Policial ‘atirou para todos os lados’ em bloco de pré-Carnaval de SP, segundo testemunhas

17/02/20 por Paloma Vasconcelos

Compartilhe este conteúdo:

Cinco foram baleados quando policial civil reagiu a um assalto durante o desfile de um bloco de rua na zona sul da capital paulista

Fachada do 27º DP (Campo Belo), onde caso foi registrado | Foto: Paloma Vasconcelos/Ponte Jornalismo

Um policial civil reagiu a um assalto durante a passagem de um bloco de pré-Carnaval e baleou cinco pessoas na tarde deste domingo (16/2), segundo testemunhas, na avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini, próximo ao número 900, no Brooklin, zona sul da cidade de São Paulo. Dois homens estão presos suspeitos de terem cometido o roubo.

Por volta das 17h30, o bloco Chá de Alice tinha acabado de passar pelo local e o bloco Só Track Boa, que toca músicas pop, rock e eletrônica, estava começando seu desfile. Segundo a Secretaria da Segurança Pública, um grupo de seis pessoas agrediu e tentou roubar um policial civil, que reagiu à abordagem. Duas mulheres e três homens foram baleados e socorridos em hospitais da região.

Segundo informações da TV Globo, Jonathan Rangel Teixeira Pereira, 19 anos, foi um dos baleados e recebeu alta ainda no domingo. Ele foi preso por resistência e lesão corporal. Além dele, há um segundo ferido que segue internado na Santa Casa de Santo Amaro. Ainda, de acordo com a emissora, há uma terceira pessoa, uma mulher, que foi levada para o Hospital das Clínicas e está fora de perigo.

Testemunhas ouvidas pela Ponte afirmam que os únicos disparos realizados partiram do policial, que “saiu atirando para todos os lados” em meio à multidão que curtia a festa. Um jovem foi detido no local e levado ao 27º DP (Campo Belo), onde foi autuado. O caso foi registrado como lesão corporal e resistência.

Leia mais:

‘Não tenho cerimônia de quebrar cara de mulher’, ameaça PM

Artigo | PM mineira vê censura, mas é cega para violência contra mulheres no carnaval

PM usa balas de borracha contra blocos no Carnaval do Espírito Santo

A reportagem perguntou à Inpress, empresa responsável pela assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública do governo João Doria (PSDB), se a atitude do policial estaria dentro nas normas da corporação.

Em nota, a pasta não comentou sobre a avaliação da ação do policial e informou que a Corregedoria da Polícia Civil acompanha a investigação que está sendo feita pelo 96º DP (Berrini).

Reportagem atualizada às 13h21 do dia 17/2 para inclusão de nota da SSP-SP

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: