Policial confessa à PM participação na morte de cabo em Guarulhos (SP)

21/01/20 por Arthur Stabile e Josmar Jozino

Compartilhe este conteúdo:

Nagmar Pinheiro Pereira é companheira de Neilo Rego Lione, encontrado carbonizado no dia 18 de janeiro; Corregedoria pede prisão preventiva

Corpo do cabo Lione foi encontrado em carro queimado no Cabuçu, bairro de Guarulhos (SP) | Foto: Google Street View/Reprodução

A cabo Nagmar Pinheiro Pereira confessou para a Polícia Militar de São Paulo ter matado o marido, Neilo Rego Lione, também cabo da corporação. Outra policial feminina, identificada como Katia Regina Pereira, ajudou a amiga a se livrar do corpo da vítima. A Corregedoria da instituição pediu na noite desta terça-feira (21/1) a prisão preventiva das duas.

Lione foi encontrado carbonizado dentro do carro de sua esposa na manhã do último sábado (18/1) dentro de um veículo modelo Honda Fit, localizado na Estrada Morro do Sabão, altura do número 2.000, no bairro Cabuçu, em Guarulhos, na Grande São Paulo.

Segundo a Corregedoria da PM, o crime teve motivação passional porque Nagmar descobriu que o marido a traia com uma mulher mais jovem. Nagmar, Lione e Kátia são cabos e os três eram lotados no 5º BPM/M (Batalhão de Polícia Militar Metropolitano).

A área de atuação é do 15º BPM/M, que faz policiamento exclusivamente na cidade de Guarulhos, enquanto o 5º BPM/M é responsável pela cobertura de bairros na zona norte da cidade de São Paulo.

Perícia feita no local identificou uma capsula deflagrada, mas o calibre da munição não foi divulgado. No dia do crime, a cabo Nagmar reconheceu o corpo encontrado no veículo como sendo de Neilo. O Honda Fit está registrado no nome da policial militar.

O caso, inicialmente apurado pelo SHPP (Setor de Homicídios e Proteção à Pessoa) de Guarulhos, entrou em segredo de Justiça.

A Corregedoria da PM pediu na noite desta terça-feira a prisão preventiva das duas cabos. O policial Neilo é irmão da vereadora Genice Lione, também policial militar e presidente da Câmara Municipal da cidade de Suzano, localizada na Grande São Paulo.

A Ponte questionou a SSP (Secretaria da Segurança Pública) de São Paulo, comandada pelo general João Camilo Pires de Campos neste governo de João Doria (PSDB), sobre o fato de Nagmar ter confessado o crime e o envolvimento de uma outra PM na ação e aguarda posicionamento.

Reportagem atualizada às 19h18 para incluir a entrada do caso em segredo de Justiça. Nova atualização às 20h13 para incluir pedido de prisão preventiva.

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: