x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

PM apreendeu moto de entregador e ela ‘sumiu’ do sistema do Detran: ‘Fui roubado pela polícia?’

18/07/20 por Caê Vasconcelos

Compartilhe este conteúdo:

Francisco Bruno Brito da Silva, 26 anos, foi abordado ao lado de entregador que gritou “não consigo respirar” durante ação policial em SP na terça-feira (14/7)

Francisco Bruno Brito da Silva, 26 anos, teve a moto apreendida e ela “sumiu” dos sistemas da PM e do Detran após ato por melhoria para os entregadores | Foto: Reprodução

Desde terça-feira (14/7), Francisco Bruno Brito da Silva, 26 anos, não sabe onde está a sua motocicleta. Ele foi abordado por PMs após um ato contra a precaridade do trabalho dos entregadores que trabalham para aplicativos. Na ação, Bruno teve a sua moto apreendida e Jefferson André da Silva, 23 anos, que afirma ter sido torturado pelos PMs.

Todos os dias, de lá para cá, Bruno tem ligado para a Polícia Militar e para o Detran (Departamento Estadual de Trânsito) para saber da sua motocicleta, mas o veículo “sumiu” do sistema. “Como que apreenderam a minha moto e ninguém sabe onde tá? Eu fui roubado pela polícia?”, questiona o entregador. O caso é acompanhado pela Rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio.

Há 3 anos, Bruno “sobrevive e vive” com a sua motocicleta. Trabalha de 10 a 12 horas diárias com entregas por aplicativo. “Agora, além de não poder trabalhar, ainda tá subindo o valor do pátio. Além de não ver a cor do dinheiro, ainda vou ter que pagar esse valor que só tá subindo porque a moto não aparece”, desabafa.

Leia também: Fomos punidos por greve, denuncia entregador

No dia do ato, conta Bruno, logo no começo da manifestação, “tudo estava estranho”. Os entregadores foram informados pelo Sindicato dos Motoboys de São Paulo e Região que não deviam cobrir as placa das da motocicletas. As placas são cobertas pelos entregadores para evitar multas, mas, naquele dia, foram informados que a PM estaria ali apenas para preservar a segurança do ato, não os multaria.

“Ninguém tampou as placas, já que a polícia estaria com a gente. Mas, quando a gente passou pelo primeiro semáforo, tinha uma viatura parada que começou a anotar o maior número de placas possível. Aí a galera começou a ficar brava. Já estamos a precaridade, lutando pelo nosso direito, tomar uma multa e perder a habilitação não daria certo”, explica Bruno.

“A rapaziada ficou brava e foi falar com os policiais. Chegaram outros policiais, já com spray de pimenta querendo partir para a agressão”, relata. Segundo o entregador, os advogados do sindicato foram intervir. “Do outro lado da avenida, tinha outra policial anotando as placas também e começou um outro tumulto”, completa.

Leia também: Entregador que gritou ‘não consigo respirar’ relata tortura pela PM

Nesse momento, ele desceu da sua moto e foi em direção ao tumulto. Ele acredita que foi nesse momento que um colega cobriu a sua placa, mas ele só foi perceber depois. “Enquanto as motos estavam em comboio, os policiais não fizeram nada. Mas quando estávamos sozinhos a história foi outra”, detalha o entregador.

Bruno parou com um amigo em uma oficina para ver um defeito na moto, nesse momento os outros entregadores seguiram o caminho. Quando ele saiu da oficina, no primeiro semáforo, foi abordado com Jefferson. “A polícia viu a bandeira do sindicato e mandou eu encostar, com toda a ignorância em cima de mim”, denuncia.

“Eu vi que a polícia estava empurrando o Jefferson para dentro do porta-mala e ele com a mão levantada. Os policiais falando para ele não resistir e ele respondendo que não estava resistindo. Aí eu perguntei o que estava acontecendo e ele [o PM] me xingou de tudo que é nome. Só fui conseguir falar duas horas depois. Quando eu vi minha placa, pensei ‘ferrou'”, lamenta.

Leia também: Entregador de aplicativo é sufocado por PMs: ‘Eu não consigo respirar’

O entregador conta que a polícia tentou de tudo para causar a mesma situação que aconteceu com Jefferson e, assim, o agredir. “Tiraram foto da bandeira do sindicato com a minha placa tapada. Eles ficaram falando que foi o sindicato que mandou tapar as placas”.

“A maioria dos motocas foram embora com medo de ter a moto apreendida ou tomar multa. Eles [policiais] conseguiram o que queriam, que era desmembrar o movimento”, completa.

Bruno teve a moto apreendida e Jefferson foi encaminhado para o 14º DP (Pinheiros). “Perguntei em qual DP iam levar o Jefferson e um dos PMs que ficou comigo falava que tinham prendido ele, que ele estava com ‘os ladrão'”, finaliza.

Outro lado

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública informou que “a Polícia Militar esclarece que o veículo foi apreendido administrativamente e removido ao Pátio Novo Mundo [na zona norte da cidade de SP] pelo guincho do local. Mais informações sobre a retirada da motocicleta devem ser obtidas no pátio”.

A reportagem procurou o Detran e aguarda retorno.

Reportagem atualizada às 16h50 do dia 19/7 pra inclusão da nota da SSP-SP

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>