‘Não comprem de racistas’: o protesto negro no Pastel da Maria, em SP

14/11/19 por Paloma Vasconcelos

Compartilhe este conteúdo:

Movimentos negros protestaram em frente ao restaurante Pastel da Maria, em SP, contra caso de racismo denunciado por advogado

Grupo de movimentos negros buscava conscientizar pessoas que passavam no restaurante sobre a importância de não consumir em locais que são racistas | Foto: Paloma Vasconcelos/Ponte Jornalismo

Cerca de dez pessoas integrantes de grupos que formam movimentos negros se concentravam em frente ao Pastel da Maria, um dos restaurantes de culinária oriental mais conhecidos da Avenida Paulista, importante ponto turístico e empresarial da cidade de São Paulo, por volta das 11h desta quinta-feira (14/11). O grupo protestava contra um caso de racismo sofrido por Flavio Roberto Moura de Campos, 27 anos, advogado e ativista de movimentos negros, no local há mais de 20 dias.

Com cartazes escritos “Estruturas racistas não merecem o nosso dinheiro e nossa presença” e gritos de “não comprem de racistas”, “vidas negras importam” e “racistas”, os manifestantes buscavam conscientizar as pessoas sobre a discriminação que o Flavio revelou ter sofrido em vídeos nas redes sociais.

No dia 19 de outubro de 2019, Flavio decidiu parar com a família para comer no restaurante. Ele e a companheira iriam comer pastel, já sua tia e sua irmã decidiram comer yakissoba, um prato oriental. Os funcionários da loja disseram para eles que não havia o prato solicitado, que deveriam voltar no dia seguinte se quisessem consumir tal produto. Todos decidiram comer pastel, já que não havia o yakissoba. Mas, minutos depois, quando um casal de pessoas brancas adentrou à loja, o mesmo prato, que havia sido negada para a família negra, começou a ser preparado. Percebendo que não seria escutado pelos funcionários, Flavio começou a filmar a situação para depois prestar queixa na delegacia.

View this post on Instagram

!!!!!!!!!!!!! CASO DE RACISMO !!!!!!!!! Pensei o dia todo se valeria ou não postar esse vídeo, mas depois de muita reflexão, choro e dor resolvi não mais me calar!!! Não quero mais me calar, não aceito mais. Ontem estava com a minha família em uma das franquias do famoso Pastel da Maria que fica na Avenida Paulista, n° 1941. Quando fomos fazer o pedido rebemos um tratamento horrível por parte do senhor do caixa que sai na filmagem, além disso, de forma muito estranha e desrespeitosa as demais funcionárias riam entre si e faziam cara de deboche. Achamos que era “coisa da nossa cabeça” ou um atendimento ruim generalizado. Minha irmã e minha tia pediram um yakissoba para dividirem, quando o atendente foi até a chapa onde é preparado e voltou com a expressão debochada afirmando que não estavam mais preparando e somente teriam no dia seguinte. Assim, todos nós comemos pastel, crentes de que não havia como preparar o yakissoba, até que, antes de terminarmos de comer, CHEGOU UM CASAL DE BRANCOS, LOIROS, pediram um yakissoba e para nossa surpresa, foram prontamente atendidos e receberam o pedido, como vocês podem ver no vídeo. Nem esperaram a gente ir embora e prepararam o yakissoba na nossa frente! Na nossa frente! Tamanha humilhação!!! Olha, eu não quero nada de ninguém, conquisto minhas coisas com o suor do meu trabalho. Também sei que o dano moral por ser consumidor e por ter sofrido racismo, não ultrapassa a casa dos quatro dígitos e jamais geraria nada na minha vida. Só quero que vocês saibam que o Pastel da Maria da Avenida Paulista n° 1941 é RACISTA por ter funcionários RACISTAS e que eu me cansei de me calar diante dos olhares, palavras e maus tratos que recebo todos os dias. Eu estava com a minha família, só queríamos jantar, tínhamos dinheiro, nos comportamos bem, não ofendemos ninguém, pedimos com educação, mas, somos pretos, né! Chega de se calar!!! Não mais será silenciada ou normalizada qualquer atitude racista, por menor que seja. Não vou concentrar a dor do silêncio. #racismo #denuncia #pasteldamaria #naoaoracismo @pasteldamaria_paulistaoficial

A post shared by Flavio Roberto Moura de Campos (@flaviormcampos) on

Vídeo postado por Flavio no dia do episódio racista

“Foi negado um prato que estava previsto no cardápio sem justificativa. Disseram que, se quiséssemos comer, teríamos que voltar no dia seguinte”, discursou Flávio durante o ato. “Resolvemos comer pastel, mas vimos o casal pedir e ser atendido”, narra. O grupo denunciava o ocorrido e a importância de “não consumir em locais racistas”. Pessoas que passavam pela rua pararam para ouvir às falas e algumas pessoas que iam comprar no estabelecimento decidiram não comprar em apoio ao advogado.

Intitulada “não compre de racistas”, a manifestação cobrava respostas dos proprietários. Um dos três donos apareceu e conversou brevemente com Flavio. Negro, ele argumentou que “sentia a mesma dor” que o advogado sentia e pediu o fim do ano. O sócio da franquia que se apresentou como Ricardo informou que os funcionários foram afastados.

