Artigo | O antipunitivismo em ‘Homem-Aranha: Sem Volta para Casa’

Novo filme do Homem Aranha contém debates que raras vezes tem espaço em histórias de super-heróis

Tom Holland em Homem Aranha: Sem Volta Para Casa
Tom Holland em Homem Aranha: Sem Volta Para Casa (Reprodução)

Aviso: este artigo contem spoilers.

Confesso que as expectativas eram baixíssimas desde o anúncio de lançamento do filme. Tudo isso pelos meus sérios problemas com a construção o Homem Aranha de Tom Holland.

(Aliás, nada contra o ator, porque amei inclusive seu trabalho em “O Diabo de Cada Dia”. Mas sempre concordei com parte da crítica que diz que esse Peter não tinha o ar do jovem do bairro Queens que ralou muito para ser independente e construir a identidade do amigo da vizinhança.)

Pois bem, aconteceu a maior quebra de expectativas ou o maior tapa na cara que eu poderia ter levado. Fomos apresentados a quase que um filme de origem do Peter Parker na pele de Tom, mas o texto não é sobre isso.

E, apesar da fixação pessoal em filmes de heróis, nunca me faltou o ar de crítica em entender a sanha por punição, prisão e vingança sendo combustível das grandes franquias de heróis – inclusive a perfeita contradição de quem combate o crime fazendo parte do sistema que alimenta as desigualdades, como Tony Stark ou Bruce Wayne. 

Mas algo me chama atenção na construção didática de “Homem Aranha: Sem Volta para Casa” para o debate sobre o populismo midiático no que diz respeito à segurança pública. E longe de mim equiparar situações da vida real com as do do universo fantástico, mas, como diz a frase: “a vida imita a arte”.

Homem Aranha versus datenismo

A disposição da retomada do Clarim Diário na materialização da volta de J. Jonah Jameson, que dessa vez tem a internet como seu grande aliado e tem muito o que nos ensinar sobre os fenômenos datênicos e linchamento através de programas sensacionalistas. Jameson agora usa da internet em seu favor para novamente atacar a figura do Aranha, de quem sempre não gostou

Nostálgica, com certeza, me peguei pensando no didatismo da situação de JJ, que começa gravando de sua casa com uma câmera e rapidamente ganha holofotes e mais espaço na mídia tradicional para destilar seu sensacionalismo.

Aliás, em tempos de fake news e algoritmos do ódio, é uma sacada incrível falar sobre as oportunidades no engajamento do ódio e as aberturas para lunáticos debaterem segurança pública. A situação toda aqui perfeitamente cabe na frase de Malcolm X.

Se você não for atento e cuidadoso, os jornais o farão odiar as pessoas que estão sendo oprimidas e amar as pessoas que são opressoras.

Vale a pena uma segunda chance ou estamos preparados para debate de ressocialização?

É interessante o debate moral que Peter leva para Strange – que, quase no automático, assume para si próprio que a vida é assim, a curva natural das coisas também. Não se tem espaço para segundas chances, e isso não está distante de uma posição que vivemos no cotidiano.

É claro que o roteiro aplica a frase para uma explicação sobre alteração da ordem natural das coisas do multiverso etc., mas nada disso se difere de um debate feito enquanto sociedade sobre segundas oportunidades, bandido bom é bandido morto e a quebra de expectativa quando temos que avaliar indivíduos na posição de vilão. 

O roteiro coloca Andrew Garfield e Tobey Maguire para falarem sobre suas perdas pessoais, frutos da responsabilidade de ser o Aranha, mas também do produto da sociedade que é o criminoso, que ali não se tem paz quando se quer vingança – e é interessante a abordagem, porque o tempo todo a construção do herói não permite o erro e a fraqueza. Inclusive vale lembrar da  remessa que acompanha Watchmen e The Boys no que diz respeito “quem vigia os vigilantes” e a autorização para ser o tempo todo perfeito, porque heróis são assim “deuses imaculáveis”.

Sabemos que não é a primeira vez que um filme de franquia de quadrinhos se propõe a discutir debates morais sobre o criminoso. Em “Cavaleiro das Trevas”, um debate no mesmo tom sobre quem deve viver, “cidadãos de bem” ou “presos”, leva para a mesma trilha, de quem é responsável e moralmente acima para escolher quem merece viver mais.

O que nos traz novamente para embate de Peter e Strange e a tal ordem natural das coisas, quem está acima da justiça para definir que vilão vive ou morre e ter como meta pessoal se vingar.

Ajude a Ponte!

Esse texto não tem finalidade de entregar uma grande solução. Mas, em tempos de justiçamento como método eficaz, é interessante ver uma grande franquia dando brecha para esse tipo de discussão e claro, achar ganchos para realidade. 

Talvez, enquanto sociedade, falta sermos mais Peter Parker e pensar que a outros jeitos de minimizar a produção caótica do crime e criminoso e os tantos vilões que nos atravessam. Diminuir o tom e espaço daqueles que usam dos holofotes para vingança é um bom começo.

Andreza Delgado é produtora de conteúdo, cocriadora de PerifaConPerifaGamer e Copa das Favelas

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

mais lidas