x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Pela primeira vez, jornalista trans integra bancada do Roda Viva

01/02/21 por Carlos Minuano

Compartilhe este conteúdo:

Caê Vasconcelos repórter da Ponte, entrevista a vereadora travesti Erika Hilton (PSOL-SP). Programa vai ao ar nesta segunda-feira (1/2) a partir de 22h: “muitas pessoas perderam a vida para estarmos onde estamos”

A vereadora Erika Hilton (PSOL-SP) e o repórter da Ponte Caê Vasconcelos | Foto: Reprodução

Primeiro jornalista trans na bancada do Roda Viva (TV Cultura), o repórter da Ponte, Caê Vasconcelos, participa nesta segunda-feira (1/2) de uma edição histórica do programa, que vai ao ar ao vivo a partir das 22h. No centro da sabatina, a travesti, preta e periférica, Erika Hilton (PSOL), a vereadora mais votada do país em 2020. Eleita com mais de 50 mil votos, ela é a primeira mulher trans a ocupar cadeira na Câmara Municipal de São Paulo.

“A expectativa está gigante”, admite o jornalista Caê Vasconcelos. “É uma responsabilidade imensa”. E ressalta a importância simbólica de sua participação. “Quero que outros jornalistas trans tenham essa oportunidade.”

O jornalista observa que o Brasil está muito longe do ideal, não apenas na questão da inserção no mercado de trabalho. O básico, segundo ele, por aqui, ainda são desafios enormes. “Temos dificuldade para usar o banheiro, para obter o nome social e para sobreviver.”

Leia também: Em seis dias, ataques atingem três travestis eleitas em SP

Além dele e da Erika, a escritora e mulher trans, Helena Vieira, fará parte do time de entrevistadores do programa. Certamente uma das bancadas mais diversas e plurais da história do Roda Viva.  

Duas pessoas negras também estarão sabatinando a vereadora trans: Vitória Régia da Silva, repórter da revista digital Gênero e Número, que é bissexual, e Thiago Amparo, professor de Direito da FGV-SP, negro e gay. Completa a bancada, a repórter do jornal Folha de S. Paulo, Angela Boldrini. “Não tem um homem hetero cis branco”, observa o repórter da Ponte.

“Pode-se dizer que esta é uma das bancadas mais plurais na história do programa”, comentou a TV Cultura, por meio de sua assessoria de imprensa. A emissora afirmou também que o Roda Viva já há algum tempo tem procurado ser o mais plural possível. “Uma rápida observação nos últimos doze meses vai mostrar que estamos empenhados em ampliar o espaço para que todos os setores da população estejam representados, tanto como entrevistado como na bancada de entrevistadores.” 

Transmitido pela TV Cultura desde 1986, o Roda Viva se consolidou como um dos mais longevos e respeitados programas de entrevistas do país. Sabatinando semanalmente notáveis de todas as áreas, é visto como uma espécie de painel do pensamento contemporâneo. 

Pessoas trans no poder abalam cisgeneridade branca”

O Roda Viva vai ao ar poucos dias depois do Dia da Visibilidade Trans (29/1), data que este ano foi marcada por uma escalada da violência.

Na semana passada, o relatório anual da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) apontou – mais uma vez – o Brasil como o país que mais mata pessoas trans. E em São Paulo, parlamentares trans estão sob ameaças e ataques.

Leia também: ‘Esse sonho que a gente sonhou lá atrás, a gente vê hoje’: personalidades trans comentam Dia da Visibilidade

“Muitas pessoas perderam a vida para estarmos onde estamos hoje”, reconhece Vasconcelos. A ascensão de pessoas trans ao poder abala a cisgeneridade branca, completa o jornalista.

Mas, apesar da presença das pessoas trans na política, no jornalismo, no meio artístico, acadêmico e em vários outros setores da sociedade, o repórter lamenta que a pauta do dia seja novamente a violência. “Esse convite à Erika veio porque ela sofreu ameaças.”

Vasconcelos reclama ainda de serem lembrados apenas na hora da violência. “Por que ela não foi entrevistada quando se elegeu com 50 mil votos?”. E questiona também a própria participação. “Fui convidado para entrevistar uma outra pessoa trans, mas podemos falar de outras coisas também além de gênero e da pauta LGBT.”

Pretendo fazer perguntas que outros não farão”

Sobre o que perguntará à vereadora, o jornalista topou dar um breve spoiler. “Pretendo fazer perguntas que os outros não farão”. Pela intimidade com a pauta, o plano é expandir a conversa para outros assuntos, como saúde e cultura e também sobre por que a Erika foi eleita com uma quantidade tão expressiva de votos.

“A trajetória da Erika abarca toda a vivência de uma travesti negra, tem a marginalidade, a prostituição, o abandono da família”, analisa Vasconcelos. E ela deu a volta por cima. 

Ajude a Ponte!

Por meio da educação, quando estava na universidade, entrou ainda bem jovem na militância e se tornou uma potência, que reflete a força negra trans jovem, define o jornalista da Ponte. “Aos 27 anos foi a vereadora com mais votos do país.”

Entretanto, Vasconcelos reconhece que não é possível não falar da violência. Mas pretende provocar uma reflexão que saia do lugar comum. Para ele, é importante entender o que está por trás das ameaças à Erika. “Ela está sendo ameaçada porque outras mulheres trans ou cis foram assassinadas e nada aconteceu.”

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>