Saiba como identificar fardas e viaturas da Polícia Militar de SP

    Você sabe diferenciar um PM da Rota de um policial da Rocam? Sabe o que significam aqueles números inscritos do lado dos carros policiais? Não tem problema, a gente explica tim tim por tim tim

    Você sabe por que é importante aprender a identificar os diferentes tipos de policiais militares que atuam no estado de São Paulo. São denúncias quase diárias de violência, abusos e mortes causadas por policiais. Muitas dessas denúncias são feitas com o auxílio das câmeras de celular, mas mesmo assim é preciso ter método para se obter resultados eficientes, como explica o coordenador geral da Witness Brasil, Vito Ribeiro.

    “É muito importante manter os arquivos originais de vídeo e foto. Outro ponto é buscar informações complementares, que ajudem o vídeo a mostrar a denúncia”, diz Vito. A Ponte tem um guia para orientar o uso do celular em legítima defesa, feito com a Witness. Agora é a vez de descobrir como separar um PM da Rota de um policial da Rocam.

    Tipos de fardas de PMs 1
    Ilustrações: Joana Brasileiro e Antonio Junião/Ponte Jornalismo
    Tipos de fardas de PMs 2
    Ilustrações: Joana Brasileiro e Antonio Junião/Ponte Jornalismo

    Ilustrações: Joana Brasileiro e Antonio Junião/Ponte Jornalismo
    Tipos de fardas de PMs 4
    Ilustrações: Joana Brasileiro e Antonio Junião/Ponte Jornalismo

    Como na maioria das vezes há grande dificuldade em saber o nome dos policiais militares devido à facilidade em tirar a tarjeta de identificação da farda ou do colete à prova de balas, outra forma de identificar PMs é através da numeração inserida nas viaturas.

    Na capital e Grande São Paulo, tais viaturas e motos iniciam com a letra M, que representa Metropolitano. Já em cidades do interior e do litoral a numeração dos veículos inicia em I, de Interior.

    No exemplo da imagem, usada apenas como ilustração, I-24101 indica que ela patrulha o interior do Estado, mais precisamente o município de São João da Boa Vista, cidade sede do 24° BPM/I (Batalhão de Polícia Militar do Interior). A sequência numérica ainda aponta que a viatura pertence à 1ª Companhia. Já 01 se remete ao número do carro policial. Assim, 24 é o Batalhão, 1 a Companhia, e 01 o registro da viatura.

    Ilustrações: Joana Brasileiro e Antonio Junião/Ponte Jornalismo

    E se, ao invés da letra I, fosse o M? Aí teríamos uma viatura que atua na cidade de Diadema, na Grande São Paulo, em que a ronda é de responsabilidade do 24° BPM/M (Batalhão de Polícia Militar Metropolitano). Sendo que a companhia e registro de viatura seguem os mesmos procedimentos do mencionado acima.

    Tais exemplos funcionam para identificar unidades como radiopatrulha, Rocam (Rondas com Apoio de Motocicletas) e Força Tática. Em alguns casos, viaturas da Força Tática podem vir com 0 no campo referente à companhia.

    Imagem ilustra farda utilizada por PMs da Rocam, além de mostrar o ponto em que está afixado o número de identificação na moto | Ilustrações: Joana Brasileiro e Antonio Junião/Ponte Jornalismo

    O Baep (Batalhão de Ações Especiais de Polícia), criado para ser uma espécie de Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) do Interior, hoje, está presente em quase todo Estado.

    Suas viaturas escuras têm sequência de identificação inciada pela letra E, seguido do número do batalhão, companhia e registro do veículo.

    Viaturas Baep
    Ilustrações: Joana Brasileiro e Antonio Junião/Ponte Jornalismo

    No exemplo da ilustração, o carro policial E-10200, pertence ao 10° Baep, com sede em Piracicaba, no interior paulista. O terceiro algarismo indica que a viatura é da 2° Companhia, e o seu registro é 00.

    A capital paulista possui apenas duas unidades do Baep. O 4° Batalhão de Ações Especiais de Polícia com sede em São Miguel Paulista e com autonomia para patrulhar a zona leste; e o 7° Baep, localizado na Aclimação, com autonomia para rondas no centro da cidade.

    Comando de Policiamento de Choque

    Paralelo às unidades policiais de patrulhamento diário estão aquelas que atuam quando o policiamento de área não dá conta do recado. Nesse caso, entra em ação o CPChq (Comando de Policiamento de Choque).

    No caso das viaturas do Comando de Policiamento de Choque, não há letra, todas elas têm como início o numeral 9, seguido do número do batalhão, da companhia e do carro.

    1º Batalhão de Choque – Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar) Função: combate ao crime organizado

    Exemplo de viatura: 91120 – onde 9 representa o Choque, 1 a Rota, 1 a Companhia e 20 número da viatura

    2º Batalhão de Choque – Anchieta
    Função: atuação em grandes eventos; escolta de torcidas organizadas

    Exemplo de viatura: 92200 – onde 9 representa o Choque, 2 o 2° Batalhão, 2 a Companhia e 00 número da viatura

    3º Batalhão de Choque – Humaitá – Tropa de Choque
    Função: controle de distúrbio civil; contenção de rebeliões

    Exemplo de viatura: 93103 – onde 9 representa o Choque, 3 a Tropa de Choque, 1 a Companhia e 03 o número da viatura

    4º Batalhão de Choque

    1°, 2° e 3° Companhia – COE (Comandos e Operações Especiais)
    Função: ações em áreas de difícil acesso; buscas em matas

    Exemplo de viatura: 94108 – onde 9 representa o Choque, 4 o 4° Batalhão, 1 a Companhia, e 08 o número da viatura

    4°, 5° e 6° Companhia – Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais)
    Função: atuação em sequestros com reféns; manejo e detonação de explosivos

    Exemplo de viatura: 94508 – onde 9 representa o Choque, 4 o 4° Batalhão, 5 a Companhia, e 08 o número da viatura

    5° Batalhão de Choque – Canil
    Função: operações com uso de cães

    Exemplo de viatura: 95204 – onde 9 representa o Choque, 5 o Canil, 2 a Companhia, 04 número da viatura

    Órgão que tem como uma das suas atribuições controlar a disciplina de policiais militares, as viaturas da Corregedoria têm início com o número 6. Exemplo de sequência é: 60024. A Corregedoria também possui policiais à paisana e viaturas descaracterizadas.

    Comentários

    Comentários

    Já que Tamo junto até aqui…

    Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

    Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

    Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

    Ajude

    mais lidas