O advogado Flavio Campos, à dir. com microfone na mão, denuncia ato racista sofrido no restaurante Pastel da Maria, na Avenida Paulista | Foto: Paloma Vasconcelos/Ponte Jornalismo

Em entrevista à Ponte, Flavio afirma que não deixará situações como essas passarem. “Depois que eu postei o vídeo, pessoas viram que podia ter acontecido com elas e se solidarizaram. Mas até hoje não chegou nenhum pedido de desculpas para minha família, nem uma medida reparativa. Eles querem se esquivar, se livrar da responsabilidade, fingir que nada aconteceu. Mas é minha família, enquanto eu tiver força vou exigir uma mudança”, argumenta.

Para o advogado, lutar contra o racismo é lutar contra o crime. “O racismo se desdobra de muitas formas, ele se expressa por um olhar ou por um tiro nas costas de um jovem. Temos que atacar o mínimo para atacar o máximo. O racismo é crime, se somos anticrime, temos que ser antirracistas. O racismo é psicológico e físico, temos que nos defender também de todas as formas. Não vou deixar passar mais”, afirma Flavio.  

O grupo, que contava com integrantes da Educafro Brasil, permaneceu em torno de duas horas em frente ao estabelecimento em ato pacífico. A PM foi acionada e conversou com os manifestantes.

Luiz Augusto, 53 anos, integrante da Educafro, critica a atitude dos funcionários da pastelaria. “Nós não podemos achar normal, mas enxergam assim. Isso é, no mínimo, um ato de burrice do comerciante. O Flavio é um advogado que circula aqui na região da Avenida Paulista, logo ele consegue produtos daqui. De repente o dinheiro dele teve menos valor do que o dinheiro de uma pessoa branca”, diz. “Esse ato vem para gritar isso, não para o povo negro, mas para os outros povos. Estamos pedindo que não gastem dinheiro com instituições racistas”, afirma.

“Isso não pode acontecer com ninguém, não só com o negro, mas com o LGBT+, com as pessoas com deficiência, com os japoneses. Nós, negros, estamos gritando pelo que aconteceu, mas isso não pode acontecer com nenhuma pessoa humana. Essa é o posicionamento da Educafro: somos contra qualquer tipo de discriminação”, completa Luiz Augusto.

A PM foi chamada, mas o ato permaneceu pacífico até o fim | Foto: Paloma Vasconcelos/Ponte Jornalismo

O office boy Marcos Rodrigues de Oliveira, 32 anos, argumenta sobre a importância de não se silenciar em casos de racismo. “Eu vinha direto aqui, depois que eu vi o vídeo dele contando o que aconteceu eu achei inadmissível. A cultura do Brasil é negra. Em pleno século 21 não tem que acontecer mais isso. É importante fazermos atos de protestos para que as pessoas se conscientizem. Eu já não venho mais aqui, isso é inadmissível. Como ele sofreu aqui e eu também posso sofrer, pois sou negro, já sofri em vários lugares”, crava.

Alexandre Roberto de Oliveira, 46 anos, trabalha como porteiro na região. Ele estava passando pelo estabelecimento e decidiu parar para assistir as falas. “Cada dia que passa nós vemos mais o racismo. Estamos em um país em que 54% da população é negra. Eu trabalho como porteiro e acham que eu só sirvo para abrir e fechar a porta. Estou na hora do almoço, mas passei aqui e tive que parar. Poderia ter sido comigo. Eu dou nota dez para essa atitude dele, que tenhamos mais atos como esse para mudar o país”, pede o porteiro.

A comerciante Renata Cavalcante, 34 anos, acredita que atos como esse são importantes para conscientizar não apenas quem está passando na rua, mas toda população negra. “É preciso denunciar para que as pessoas no mínimo sintam vergonha do que estão fazendo, para que outras pessoas que sofreram racismo e não sabem como denunciar tenham coragem para expor o que passaram, para que nós saibamos os lugares que não devemos frequentar, não porque não podemos, mas porque não queremos”, afirma.

Outro lado

O sócio que se identificou apenas como Ricardo não quis ficar com a reportagem durante o ato. Ele explicou ao advogado Flavio que só havia passado ali para pedir que o ato fosse pacífico e que estava ali para ajudá-lo. Também informou que aguardaria do outro lado da rua, em um estabelecimento, e que voltaria depois. Mas o sócio não retornou até o fim do ato.

Procurada por telefone, a unidade da Avenida Paulista, 2.001, onde Flavio sofreu o ato de racismo, informou à Ponte que só em outra unidade seria possível obter esclarecimentos. A reportagem ligou nesse novo número a procura do gerente Fabio, mas foi informada por outro funcionário que, por causa do feriado (15/11), só seria possível falar com o gerente na segunda-feira (18/11).

Ao jornal Extra, o gerente da fábrica do Pastel da Maria Marcos Matsumoto afirmou que repudia qualquer ato racista e lamentou que o cliente tenha passado pela situação. A empresa esclareceu, porém, que não gerencia a loja citada por Flavio Campos e que é apenas fornecedora do local.

“A situação é triste, mas não temos responsabilidade direta em relação à atitude desses funcionários. Temos sido atacados, quando na verdade a trajetória da nossa empresa é marcada pelo apoia à causas sociais. Estamos em contato com o dono do estabelecimento para que ele tome uma atitude”, ressalta Marcos ao Extra.

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: