Santo Dias: uma morte da ditadura que a democracia deixou impune

    Há 40 anos, um policial militar matou o operário Santo Dias, com um tiro nas costas, durante uma greve na zona sul de São Paulo

    A maior parte dos crimes da ditadura de 1964-1985 foi praticada por órgãos de repressão que desapareceram com a chegada da democracia, como o Doi-Codi, do Exército, ou o Dops, da Polícia Civil. Mas uma das mortes mais emblemáticas dos anos finais do regime militar levou a assinatura de uma instituição recém-criada, que haveria de permanecer mesmo após a redemocratização.

    A morte foi a do operário Santo Dias da Silva, assassinado com um tiro nas costas em 30 de outubro de 1979, um crime que acaba de completar 40 anos de impunidade. E a instituição responsável pela sua morte foi a Polícia Militar, instituída nos estados a partir de 1969, quando um decreto-lei do governo federal tirou das ruas as Guardas Civis e declarou que o policiamento ostensivo passaria a ser exclusivo dos policiais militares.

    O PM Herculano Leonel, acusado de atirar em Santo, chegou a ser condenado a seis anos de prisão, pelo Conselho de Sentença da Primeira Auditoria Militar do Estado de São Paulo, mas foi absolvido, no ano seguinte, por uma decisão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo.

    Em evento realizado no sábado (26/10), parentes, amigos e ativistas recordaram a morte de Santo Dias e a luta por justiça e igualdade social.

    “A gente sabe que a luta do Santo não era só do Santo. Tantos companheiros e companheiras caíram pelo caminho, mas o sangue deles foi força, semente e teimosia”, disse a viúva de Santo, Ana Dias.

    Metalúrgicos participam da missa de sétimo dia em memória de Santo Dias, na Catedral da Sé | Foto: Nair Benedicto

    Comentários

    Comentários

    Já que Tamo junto até aqui…

    Que tal entrar de vez para o time da Ponte? Você sabe que o nosso trabalho incomoda muita gente. Não por acaso, somos vítimas constantes de ataques, que já até colocaram o nosso site fora do ar. Justamente por isso nunca fez tanto sentido pedir ajuda para quem tá junto, pra quem defende a Ponte e a luta por justiça: você.

    Com o Tamo Junto, você ajuda a manter a Ponte de pé com uma contribuição mensal ou anual. Também passa a participar ativamente do dia a dia do jornal, com acesso aos bastidores da nossa redação e matérias como a que você acabou de ler. Acesse: ponte.colabore.com/tamojunto.

    Todo jornalismo tem um lado. Ajude quem está do seu.

    Ajude

    mais lidas