x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Prefeitura define agressão de guardas na Luz como ‘inaceitável’ e abre investigação

25/09/20 por Arthur Stabile

Compartilhe este conteúdo:

Moradores filmaram GCMs agredindo homem caído com chutes em ação violenta; guardas foram afastados das funções mas seguem recebendo salário normalmente

Três GCMs (Guardas Civis Metropolitanos) de São Paulo cercam um homem caído e o agridem com chutes e golpes de espingarda. A cena foi gravada na região da Luz, centro da capital paulista, na tarde de quinta-feira (24/9). Os três foram afastados pela “inaceitável violência”, segundo a Prefeitura de São Paulo, comandada por Bruno Covas (PSDB).

Era por volta de 17h30 quando ocorreu uma nova operação da guarda. O vídeo registra quando dois deles chegam no homem, que está caído. Um agente dá o primeiro chute, enquanto o segundo dá um golpe mais forte. Um terceiro guarda chega e nada faz para evitar a truculência.

Outro deles ainda dá golpes com sua espingarda na cabeça e nas costas da pessoa, que mal consegue se mover. Um dos GCMs inicia a imobilização, mas depois desiste de prendê-lo. Em nota à Ponte, a Prefeitura explicou que o afastamento do serviço operacional foi imediato.

Leia também: Repressão na Luz aumenta ao virar tema de live de candidatos

“Um processo interno para apuração dos fatos foi aberto assim que o Comando da GCM tomou conhecimento da ocorrência e, após a conclusão, será encaminhado para a Corregedoria da corporação”, diz o documento enviado à reportagem.

Operações constantes

Nas últimas semanas, moradores relatam testemunhar maior violência por parte dos guardas na Luz devido a vídeos de pré-candidatos às eleições municipais de novembro.

A Ponte divulgou quando a guarda investiu contra o fluxo (aglomeração de usuários de drogas) em 4 de setembro, um dia depois de um ex-policial civil ser esfaqueado no local.

No dia 12, a reportagem mostrou depoimentos de moradores sobre as gravações de políticos, que incentivaram as ações violentas. Arthur do Val, o Mamãe Falei, candidato a prefeito, e Carlos Alexandre Braga, candidato a vereador, ambos pelo Patriota, têm feito lives na região.

Nesta quinta-feira, a GCM agiu no mesmo horário em que sempre acontece a limpeza das ruas, conforme moradores da região contam à Ponte. Dessa vez, no entanto, a ação durou horas, com violência, bombas e o revide com rojões jogados por quem estava no fluxo.

“Começou 17h30 e ficaram até 1h com bombas e agressões”, explica Flávio Falcone, médico ativista que atua junto aos dependentes químicos na Luz.

Segundo ele, a cena em que o homem é chutado repete a agressividade de guardas que atuam diariamente no bairro. Sobre a agressão, diz ainda não ter conhecimento de quem seja a vítima, nem seu estado de saúde.

“A cena é muito mais comum do que se imagina, estou lá desde 2012 e vi muitas vezes. Praticamente toda ação tem essa violência, a diferença de ontem é que alguém conseguiu filmar”, explica.

Leia mais: A noite em que o Denarc buscou um policial esfaqueado na Luz

Quem estava na Luz no momento em que a GCM atacou o fluxo conta ter sido por causa de rojões lançados pelas pessoas. No entanto, revela ser uma resposta à brutalidade dos últimos dias.

“Um pessoal estava na [rua] Dino Bueno e começou a jogar rojão em resposta. Tem guarda que, quando o fluxo desce, fica em frente provocando, com cara séria e apontando arma. Causa muita tensão”, diz uma mulher, pedindo anonimato.

Ela explica ter ajudado a evitar uma ação ainda mais violenta. Isso porque os guardas prometeram investir com agressividade após uma nova leva de rojões.

Ajude a Ponte!

A situação aconteceu a rua Helvetia, quando o fluxo retornava para próximo da estação Júlio Prestes da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).

“Teve mais fogos, o pessoal correu e a Iope (tropa da GCM) entrou com tudo. ‘Eles jogaram os rojões e vamos meter bala’, ameaçou um guarda. Graças a Deus conseguimos contornar e o pessoal voltou para a praça”, recorda.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>