em parceria com o MP contra a continuidade da demolição de imóveis no perímetro da cracolândia, mostrou apreensão com a intenção do município de internar pessoas à força.

“A Defensoria vê isso com muita preocupação e estuda as medidas a serem tomadas, afinal é questão de saúde e é assim que precisa ser compreendida”, afirmou o defensor público Rafael Faber.

Principal órgão médico do Estado, o Cremesp (Conselho Regional de Medicina de São Paulo) também não vê com bons olhos a ação pretendida por Doria. O presidente do órgão, Mauro Aranha, afirmou ser um “absurdo do ponto de vista ético e clínico [a intenção de internação]”.

Aranha disse ainda que, para que uma internação seja realizada, a pessoa tem de estar sem condições de deliberar sobre si mesma, alertando que a princípio nem todas as pessoas que estão na cracolândia são psicóticos.

Demolição e interdição
A Prefeitura informou ontem que vai respeitar a decisão da Justiça que a proibiu de retirar moradores de imóveis antes de cadastro.

Foto: Daniel Arroyo/Ponte jornalismo

*Matéria originalmente publicada no Destak

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

mais lidas