‘Nunca vi tanta travesti junta produzindo arte’, diz Bixarte sobre projeto ‘A Nova Era’

29/06/21 por Elisa Almeida

Compartilhe este conteúdo:

Décimo episódio de Da Ponte pra Cá celebrou a diversidade e convidou as travestis paraibanas Bixarte, a estilista e dj Dorot Ruane e a multiartista Hiura Fernandes para falar sobre representatividade, arte e novo álbum

Dorot Ruane, Hiura Fernandes e Bianca Manicongo, mais conhecida por Bixarte, construíram um projeto artístico sobre suas vivências como pessoas negras e travestis na Paraíba. A Nova Era chegou para falar sobre os corpos invisibilizados, celebrar a diversidade e transformar as narrativas pelas quais pessoas trans e travestis são colocadas diariamente. Para falar sobre a produção cultural, o Da Ponte pra Cá da última quinta-feira (24/6) recebeu as três artistas para uma conversa com a repórter da Ponte, Beatriz Drague Ramos. O décimo episódio da série de lives está disponível na íntegra no canal do Youtube da Ponte.

Rapper, poetisa e compositora, Bixarte faz da música sua resistência e se tornou uma das maiores cantoras paraibanas atualmente. Aos 18 anos, lançou o álbum Revolução, e aos 19, Faces, também em versão remixada. Durante a pandemia, a cantora continuou seu trabalho com o apoio da Lei Aldir Blanc de incentivo à cultura. A Nova Era foi dividida em quatro partes, das quais três músicas com videoclipes já foram lançadas: “Oxum”, “Travesti no comando da nação” e “Àrólé”.

O mais novo álbum é resultado de uma produção de diversos artistas LGBTQIA+ em que Bixarte fala sobre autoconhecimento, afetividade, espiritualidade e reparação histórica às travestis. A maquiadora, estilista e dj Dorot Ruane assina a direção criativa do projeto, além da produção musical de “Travesti no comando da nação”. Já a multiartista visual Hiura Fernandes, ganhadora do Prêmio Amelinha Theorga de Fotografia 2020 da Secretaria Estadual de Cultura da Paraíba, dirigiu os videoclipes.

“A gente está fazendo um trabalho extremamente diversificador e fortificador. Nunca vi um trabalho desse em João Pessoa, nunca vi tanta travesti junta produzindo arte e não romantizando a precariedade, e sim querendo acabar com a precariedade sobre nossos corpos”, pontua Bixarte sobre a importância do novo álbum na carreira dela.

Leia também: Eloá Rodrigues: travesti, preta e Miss Beleza T Brasil

Ela ressalta que essa diversidade na produção cultural tem que ser naturalizada cada vez mais. “A gente acredita na potência que nós somos. O recado que eu deixo é que todos se acostumem”, afirma a cantora. Hiura conta que fazer A Nova Era foi um marco na sua vida pessoal e um desafio profissional como diretora: “estamos tomando o que sempre nos foi negado. Então, agora, não mais falaram por nós. Vamos falar por nós mesmas”. Cada detalhe do álbum foi pensado para marcar o que é ser uma pessoa trans e travesti, explicou Dorot Ruane, além de exigir respeito também.

Fé, arte e diversidade

A repórter da Ponte destaca, durante a conversa, as reverências aos orixás nas músicas e nos videoclipes de Bixarte. Para a cantora, a presença das religiões de matriz africana na vida dela sempre esteve ligada também com questões raciais e de falta de identidade. Ela propõe no trabalho, fazendo referência aos terreiros e às divindades, criar uma conexão da sua vivência como travesti negra e sua ancestralidade e crença.

“O próprio candomblé e a própria umbanda classista embranquecem os nossos orixás. Eles trazem Oxum uma mulher branca, eles trazem Oxóssi um homem hétero, cis, forte e retinto. Mas nós estamos na Paraíba, estamos no Brasil”, explica Bixarte. “A colonização é comercial hoje em dia e, por ser assim, os corpos pretos não retintos também passam por um racismo que é violento e que fazem os nossos corpos desistirem de ir a um terreiro e desistirem de sonhar e cultuar a nossa ancestralidade”, prossegue.

Trazer novas perspectivas, segundo a artista, permite que mais pessoas se identifiquem com a espiritualidade, como forma de respeitar a si mesmas e ao sagrado. Nesse sentido, a proposta da cantora é ressignificar as divindades e denunciar o racismo, mesmo com receio da repercussão por abordar as questões religiosas.

“Eu não tenho nada a perder. A minha conexão com o sagrado e com as minhas irmãs ninguém consegue destruir pois é uma relação ancestral. Meu trabalho é um trabalho político. A nossa arte é de sentimento, reconexão e que me assegura e me mostra que eu estou no caminho certo, mesmo com os dias sendo muito difíceis”, afirma Bixarte. Ela destaca que, apesar da discriminação com os corpos travestis, a sociedade tem avançado em algumas questões. A presença de três travestis em uma live para falar de arte e não de violência é um exemplo desta mudança para a cantora.

Leia também: O legado de Anyky Lima, ativista travesti: ‘eles me querem morta, mas esqueceram que eu sou uma semente’

Assim como na religião, há outros espaços em que as travestis não se enxergam nos ambientes por estes se apresentarem hétero-cis-normativos, e a moda é um deles, segundo Dorot Ruane. A estilista é mother da Casa da Baixa Costura na Paraíba, responsável por um espaço de acolhimento para artistas LGBTQIA+ e de toda criação feita por estas pessoas.

