Número de mulheres na Cracolândia dobra em um ano, revela pesquisa do governo de SP

Pesquisa realizada pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (SEDS) aponta que 44% dos dependentes químicos referiram realmente querer parar o uso de drogas. Baixe documento com dados completos do levantamento

Caramante
Área no centro de São Paulo conhecida como Cracolândia – Imagem: Reprodução

O governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (SEDS) da gestão de Geraldo Alckmin (PSDB), divulgou o primeiro levantamento do perfil de usuários de drogas da Cracolândia.

A pesquisa realizada em consultoria com o Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas (PNUD), mostrou que o percentual de mulheres que frequentam a região dobrou, de 16,8% em 2016 (119 mulheres), para 34,5% em 2017 (642 mulheres).

A pesquisa entrevistou 139 pessoas nos períodos comparativos entre abril e maio de 2016 e abril e maio de 2017. Destes, 44,21% (homens e mulheres) referiram que conflitos familiares, como perdas, divórcios, violência e abandono, os levaram para a região da Cracolândia.

Na pesquisa, 44% referiram realmente querer parar o uso de drogas. Análises de estatísticas mostraram que o fator mais associado com a motivação de interromper o uso é ter histórico de outros tratamentos.

O levantamento constatou uma média de 1.861 pessoas frequentes no fluxo, com um aumento de 160% em relação a 2016, quando a primeira contagem foi realizada, utilizando a mesma metodologia que estimou uma população de 709 pessoas.

Além disso, 14,3% das mulheres estavam grávidas no momento da entrevista. Mais da metade das mulheres que já engravidaram nunca quiseram fazer pré-natal. Em gestações anteriores, as mulheres referiram diversos problemas, como filhos abaixo do peso (100%), filhos prematuros (67%), abortos (21%), natimortos (21%) e UTI (21%).

O estudo ainda revelou que 44,1% das mulheres sofreram algum tipo de abuso físico/sexual na infância; 70,6% referiram já ter sofrido violência física na Cracolândia; e 40% fizeram uso de drogas injetáveis.

Hotel parcialmente demolido na Cracolândia tem história e foi tema de documentário

MP entra com ação contra projeto urbanístico de Doria na Cracolândia

Nova secretária de Direitos Humanos da gestão Doria elogiou ação da PM em Pinheirinho

Como critérios de exclusão, não foram ouvidos os indivíduos usando crack no momento da abordagem; sob o pico do efeito do crack; desacordados ou apresentando comportamentos agressivos. As entrevistas com os dependentes químicos ocorreram em perímetros previamente delimitados nas ruas Dino Bueno, Helvetia e Praça Largo Coração de Jesus.

Foto: Daniel Arroyo/Ponte jornalismo

O levantamento do perfil dos usuários de drogas da Cracolândia revelou que grande parte dos entrevistados não possuem ensino médio completo, porém a proporção de usuários com ensino superior aumentou entre 2016 e 2017. A pesquisa também mostrou que nem todos os frequentadores da Cracolândia são usuários de crack, com 15% de alcoolistas e 13% que referiram não usar nenhuma das substâncias.

Após 10 internações e tratamentos violentos, enfermeira larga o crack com terapia

TJ extingue processo em que Doria pedia para internar à força usuários de crack

Operação Barbárie – Videorreportagem sobre a Cracolândia

Entre os dependentes químicos da região, mais da metade (66,4%) nunca estiveram em situação de rua antes de usar drogas; 74% estavam em suas casas ou de familiares antes de ir para a Cracolândia; 42% referiram não ter com quem contar em situação de emergência e, dos que possuem, 57,6% referem só poder contar com a própria família.

O estudo utilizou o método Tempo-Localização para entrevistar uma amostra representativa de frequentadores da Cracolândia, obtendo uma amostra de 139 usuários, a maior já obtida com essa população.

A pesquisa completa sobre a Cracolândia está aqui: Cracolândia

Foto: Daniel Arroyo/Ponte jornalismo

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

mais lidas