x

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

Prefeitura reprime bailes funk com bombas na periferia leste de SP

13/09/20 por Arthur Stabile

Compartilhe este conteúdo:

Prefeitura afirma que guardas reagiram a ‘pedras e garrafas’ atiradas contra eles em Cidade Tiradentes; GCM também atacou com bombas na região da Luz

Um vídeo mostra ação da GCM (Guarda Civil Metropolitana) de São Paulo, comandada pelo prefeito Bruno Covas (PSDB), atirando bombas na direção de um grupo de pessoas na Avenida Naylon Oliveira, na Cidade Tiradentes, extremo leste da capital, na noite de sexta-feira (11/9).

A ação, segundo a Prefeitura, ocorreu para “dispersão de pessoas que estavam agrupadas”. No local ocorria um baile funk, conforme informações nas redes sociais.

Nas imagens é possível ver a população bem afastada da tropa, que usa escudos e aponta as armas e lançam as bombas com gás lacrimogênio. A população, então, corre para sair da mira dos guardas, que seguem avançando pelas ruas.

Em nota, a Prefeitura disse que as pessoas “não obedeceram ordem de liberação da via pública” e “passaram a arremessar pedras e garrafas em direção aos integrantes da GCM”.

A Guarda usou as bombas, “método utilizado nestas situações por ser eficaz na dispersão de pessoas”, segundo a versão oficial. Nenhuma pessoa ficou ferida, ainda de acordo com a Prefeitura, que agiu com 24 guardas em oito viaturas.

A repressão por parte da Guarda tem sido constante, especialmente na região da Luz, no centro da capital paulista. Moradores da região relatam violências constantes por parte da GCM desde o dia 5 de setembro, quando candidatos às eleições municipais iniciaram lives na área.

No sábado (12/9), uma nova investida da Guarda, com apoio da PM, cercou um trecho do bairro, no entorno da estação Julio Prestes da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).

Os relatos são de violência e bombas jogadas a esmo. “Bomba, bagulho louco. Minutos de terror. De início, foram soltar fogos e a polícia se emocionou, partiram para cima”, diz uma pessoa em áudio enviado à Ponte.

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo: