Mulheres argentinas exigem punição aos acusados de estuprar e matar estudante

Marcha de mulheres pede revogação de sentença que absolveu acusados do feminicídio de Lucía Pérez; mãe de vítima se emociona: ‘o grito de cada uma de vocês é o grito da minha filha’

Manifestantes deitam no asfalto em ato simbólico contra feminicídio | Foto: Olavo Barros/Ponte Jornalismo

Quatro dias depois dos grandes protestos contra a cúpula do G20 que tomaram as ruas do microcentro de Buenos Aires, novamente, o coração da capital argentina foi palco de uma grande manifestação popular. Dessa vez, milhares de mulheres protagonizaram a 2ª Paralisação Nacional de Mulheres, decidida em assembleia popular na última segunda (3/12) e convocada por movimentos feministas, sindicais e sociais. A reivindicação principal da marcha é a revogação da absolvição dos acusados de estuprar e matar a estudante Lucía Pérez, 16 anos, em outubro de 2016.

A decisão colegiada da Justiça argentina considerou que Matías Farías, Juan Pablo Offidani e Alejandro Maciel não cometeram o abuso seguido do feminicídio e que, no máximo, poderiam ser condenados pela venda de entorpecentes. Além de um novo julgamento, as mulheres querem a destituição dos juízes Aldo Daniel Carnevale, Juan Facundo Gómez Urso e Pablo Javier Viñas, responsáveis pelo caso.

Cidades como Mar del Plata – onde vivia Lucía -, La Plata, Bahía Blanca, Resistência, San Salvador de Jujuy e outras capitais do interior da Argentina também registraram manifestações.

Coletivo Ni Una Menos convocou mulheres de toda Argentina à paralisação | Foto: Olavo Barros/Ponte Jornalismo

A marcha, que teve início por volta das 17h (horário de Buenos Aires), partiu da Praça Lavalle, em frente ao prédio da Corte Suprema de Justiça, e seguiu pacífica pelo Obelisco até chegar à Plaza de Mayo, onde fica a Casa Rosada, sede do Poder Executivo argentino. A mãe de Lucía, Marta Pérez, acompanhou a marcha na linha de frente e sob forte aplauso discursou. “O grito de cada um de vocês é o grito de Lucía. Estou verdadeiramente agradecida de receber de vocês, meninas, esse carinho da filha que eu já não tenho mais. Lucía foi mártir da Justiça, vergonhosamente. Não vamos mais permitir isso. Juntas, vamos vencer o patriarcado!”, finalizou.

Mãe de Lucía Pérez, Marta Pérez é abraçada: “vocês são as filhas que eu já não tenho” | Foto: Olavo Barros/Ponte Jornalismo

No trajeto, intervenções artísticas, cartazes, bandeiras, camisetas e um discurso milimetricamente alinhado: “Sororidade”, “[o Patriarcado] Vai cair!”, “Nenhuma menos”, “Não aparecem mortas, são assassinadas!”, “Meu corpo, minha decisão”, “Se a (in)Justiça é machista, a memória será feminista”, apenas para citar alguns das centenas de dizeres espalhados entre as presentes.

Um grupo de artistas se pendurou em sacos plásticos como se fosse pedaços de carne ou mercadorias em performance que durou mais de 2 horas. Nos dizeres, provocações como: “Não somos o banquete do seu abuso” e “as relações de poder são a base da violência”.

Mulheres fazem intervenção artística contra feminicídio: “Não somos o banquete do seu abuso” | Foto: Olavo Barros/Ponte Jornalismo

Tocando um surdo conforme a marcha avançava pela Avenida Rivadavia, a professora de tango Jenny Prieto somou-se ao protesto. “Estamos aqui para repudiar este [sentença judicial] que é um crime de misoginia. A sociedade foi construída dessa maneira, isso é ódio contra as mulheres. Temos que construir uma nova masculinidade”, argumenta.

Jenny durante a marcha na capital argentina: “Estamos aqui para repudiar essa sentença judicial” | Foto: Olavo Barros/Pone Jornalismo
Mulheres carregam dizeres feministas em suas camisetas: “Sororidade” e “Meu corpo, minhas escolhas” | Foto: Olavo Barros/Ponte Jornalismo

Segurando a bandeira do VANTIS, sigla em castelhano para Homens Antipatriarcais, Christian Armenteros corrobora esta ideia. Seguindo com um pequeno grupo de homens ao final da manifestação, o militante avalia que “a justiça encobre os homens. Se existem feminicídios é porque nós, homens, matamos. Estarmos aqui é uma forma de discutirmos e nos expormos”, explica Armenteros.

No final da marcha, um grupo de homens apoia o protesto e forma o bloco antipatriarcal | Foto: Olavo Barros/Ponte Jornalismo
Garota veste camiseta com os seguintes dizeres: “Minha mãe me disse que vai cair o patriarcado” | Foto: Olavo Barros/Ponte Jornalismo

Comentários

Comentários

Colabore com a Ponte!

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

Catarse

feito por F E R A