PMs se passam por Policiais Civis para extorquir vendedor que guardava dinheiro para tratamento de saúde de bebê

Dois policiais militares e um comerciante exigiram o pagamento de R$50 mil de um homem sob a ameaça de o prenderem. O caso aconteceu em Mogi das Cruzes (SP) e os policiais foram encaminhados ao Presídio Militar Romão Gomes

Da esquerda para a direita: Phelipe Cordoni Coutinho, o PM Leonardo Tavares de Oliveira e o PM Alexandre Rodrigues Caldas | Foto: Reprodução

Nesta quinta-feira (12/8) os policiais militares Alexandre Rodrigues Caldas e Leonardo Tavares de Oliveira da 2ª Companhia do 44º Batalhão da Polícia Militar do Interior (BPM/I) e o comerciante Phelipe Cordoni Coutinho foram indiciados por passarem-se por policiais civis para extorquir um vendedor de 27 anos, que diz que guardava dinheiro para pagar o tratamento de saúde de sua irmã, uma bebê recém nascida que encontra-se internada em hospital. 

Segundo o boletim de ocorrência assinado pelo delegado Júlio Vaz Ferreira Neto do 4º DP de Mogi das Cruzes (SP), os PMs estavam utilizando uma suposta viatura descaracterizada, quando teriam abordado um homem em sua residência pela manhã, alegando que teriam um mandado de busca e apreensão para o local. Sob a promessa de não o prenderem, os supostos policiais exigiram a quantia de R$50 mil, que deveriam ser pagos em parcelas de R$10 mil por semana. 

Veículo utilizado por PMs que se passavam por policiais civis | Foto: Reprodução

Segundo o depoimento da vítima, os supostos policiais já teriam pegado a quantia de R$10.500 que estava em sua casa, e passaram a exigir o pagamento de outros R$10 mil às 18h, que deveriam ser entregues na porta de sua residência. A vítima então teria se comunicado com policiais do 4º DP durante o dia onde apresentou “prints” das conversas mantidas com um dos supostos policiais durante o momento de extorsão. 

Leia também: Aliados a falso delegado, PMs são presos após atirar em acusado de pirâmide de bitcoin

Foi então que no final do dia, o policial civil Márcio Donizeti de Carvalho e outros que estavam no apoio se dirigiram à rua da casa da vítima com viaturas descaracterizadas, aguardando a chegada dos supostos policiais. Às 18h o carro de mesmas características apontadas pela vítima estacionou de frente a sua casa e os policiais civis Álvaro Nicodemus Sanvido e Marcio realizaram abordagem do veículo dos policiais militares. 

Os PMs estavam armados e dentro do carro foram encontrados dois aparelhos de telefone celular e a quantia em dinheiro de R$11.200, bem como um distintivo com as inscrições da Polícia Civil no bolso de Phelipe. A vítima, que acompanhou a abordagem, reconheceu os três homens no veículo como sendo os mesmos que teriam o abordado pela manhã. 

Ajude a Ponte!

Procurada, a Secretaria da Segurança Pública (SSP) disse que dois policiais militares, de 26 e 47 anos, e um comerciante, de 27, foram presos por extorsão contra um vendedor de 27 anos nesta quinta-feira (12), em Mogi das Cruzes. “Agentes do Setor de Investigações Gerais (SIG) apreenderam duas armas, um distintivo falso e mais de R$ 11 mil com o trio.  O caso foi registrado como extorsão. A Corregedoria da Polícia Militar foi acionada e irá apurar administrativamente a conduta dos PMs envolvidos na ocorrência. Os policiais foram encaminhados ao Presídio Militar Romão Gomes”. A Ponte procurou a defesa dos PMs, mas nãoi teve resposta até a publicação deste texto.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

mais lidas