x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

O que o Estado não faz, a tia Inês faz

18/09/20 por Jessica Santos

Compartilhe este conteúdo:

Com os cursos parados por conta da pandemia, Associação Beneficente Mão na Massa luta para terminar reforma da nova sede e seguir ajudando famílias na zona sul de São Paulo

Tia Inês com seus pupilos botando a mão na massa antes da pandemia | Foto: Instagram / Associação Mão na Massa

Entrega de marmitas, pães, kit de higiene, cesta básica, máscara, cobertores. Atendimento jurídico e psicossocial. Aulas de reforço e culinária. Serviços que o Estado deveria fornecer às pessoas que não têm acesso. Mas tudo isso quem oferece é uma mulher negra chamada Maria Inês da Silva ou tia Inês, como é conhecida. Criada por ela, a associação Beneficente Mão na Massa, na Zona Sul de São Paulo, começou pequena e sem pretensões. Três crianças da vizinhança pediram para Tia Inês, que trabalhava como cozinheira em uma creche, que as ensinasse a fazer pão. Elas ficaram tão entusiasmadas que pediram que virasse um curso semanal. Então, como as massas que produziam, o curso foi crescendo a ponto de não caber mais, já eram 20 crianças na cozinha da casa da Tia Inês.

O tempo e as necessidades fizeram o projeto criar corpo a ponto de tia Inês precisar alugar uma casa para desenvolver seu projeto. Quando a Associação nasceu, era ela quem sustentava tudo sozinha com o salário de cozinheira. “Mantenho o projeto com meu trabalho, não consigo atender todas as crianças do meu bairro”, disse em conversa com a Ponte.

Em 2019, Inês perdeu o emprego e quebrou o braço. Desde então, ela mantém o Mão na Massa com a venda seus pães e faxinas. Por conta na falta de renda fixa, ela interrompeu o curso com os adolescentes e reduziu as aulas das crianças apenas para duas vezes na semana.

Incansável, Tia Inês segue trabalhando na pandemia: fazendo refeições para alimentar famílias carentes | Foto: Instagram / Associação Mão na Massa

No início da pandemia, um grupo de voluntários chegou até a Tia Inês para fazer doação de cestas básicas. Vendo toda a dedicação e o aperto que ela passava para manter o trabalho com as crianças, esse grupo acabou ficando para ajudá-la.

Por conta de problemas com o locatário do espaço, foi preciso encontrar um novo lar para o projeto que, com a suspensão das aulas para as crianças por conta da pandemia, passou a fazer e distribuir uma série de alimentos na forma de cestas básicas, pães e marmitas além de produtos de higiene pessoal, máscara e álcool gel, livros e brinquedos para as famílias do entorno do projeto. Como se não bastasse, o Mão na Massa ainda conta com orientação jurídica e acompanhamento psicossocial via vídeo conferência.

A reforma da nova sede segue a todo vapor, mas precisa de ajuda | Foto: Instagram / Associação Mão na Massa

O novo local está passando por reforma, conduzida pela própria tia Inês. A casa estava fechada há 10 anos e não oferece segurança suficiente para atender todas essas demandas. E para isso, Tia Inês e a Associação Mão na Massa precisam de ajuda. Precisa de materiais de construção e pedreiros para tocar a obra a tempo de se mudar até outubro. Precisa de voluntários, alimentos, dinheiro para fazer aquilo que o Estado não faz, ir onde ninguém quer ir, chegar aos invisíveis.

Clique aqui e confira a lista de material de construção que a ONG precisa

Para ajudar, basta entrar em contato com a tia Inês pelos telefones  (11) 94169-1869 / (11) 98172-2659 ou por email ou ainda pelo Facebook e Instagram.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>