x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

PonteCast | ‘Antes de ser antifascista, tem que ser antirracista. Ou nada vai mudar’

13/06/20 por Ponte Jornalismo

Compartilhe este conteúdo:

No episódio 70, Débora Silva, fundadora das Mães de Maio, solta o verbo sobre violência policial, protestos e cenário político atual

Em maio de 2006, Débora Maria da Silva nem imaginava, mas sua vida mudaria completamente e passaria a ser marcada por dor e saudade — e também muita luta e transformação. O filho dela, Edson Rogério Silva dos Santos, foi uma das mais de 500 vítimas da reação das forças de segurança do Estado aos ataques do PCC (Primeiro Comando da Capital). Pelo menos 59 policiais morreram.

Leia também: O Estado no banco dos réus: MP pede indenização a 564 vítimas dos Crimes de Maio

Débora, junto de outras mães que também perderam seus filhos no episódio que ficou conhecido como “Crimes de Maio“, fundou o Movimento Mães de Maio e, desde então, tem lutado incansavelmente por justiça, memória e, sobretudo, pelo combate à violência policial.

“A gente costuma dizer que não existe uma banda podre [na segurança pública], a gente fala que tem uma banda e meia, porque quem não pratica, omite”, critica. “Os governantes dão carta branca para que a violência policial ocorra e continue. O que a gente tem não é segurança, é insegurança pública”.

A repórter e editora Maria Teresa Cruz conduz a conversa com Débora no PonteCast. “O Brasil não fez a reparação histórica da escravidão. Os navios negreiros foram atualizados e são os presídios. Nossa luta é, antes de tudo, antirracista. Porque o racismo é o ponto central de toda essa discussão”, avalia.

Por causa da pandemia, muitas das atividades de sustento das mães ficaram prejudicadas. Por isso, o movimento fez uma campanha de arrecadação. Débora agradece e diz que qualquer ajuda é bem-vinda. As doações podem feita por depósito bancário, na conta corrente da Débora da Silva, coordenadora do movimento.

Dados para doação:
Débora da Silva
Banco do Brasil
Agência: 6202-1
Conta corrente: 23.322-6

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>