“Chamo de baixa costura como crítica social à alta moda. É quase impossível ter acesso, você como pessoa não branca e brasileira, pois é algo totalmente eurocêntrico e está longe da gente. Nós como travestis temos que desconstruir a ideia do que é uma moda, do que é uma coisa cultural”, ressalta Dorot sobre o trabalho da Casa da Baixa Costura.

A estilista conta que esse movimento é inspirado na cultura ballroom, que surgiu nos anos 80 em Nova York (EUA), através de uma iniciativa da comunidade negra e latina LGBTQIA+ de se encontrar em bailes como espaços de politização, troca de afeto e acolhimento a diversidade de gênero e raça. Dorot conta que seu projeto nasceu em 2016 tornando-se a primeira casa ballroom na Paraíba que segue uma lógica travestigenere.

Senhoras travestis

No bate-papo, a multiartista Hiura Fernandes pontuou que parte da sociedade ainda não reconhece as travestis como uma identidade de gênero e carregam preconceitos. Para ela, é importante as pessoas saberem diferenciar pessoas transexuais e pessoas travestis, sem que haja receio de referir às travestis. “Dentro do imaginário brasileiro, da construção que a gente fez com a palavra travesti e com a palavra trans, existe uma diferença total. Qual o medo de falar travesti?”, questiona Hiura.

“Travesti é uma identidade brasileira, latino-americana, que existe muito antes do LGBTQIA+. Travesti existe desde sempre. Qual o medo de falar a palavra travesti? Porque travesti é a pobre, é a preta. A trans ela é a branca que passou no crivo da ‘mulheridade’, sabe?”, prossegue a artista. Ao lembrar de Xica Manicongo, travesti africana escravizada que vivia em Salvador e foi morta pela Santa Inquisição, Hiura diz que é importante afirmar que travestis também são mulheres, estão nessa luta de reconhecimento do gênero feminino e devem ser tratadas como senhoras travestis.

Leia também: Madalena e o Zepelim

Bixarte também recorda que as travestis foram as primeiras a irem à luta pelos direitos. Os preconceitos são reproduzidos até mesmo dentro da própria comunidade LGBT, segundo a cantora, quando a palavra travesti é ligada à prostituição e não a uma identidade. “A questão com a palavra travesti é o racismo, porque a gente estereotipou o corpo travesti. A travesti é a barraqueira, é a que rouba, e é um corpo que não é branco. É importante pautarmos isso para entender que existe uma intersecção e é o racismo em nossas vidas. Se você pegar qualquer relatório da Antra [Associação Nacional de Travestis e Transexuais], você vai ver que existe uma discrepância enorme em ser uma travesti e ser uma mulher trans de classe média e vista no mundo como branca”, afirma Hiura sobre a aceitação e a resistência de travestis exercendo as mulheridades como elas são fisicamente, sem entrar em padrões femininos impostos pela sociedade.

Para Dorot, a saúde de pessoas travestis e a hormonização é uma questão que precisa ser tratada com atenção e respeito, principalmente quando travestis procuram consulta médica. “Onde travesti pisa, o solo é sagrado. A gente não quer ser homem ou mulher, essa dualidade binária é violenta para o meu corpo”, relata a estilista.

Bixarte adianta que, em um dos seus próximos trabalhos, ela fala sobre a população travesti não ser visibilizada em nenhum espectro político no Brasil. “Nem esquerda, nem na direita, [a medicina] fala sobre o meu corpo. Não é só sobre questão hormonal, mas principalmente em consultas diárias que somos destratadas. Isso faz com que muitas das nossas morram por diversos fatores, dentro de casa”, relata a cantora.

As três artistas enfatizam a relevância de abordar as diversas perspectivas da vida de travestis e não somente os casos de violência que ocorrem, e agradeceram o espaço dado pela Ponte. Denunciar a transfobia é um dos caminhos para mudar esta realidade, mas não o único. Nessa lógica, Bixarte acredita que é preciso “hackear” a mídia, ou seja, transformar esses espaços para que toda a diversidade e a produção cultural travesti também seja conhecida, para além do mês do Orgulho LGBT.

Ela conta que já se negou a dar entrevista a alguns portais de notícias quando sofreu violência, pois os mesmo veículos não deram visibilidade ao trabalho artístico da cantora. “Se quiserem falar sobre Bixarte, vão falar sobre A Nova Era e sobre a Casa da Baixa Costura e do trabalho que venho fazendo na Paraíba e não sobre minha dor”, esclareceu.

Apoie a Ponte!

A cantora viu que as redes sociais seriam um espaço pelo qual ela poderia explorar, contar suas próprias narrativas e divulgar o trabalho dela como artista independente. Mesmo sem o apoio da grande mídia, ela conta que tem conseguido ótimos retornos com os videoclipes de A Nova Era. “Vamos hackear muito mais, mas até o fim do ano temos uma sequência de lançamentos. Fomos aprovadas no edital da Casa Natura Musical e vamos fazer um álbum patrocinado”, celebra Bixarte. Hiura comenta que a estratégia de trazer as travestis negras para a cena audiovisual e toda a produção cultural é uma forma de provar que elas podem ocupar qualquer espaço. No fim da conversa, Dorot reforça que é preciso dar mais oportunidade de trabalho às travestis, além de reconhecer toda a criação artística já feita.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>