Policiais prendem e agridem professora. Depois, intimidam médico a não relatar lesões

4 minutos atrás

‘Fui algemada na frente dos meus alunos’, denuncia professora do Instituto Federal de Goiás, que, segundo ela, cobrava os policiais civis pelos direitos dos estudantes

Camila Marques, que leciona sociologia, aponta que policiais gritaram quando ela relatou agressão ao médico | Foto: Reprodução

A professora de Sociologia Camila Marques, 34 anos, foi presa, algemada e teve o celular apreendido por policiais civis de Goiás na manhã desta segunda-feira (15), enquanto dava aulas no campus de Águas Lindas do IFG (Instituto Federal de Goiás). Segundo ela, os policiais teriam intimidado o médico que realizou o exame de corpo de delito para não apontar agressões praticadas por eles.

Marques aplicava uma atividade aos estudantes quando soube de uma movimentação estranha de policiais no instituto. Os policiais apontavam que estavam à procura de alunos suspeitos de planejar um ataque, conforme informa a Polícia Civil goiana. “Quando eu vi a truculência deles com meus alunos decidi filmar”, conta à Ponte Jornalismo.

Os policiais tentaram impedi Camila, que também é coordenadora-geral do Sinasefe (Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica), mas ela continuou filmando. “Eles disseram que a operação era sigilosa porque se tratava de menores, mas eu não filmava os meninos, apenas os policiais”, conta. A professora relata o que viveu em vídeo publicado nas redes sociais pelo Sinasefe (veja abaixo).

Ainda na instituição, a professora foi avisada de que seria levada à delegacia como testemunha da operação. Além dela, estavam sendo conduzidos uma aluna e dois alunos. “Os três são negros e têm, além de bom histórico na escola, militância estudantil”, salienta Marques. “Eu pedi para que chamassem os pais, apoio do IFG e Conselho Tutelar, mas eles disseram que iam levar primeiro à delegacia”, explica a professora.

“Quando o policial me mandou entrar em uma viatura descaracterizada, pedi para consultar um advogado. Peguei o celular para ligar e eles o tomaram violentamente e me algemaram na frente dos meus alunos, na escola que dou aulas”, diz. “Ele foi tão agressivo que machucou minha mão ao tomar o celular. Enquanto eu questionava, eles mandavam eu calar a boca o tempo todo”, dizia.

Algemada, a professora insistiu que queria falar com um advogado. “Na delegacia não me deixavam fazer ligações e repetiam que eu não mandava lá”, lembra. Segundo a professora, enquanto era atendida por um médico, os policiais influenciavam o tempo todo no diagnóstico. “Chegaram a gritar comigo lá dentro quando falei que tinha sido agredida”, conta.

Em nota enviada à imprensa, a Polícia Civil de Goiás informa que a professora foi encaminhada à Delegacia de Polícia de Águas Lindas por “cometer o crime de desobediência”.

“Na delegacia, foi autuada mediante TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência) e liberada em seguida. A autuação foi feita após ela ter filmado a abordagem dos policiais na escola, quando os investigadores apuravam uma denúncia, a pedido do próprio diretor, de que adolescentes planejavam um ataque nos moldes do ocorrido em Suzano (SP)”, sustenta a corporação.

A professora, no entanto, considera a acusação “estranha”. “Acusam três alunos negros, de periferia, que participam de movimento estudantil. Isso é muito estranho”, pontua.

Ainda segundo a nota da Polícia Civil, “a professora foi advertida por três vezes pelos policiais civis para que não filmasse a abordagem, uma vez que os adolescentes têm proteção à sua imagem, conforme o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), ordem que ela desobedeceu”, diz a polícia.

Nada que incriminasse os estudantes foi encontrado pelos policiais em relação à denúncia de um possível ataque. O delegado Danilo Victor Nunes Souza nega que a professora tenha sido agredida por policiais civis.

Ainda conforme nota da Polícia Civil, foi feito relatório médico e raio-x, que não constataram nenhuma lesão a ela. O médico que atendeu a professora, no entanto, lhe receitou um Flancox, remédio para dores musculares, conforme receita obtida pela Ponte. Quando saíram do hospital, segundo a professora, um dos policiais confiscou a receita. “Ele disse que só devolveria ao meu advogado”, explica.

Procurada pela Ponte Jornalismo, a assessoria de imprensa da Polícia Civil informou que “nesses casos é feito relatório médico, não ‘receita'”, argumenta.

Comentários

Comentários

Colabore com a Ponte!

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar

Catarse

feito por F E R A