Rota mata dois pedreiros no trabalho em Guarujá (SP), segundo moradores

Segundo moradores, Elias Vasques e Ygor Silva foram mortos por policiais que chegaram atirando na comunidade do Morro dos Macacos. Polícia afirma que vítimas eram traficantes

Dois homens, identificados como Elias Vasques e Ygor Silva, foram mortos por policiais militares da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) durante uma suposta operação contra o tráfico de drogas no Morro dos Macacos, em Guarujá, no litoral paulista, na tarde da última sexta-feira (10/9). Vizinhos das vítimas ouvidos pela Ponte, contudo, afirmam que os dois jovens não tinham relação com o comércio de entorpecentes e teriam sido mortas enquanto trabalhavam.

Segundo as testemunhas, Elias e Ygor trabalhavam com construção civil, tinham acabado de terminar um serviço na comunidade e estavam esperando para receber o pagamento. Neste momento, segundo essa versão, a PM chegou disparando vários tiros e atingiu os dois.

“Eu estava cortando uns matos no meu quintal quando comecei a ouvir muitos tiros, Muitos mesmo, mais do que o normal. Saí correndo pra dentro de casa e falei pra minha mulher deitar no chão. Acho que foi tiro de fuzil”, disse à reportagem um morador do Morro do Macacos, que prefere não ser identificado. Ele informa que o clima no local é de medo. Os vizinhos temem o retorno da Rota ao local. “Eu já tive um irmão morto pela polícia quando era criança”, relembra.

Ygor e Elias foram socorridos pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), como mostram imagens do resgate que vizinhos filmaram logo após a ação policial, com os corpos ainda nas macas sendo levados para a ambulância. No vídeo, é possível ouvir alguém pedindo “reage”, enquanto outra voz responde “o Elias está morto já”.

A testemunha diz que o atendimento chegou ao local rápido, mas os dois homens levaram muitos tiros. “A ambulância não demorou, mas muitos tiros num corpo a pessoa morre rápido, não tem como socorrer.”

Uma outra testemunha reforça a versão de que os rapazes estariam trabalhando no momento em que foram mortos: “Eles não tinham nenhum envolvimento com a bandidagem. Eram usuários, mas não eram de ficar em biqueira”.

Ela lembra que um dos rapazes era a principal fonte de renda da sua casa e cuidava da mãe, que tem problemas de saúde. “O Elias tinha uma mãe com problemas mentais e dependia dele para todas as coisas.”

O que diz o governo

Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do governo João Doria (PSDB), a Rota foi ao local numa ação contra o tráfico de drogas e teria observado três indivíduos aparentemente armados. “Dois deles apontaram as armas em direção aos agentes, que intervieram”, diz a nota. A SSP diz que um homem ainda conseguiu fugir do local.

“As armas envolvidas na ação foram encaminhadas para perícia e o caso é investigado pelo 1º Distrito Policial do Guarujá. A PM também instaurou inquérito policial militar (IPM) para apurar a ocorrência”, finaliza a nota do governo.

Comentários

Comentários

Já que Tamo junto até aqui…

Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

Ajude

mais lidas