Polícia diz que preso algemado nos pés e nas mãos cometeu suicídio

3 minutos atrás

Caso foi registrado como “suicídio consumado” em Piedade, no interior de São Paulo. Vítima era suspeito de matar a ex-namorada

John Erick de Melo Sena, acusado de matar ex-namorada | Foto: Facebook

Algemado nas mãos e nos pés, o lavrador John Erik de Melo Sena, 45 anos, detido em uma cela da Delegacia de Polícia de Piedade, no interior de São Paulo, conseguiu derrubar dois policiais civis, agarrar uma faca e enfiá-la no próprio pescoço, às 22h30 de quarta-feira (10/5). Pelo menos, é o que diz o boletim de ocorrência elaborado pelos próprios policiais da delegacia e registrado como “suicídio consumado”.

Sena havia sido preso na tarde daquele mesmo dia pela morte da ex-namorada, a auxiliar de produção Dayane Dias de Moraes, 25 anos. Segundo a versão do boletim, o suicídio ocorreu quando os policiais da delegacia retiraram Sena da cela onde estava preso. Mesmo duplamente algemado, ele teria derrubado no chão a carcereira Elza Pereira da Silva, 45, e o investigador Alessandro Mendes, 36. Em seguida, Sena atravessou uma área de serviço e depois correu até um corredor que os policiais utilizavam como cozinha improvisada, por causa de uma reforma que está sendo feita na delegacia. Ali, agarrou uma faca que estava sobre uma mesa e começou a se golpear.

“Os funcionários que estavam na unidade acorreram para socorro dos funcionários e do preso, mas não houve tempo de impedir que ele cravasse a faca no pescoço com um dos golpes”, afirma o boletim. Socorrido inicialmente no pronto-socorro da Santa Casa, Sena morreu após ser transferido ao Hospital Regional de Sorocaba.

Moraes teria sido estrangulada por Sena; segundo polícia, ele confessou crime | Foto: Facebook

O lavrador havia sido preso em flagrante pela morte de Moraes. Segundo a polícia, a jovem havia terminado o namoro com Sena no último domingo (7/5), após seis meses de relacionamento. No dia seguinte ao rompimento, Moraes registrou um boletim de ocorrência contra o ex por apropriação indébita, acusando-o de ter ficado com uma motocicleta dela.  Sena foi até a casa de Moraes e prometeu devolver a moto, pedindo que fosse com ele até a delegacia para “retirar a queixa”.  Depois disso, a jovem desapareceu.

Chamado para ir até a delegacia, no dia 10, Sena confessou que havia estrangulado a ex-namorada e levou a polícia até uma área rural onde o corpo estava escondido. Ali, peritos encontraram sinais de possível violência sexual no corpo da jovem.

O feminícidio de Moraes chocou os moradores de Piedade, cidade de 55 mil habitantes e economia rural, localizada na região de Sorocaba. Na página de Sena no Facebook, muitos comemoraram a notícia de sua morte, escrevendo comentários como “Notícia maravilhosa”, “Infelizmente não teve uma morte lenta” ou “Que o inferno o receba”.

Teve gente que duvidou da versão oficial e comentou “suicidaram ele”. E houve até quem sugerisse matar todos os seus familiares. “É o que penso e ponto ! se nós matássemos as mães dos bandidos que nos matam nas ruas, eles pensariam duas vezes antes de matar alguém!”, escreveu uma mulher que se identifica na rede social como médica cardiologista.

Moraes e Sena em foto postada no Facebook antes do rompimento

Outro lado

A respeito do suposto suicídio de Sena, a CDN Comunicação, responsável pela assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do governo Geraldo Alckmin (PSDB), enviou ontem a seguinte nota:

A Policia Civil de Sorocaba esclarece que a Delegacia de Piedade investiga, por meio de inquérito policial, o caso. A Corregedoria Auxiliar de Sorocaba acompanha as investigações.

Comentários

Comentários

Enviar um comentário

Contribua com a Ponte

Clique para doar