x
Legenda Teste

Ajude a Ponte

Você sabe que a Ponte está do seu lado. Mas, além de coragem, a nossa luta pela igualdade social, racial e de gênero precisa de recursos para se manter. 

Com uma contribuição mensal ou anual, você ajuda a manter a Ponte de pé. Além disso, garante acesso aos bastidores da nossa redação e uma série de benefícios.

Ajude a Ponte

‘Repórteres que falam em Cracolândia são uma fraude’, diz Carl Hart

01/11/17 por Olavo Barros (entrevista) e Fernando Martins (vídeo)

Compartilhe este conteúdo:

Para cientista americano, referência mundial no debate sobre drogas, o maior problema de regiões como a Luz, em São Paulo, não é o crack: é a pobreza

A Cracolândia não existe para o professor Carl Hart, neurocientista da Universidade Columbia, nos EUA, referência mundial no debate sobre drogas, racismo e pobreza. Segundo o cientista, basta passar alguns minutos na região do centro de São Paulo apelidada de Cracolândia para perceber que as pessoas sofrem com a pobreza, o racismo e transtornos psiquiátricos, e que todos esses problemas são muito mais graves do que o consumo de alguma droga.

“Há muitos outros problemas acontecendo naquele local além das drogas. Então, se algum repórter ou conglomerado de mídia fala de crack em primeiro lugar, essa pessoa é uma fraude, ela é desonesta e não se importa com as pessoas do seu país”, afirma o cientista. Na mesma entrevista, ele critica as propostas de internação compulsória para dependentes químicos: “Como um adulto, você tem o direito de fazer mal a si mesmo”.

Hart falou com a Ponte na última vez em que visitou o Brasil, em setembro, para participar de um evento que reuniu os jovens da plataforma Movimentos, a agência Solano Trindade e a Iniciativa Negra por uma Nova Política de Drogas no espaço Aparelha Luzia, no centro de São Paulo. 

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

 

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

Comentários

Comentários

Compartilhe este conteúdo:

>